2020-06-26

18 argumentos carnívoros destruídos

Por mais desagradável que possa ser para os que produzem e comem carne, as evidências ambientais e de saúde para uma dieta baseada em vegetais são claras

Tradução do artigo Why you should go animal-free: 18 arguments for eating meat debunked, por Damian Carrington, editor de Ambiente, no Guardian, 13 jun 2020

Se se preocupa com a sua saúde, o meio ambiente ou o bem-estar dos animais, há evidências científicas de que as dietas sem carne são as melhores. Milhões de pessoas nos países ricos já cortam nos produtos de origem animal.

Damian Carrington

Damian Carrington

É claro que os criadores de gado e os amantes da carne estão, de forma nada surpreendente, a contra-atacar, e as coisas podem tornar-se confusas. Será que os abacates são mesmo piores que a carne bovina? E a produção de amêndoas que massacra as abelhas?

A pandemia de coronavírus adicionou outro ingrediente a essa mistura. A destruição desenfreada do mundo natural é vista como a causa profunda das doenças que entram nos seres humanos e é amplamente impulsionada pela expansão da agricultura. Os principais cientistas da biodiversidade do mundo dizem que mais pandemias mortais se seguirão, a menos que a devastação ecológica seja rapidamente interrompida.

A alimentação é também uma parte vital da nossa cultura, enquanto a acessibilidade dos alimentos é uma questão de justiça social. Não existe, assim, uma dieta perfeita. Mas a evidência é clara: qualquer que seja a dieta saudável e sustentável que se escolher, vai ter muito menos carne vermelha e laticínios do que as dietas ocidentais padrão de hoje, e possivelmente nenhuns. Isso acontece por dois motivos básicos.

Primeiro, o consumo excessivo de carne está a causar uma epidemia de doenças, com cerca de 254 mil milhões de euros gastos anualmente em todo o mundo, só a tratar doenças causadas pelo consumo de carne vermelha. Segundo, comer plantas é simplesmente um uso muito mais eficiente dos recursos stressados do planeta do que alimentar os animais com plantas e depois comê-los. O rebanho global de gado e os grãos que consome ocupam 83% das terras agrícolas globais, mas produz apenas 18% das calorias dos alimentos.

Então, o que dizer de todos esses argumentos a favor do consumo de carne e contra dietas veganas, vegetarianas, flexitárias? Vamos começar com o grande argumento sanguíneo sobre carne vermelha.

 argumento
A carne alimentada com erva é de baixo carbono

Isso é verdade apenas quando comparado à carne de criação intensiva ligada à destruição da floresta. A União Nacional de Agricultores do Reino Unido diz que a carne bovina do Reino Unido tem apenas metade das emissões em comparação com a média mundial. Porém, muitas pesquisas mostram que a carne alimentada com erva usa mais terra e produz mais — ou, na melhor das hipóteses, semelhantes — emissões, porque o grão é mais fácil de digerir e as vacas criadas intensivamente têm vidas mais curtas. Ambos os fatores significam menos metano. De qualquer forma, as emissões até da melhor carne bovina ainda são muitas vezes superiores às dos feijões e legumes.

Há mais. Se todas as pastagens do mundo fossem devolvidas à vegetação natural, isso iria remover da atmosfera gases de efeito de estufa equivalentes a cerca de oito mil milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, de acordo com Joseph Poore, da Universidade de Oxford. Isso representa cerca de 15% das emissões totais de gases de efeito de estufa do mundo. Apenas uma pequena fração dessas pastagens seria necessária para o cultivo de alimentos para substituir a carne perdida. Então, no geral, se quer enfrentar a crise climática, não vai querer carne.

gado pasta

Gado num pasto com turbinas eólicas em fundo. no parque eólico Smoky Hill, perto de Vesper, Kansas [Foto: Charlie Riedel/AP]

 argumento
O gado é na verdade neutro para o clima, porque o metano é um gás de efeito de estufa de vida relativamente curta

O metano é um gás de efeito de estufa muito poderoso e os ruminantes produzem muito. Mas permanece na atmosfera apenas por um tempo relativamente curto: metade é decomposta em nove anos. Isso leva alguns a argumentar que manter o rebanho global de gado nos níveis atuais — cerca de mil milhões de animais — não está a aquecer o planeta. As vacas que arrotam só substituem o metano que se degrada com o passar do tempo.

