2020-06-26

18 argumentos carnívoros destruídos

Por mais desagradável que possa ser para os que produzem e comem carne, as evidências ambientais e de saúde para uma dieta baseada em vegetais são claras

Tradução do artigo Why you should go animal-free: 18 arguments for eating meat debunked, por Damian Carrington, editor de Ambiente, no Guardian, 13 jun 2020

2020-06-20

Olfato, Covid-19 e mais coisas

A anosmia (perda de olfato e de sabor) apareceu ligada à pandemia de Covid-19, mas trouxe curiosidade sobre o nosso olfato. Este artigo na Horizon, site de divulgação científica da União Europeia, intrigou-me, porque descreve comportamentos humanos ligados ao olfato, mas — a não ser que o meu olfato seja terrível (não é excecional, mas funciona) — muitas, senão a maioria, das nossas perceções olfativas são inconscientes. Seria o velho caso das feromonas...

De muito interesse é também a menção de um instrumento online para avaliação do nosso próprio sabor, com a utilização de ingredientes comuns existentes em qualquer casa. Brevemente vou experimentar.

Porque é que o coronavírus ataca o sentido do olfato?

No início, eram apenas relatos anedóticos. Especialistas em ORL (Otorrinolaringologia) de todo o mundo estavam a compartilhar as suas experiências em quadros de mensagens online — todos estavam a ver um pico em pacientes com anosmia, perda de olfato.

O vínculo com o coronavírus foi levado ao conhecimento público por especialistas no Reino Unido no final de março e, desde então, as organizações de saúde foram adicionando gradualmente a anosmia à lista de sintomas do Covid-19. De acordo com um estudo recente, cerca de dois terços das pessoas com Covid-19 sofrem uma súbita perda de cheiro ou sabor.

The Room Where It Happened

John Bolton, antigo conselheiro de Segurança Nacional de Trump, depois de romper com ele, acaba de escrever um livro cheio de revelações sobre a Borbulha Laranja.

John Bolton, um conservador superagressivo em política externa, não é exatamente flor que se cheire. Diz-se dele que nunca encontrou uma proposta de guerra de que não gostasse. Enquanto ocupou o cargo na Casa Branca, pressionou incansavelmente a favor da agressão ao Irão. O ponto de rotura com Trump surgiu quando este reteve verbas de ajuda militar à Ucrânia, a braços com a agressão russa no Donbass, procurando pressionar o país a abrir uma investigação ao filho de Joe Biden. John Bolton insurgiu-se, chamando ao caso "um negócio de tráfico de drogas" e a Ruddy Guiliani, o advogado de Trump que tratava do assunto, "uma granada de mão prestes a explodir". Foi daqui que partiu o processo de destituição de Trump. Bolton recusou-se a ser ouvido como testemunha pelo Congresso.

2020-06-16

A invenção de Cristóvão Colombo, herói americano

As fortunas do Colombo mito nos EUA são descritas neste curioso artigo de The Nation. A ascenção do navegador a grande descobridor das Américas, aqui descrita, faz-me desconfiar da proeminência que tem em Portugal. Será efeito da influência cultural dos EUA ou de Espanha? Curiosa questão a investigar...

Como os fundadores dos EUA transformaram Cristóvão Colombo, um medíocre marinheiro italiano e assassino em massa, num ícone histórico.

Por Edward Burmila

Em 1892, The Youth's Companion —uma revista nacional para crianças editada por Francis Bellamy (o ministro socialista mais conhecido por escrever o Pledge of Allegiance) — ofereceu aos leitores um programa para comemorar o 400º aniversário da chegada de Cristóvão Colombo ao Novo Mundo. Todas as escolas do país, entoou a revista solenemente, deveriam segui-lo à risca.

2020-06-07

Leão Tolstói, o santo ímpio

2000 anos de descrença: Leão Tolstoi

18 de maio de 2020

Por James A. Haught

Este é o décimo quarto segmento de uma série de renomados céticos ao longo da história. Esses perfis foram extraídos de “2000 Years of Disbelief: Famous People With the Courage to Doubt” (2000 Anos de Descrença: Pessoas Famosas com a Coragem de Duvidar), Prometheus Books, 1996, publicado em inglês em Daylight Atheism (Patheos)

Muitas pessoas que rejeitam o cristianismo sobrenatural abraçam, no entanto, a mensagem de compaixão de Cristo. Leão Tolstoi (1828-1910) levou esse padrão ao extremo.

Renunciou à religião organizada e foi excomungado pela Igreja Ortodoxa Russa ‒ mas tornou-se quase um monge, vivendo ao serviço dos outros.