Mas isso é simplesmente "contabilidade criativa", de acordo com Pete Smith, da Universidade de Aberdeen, e Andrew Balmford, da Universidade de Cambridge. Não devemos argumentar que os criadores de gado podem continuar a poluir apenas porque o fizeram no passado, dizem eles: "Precisamos de fazer mais do que ficar parados". De facto, a natureza de curta duração do metano faz da redução do número de animais uma “meta particularmente atraente”, uma vez que precisamos desesperadamente de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa o mais depressa possível, para evitar os piores impactos da crise climática.

De qualquer forma, o foco só no metano não faz desaparecer a desflorestação desenfreado por pecuários da América do Sul. Mesmo se ignorarmos completamente o metano, diz Poore, os produtos de origem animal ainda produzem mais CO2 do que as plantas. Até um dos defensores da alegação de metano diz: "Eu concordo que a pecuária intensiva é insustentável".

 argumento
Em muitos sítios, a única coisa que se pode cultivar é forragem para vacas e ovelhas

A presidente da União dos Agricultores do Reino Unido, Minette Batters, diz: "Sessenta e cinco por cento da terra britânica é adequada apenas para pastagem de gado e temos o clima certo para produzir carne vermelha e laticínios de alta qualidade".

"Mas se todos argumentassem que 'os nossos pastos são os melhores e deveriam ser usados para pastar', não haveria maneira de limitar o aquecimento global", diz Marco Springmann, da Universidade de Oxford. O seu trabalho mostra que uma transição para uma dieta flexitária predominantemente baseada em plantas liberaria ao mesmo tempo pastagens e terras agrícolas.

Os pastos poderiam, em vez disso, ser usado para cultivar árvores e reter carbono, devolver terras ao estado silvestre e restaurar a natureza e cultivar bioenergia para substituir os combustíveis fósseis. Os produtos agrícolas que deixam de ser usados para alimentar animais podem tornar-se alimento para as pessoas, aumentando a auto-suficiência nacional em cereais.

 argumento
O gado a pastar ajuda a armazenar carbono da atmosfera no solo

Isso é verdade. O problema é que, mesmo nos melhores casos, esse armazenamento de carbono compensa apenas 20% a 60% das emissões totais do gado em pastagem. "Por outras palavras, a criação de animais em pastagem — mesmo no melhor cenário — contribui para o problema climático, como todo o gado", diz Tara Garnett, também da Universidade de Oxford.

Além disso, pesquisas mostram que esse armazenamento de carbono atinge o seu limite nalgumas décadas, enquanto o problema das emissões de metano continua. O carbono armazenado também é vulnerável — uma mudança no uso da terra ou até uma seca pode vê-lo libertado novamente. Os defensores do “pastoreio holístico” para capturar carbono também são criticados pela extrapolação irrealista dos resultados locais para os níveis globais.

 argumento
Há muito mais vida selvagem em pastagens do que em áreas de monocultura

Provavelmente isto é verdade, mas falha no que interessa. Um grande impulsionador da crise global da vida selvagem é a contínua destruição do habitat natural para criar pasto para o gado, no passado e que continua. Os herbívoros têm um papel importante nos ecossistemas, mas a alta densidade dos rebanhos de criação significa que o pasto é pior para a vida selvagem do que a terra natural. Comer menos carne significa menos destruição de locais selvagens e cortar na carne significativamente também liberaria pastagens e terras cultiváveis que poderiam ser devolvidas à natureza. Além disso, um terço de todas as terras cultivadas é usado para cultivar ração animal.

 argumento
Precisamos de animais para converter alimentos em proteínas que os humanos podem comer

Não há falta de proteína, apesar do que se diz. Nos países ricos, as pessoas geralmente comem de 30 a 50% a mais de proteína do que precisam. Todas as necessidades de proteínas podem ser facilmente atendidas a partir de fontes vegetais, como feijões, lentilhas, nozes e grãos integrais.

Mas os animais podem desempenhar um papel em algumas partes da África e da Ásia, onde, na Índia, por exemplo, os resíduos da produção de grãos podem alimentar o gado produtor de leite. No resto do mundo, onde grande parte das terras cultiváveis que poderiam ser usadas para alimentar as pessoas é realmente usada para alimentar animais, ainda é necessário um corte no consumo de carne para que a agricultura seja sustentável.

 argumento
E então o leite de soja e o tofu que estão a destruir a Amazónia?

Não estão. Mais de 96% da soja da região amazónica é fornecida para vacas, porcos e galinhas comidos em todo o mundo, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, diz Poore. Além disso, 97% da soja brasileira é geneticamente modificada, proibida para consumo humano em muitos países e raramente é usada para produzir tofu e leite de soja, em qualquer caso.

O leite de soja também tem emissões e uso de terra e água muito menores que o leite de vaca. Se se preocupa com a Amazónia, não comer carne continua a ser a sua melhor aposta.

 argumento
A produção de leite de amêndoa está a massacrar abelhas e a transformar terras em desertos

Alguma produção de amêndoa pode muito bem causar problemas ambientais. Mas isso ocorre porque a crescente procura impulsionou a rápida intensificação em locais específicos, como a Califórnia, que poderiam ser resolvido com regulamentação adequada. Não tem nada a ver com o que as amêndoas precisam para crescer. A produção tradicional de amêndoas no sul da Europa não usa irrigação. Talvez também seja interessante notar que as abelhas que morrem na Califórnia não são selvagens, mas criadas por agricultores como gado de seis patas.

Assim como o leite de soja, o leite de amêndoa ainda apresenta menores emissões de carbono e uso de terra e água do que o leite de vaca. Mas se você ainda está preocupado, existem muitas alternativas, pois o leite de aveia geralmente sai com a menor pegada ambiental.

 argumento
Os abacates estão a causar secas em alguns sítios

Novamente, o problema aqui é o rápido crescimento da produção em regiões específicas que carecem de controles prudentes sobre o uso da água, como Peru e Chile. Os abacates geram três vezes menos emissões que o frango, quatro vezes menos que a carne de porco e 20 vezes menos que a carne bovina.

Se ainda está preocupado com os abacates, é claro que pode optar por não comê-los. Mas não é motivo para comer carne, que tem uma pegada de água e desflorestação muito maior.

É provável que o mercado resolva o problema, pois a alta procura dos consumidores por abacates e amêndoas incentiva os agricultores de outros lugares a fazer essas culturas, aliviando assim a pressão sobre os pontos críticos da produção atual.

Abacates

Dois trabalhadores mexicanos escolhem abacates orgânicos na Stehly Farms Organics em Valley Center, Califórnia.
[Foto: Ariana Drehsler / AFP via Getty Images]

10º

 argumento
O boom da quinoa está a prejudicar agricultores pobres no Peru e na Bolívia

A quinoa é um alimento incrível e conheceu uma grande expansão. Mas a ideia de que isso tirou comida da boca de agricultores pobres está errada. "A alegação de que o aumento dos preços da quinoa estava a prejudicar aqueles que tradicionalmente a produziam e consumiam é patentemente falsa", disseram pesquisadores que estudaram a questão.

A quinoa nunca foi um alimento básico, representando apenas alguns por cento do orçamento alimentar para essas pessoas. O boom da quinoa não teve efeito sobre sua nutrição. O boom também aumentou significativamente a renda dos agricultores.

Há um problema com a queda na qualidade do solo, pois a terra é mais trabalhada. Mas agora a quinoa é plantada na China, Índia e Nepal, assim como nos EUA e Canadá, aliviando o fardo. Os pesquisadores estão mais preocupados agora com a perda de renda dos agricultores sul-americanos à medida que a oferta de quinoa aumenta e o preço cai.

11º

 argumento
E o óleo de palma que destrói florestas tropicais e orangotangos?

As plantações de óleo de palma levaram a uma desflorestação terrível. Mas isso é um problema para todos, não apenas para os veganos: está presente em cerca de metade de todos os produtos das prateleiras dos supermercados, alimentos e produtos de higiene pessoal. A União Internacional para a Conservação da Natureza argumenta que a escolha de óleo de palma produzido de forma sustentável é na verdade positiva, porque outras culturas oleaginosas ocupam mais terra.

Mas Poore diz: "Estamos a abandonar milhões de hectares por ano de terras oleaginosas em todo o mundo, incluindo campos de colza e girassol nas antigas regiões soviéticas e nas tradicionais plantações de azeitona". Fazer melhor uso dessa terra seria preferível ao uso de óleo de palma, diz ele.

12º

 argumento
Questão de saúde: os veganos não recebem B12 suficiente, tornando-se estúpidos

Uma dieta vegana é geralmente muito saudável, mas os médicos têm avisado sobre a possível falta de vitamina B12, uma vitamina importante para a função cerebral encontrada no leite, nos ovos e na carne. Isso é facilmente remediado tomando um suplemento.

No entanto, um olhar mais atento revela algumas surpresas. O B12 é produzido por bactérias no solo e na tripa dos animais, e o gado ao ar livre ingere o B12 à medida que pasta e bica no chão. Porém, a maioria dos animais não tem ar livre, e pesticidas e antibióticos amplamente usados ​​em fazendas matam os insetos produtores de B12. O resultado é que a maioria dos suplementos de vitamina B12 — 90% de acordo com uma fonte — é fornecida ao gado, não às pessoas.

Portanto, há uma escolha aqui entre tomar um suplemento de vitamina B12 ou comer um animal que recebeu o suplemento. As algas são uma fonte vegetal de B12, embora o grau de biodisponibilidade ainda não esteja estabelecido. Também vale a pena notar que um número significativo de não-veganos é deficiente em vitamina B12, principalmente idosos. Entre os veganos, esse número é de apenas 10%.

13º

 argumento
As alternativas vegetais à carne são mesmo pouco saudáveis

O rápido sucesso do hamburguer à base de plantas levou alguns a criticá-los como junk food ultraprocessado. Um hamburguer à base de plantas pode não ser mais saudável se os níveis de sal forem muito altos, diz Springmann, mas é mais provável que ainda seja mais saudável do que um hamburguer de carne, quando todos os fatores nutricionais são considerados, principalmente as fibras. Além disso, a substituição de um hamburguer de carne bovina por uma alternativa baseada em vegetais é certamente menos prejudicial ao meio ambiente.

Certamente há um forte argumento de que, em geral, ingerimos demasiados alimentos processados, mas isso aplica-se tanto aos comedores de carne como aos vegetarianos e veganos. E, como é improvável que a maioria das pessoas desista de hamburgueres e salsichas para já, as opções à base de plantas são uma alternativa útil.

Hamburger Beyond Meat

Hamburguer sem carne da Beyond Meat. [Foto: John D Ivanko / Alamy Stock Photo / Alamy Stock Photo]

14º

 argumento
Apanhei-te: frutas e vegetais não são veganos porque dependem de estrume animal como fertilizante

A maioria dos veganos diria que é tolice dizer que frutas e vegetais são produtos de origem animal e muitos são produzidos sem estrume animal. De qualquer forma, não há razão para a horticultura depender de estrume. O fertilizante sintético é facilmente produzido a partir do azoto no ar e há abundância de fertilizante orgânico disponível se optarmos por usá-lo mais amplamente na forma de fezes humanas. A aplicação excessiva de fertilizantes causa problemas de poluição da água em muitas partes do mundo. Mas isso aplica-se tanto ao fertilizante sintético como ao estrume e resulta de má gestão.

15º

 argumento
As dietas veganas matam milhões de insetos

Piers Morgan (comentador populista britânico de TV) está entre os que criticam os veganos "hipócritas" porque as abelhas mantidas comercialmente morrem ao polinizar amêndoas e abacates e as ceifeiras-debulhadoras "criam assassínios em massa de insetos" e pequenos mamíferos enquanto produzem a colheita de cereais. Mas quase toda a gente come esses alimentos, não só os veganos.

É verdade que os insetos estão num terrível declínio em todo o planeta. Mas os maiores fatores são a destruição dos habitats selvagens, principalmente para a produção de carne, e o amplo uso de pesticidas. Se está mesmo preocupado com os insetos, então é melhor optar por uma dieta orgânica à base de plantas.

16º

 argumento
Dizer às pessoas para comer menos carne e laticínios é negar nutrição vital aos mais pobres do mundo

Uma “dieta de saúde planetária” publicada por cientistas para atender às necessidades globais de saúde e ambientais foi criticada pela jornalista Joanna Blythman: “Quando ideólogos que vivem em países ricos pressionam os países pobres a evitar alimentos de origem animal e usarem vegetais, estão a exibir insensibilidade grosseira, e uma mentalidade colonial do 'salvador branco'.”

De facto, diz Springmann, que fazia parte da equipe por trás da dieta planetária em saúde, a dieta iria melhorar a ingestão nutricional em todas as regiões, incluindo regiões mais pobres, onde os alimentos ricos em amido atualmente dominam as dietas. Os grandes cortes de carne e laticínios são necessários nos países ricos. Noutras partes do mundo, muitas dietas saudáveis e tradicionais já são baixas em produtos de origem animal.

17º

 argumento
As emissões do transporte significam que comer plantas de todo o mundo é muito pior do que carne e laticínios locais

"Comer localmente é uma recomendação que se ouve com frequência [mas] é um dos conselhos mais equivocados", diz Hannah Ritchie, da Universidade de Oxford. "As emissões de gases de efeito de estufa do transporte compõem uma quantidade muito pequena das emissões dos alimentos e o que se come é muito mais importante do que por onde a sua comida viajou".

Carnes vermelhas e borrego têm muitas vezes a pegada de carbono da maioria dos outros alimentos, diz ela. Portanto, quer a carne seja produzida localmente quer enviada do outro lado do mundo, as plantas ainda continuarão a ter pegadas de carbono muito mais baixas. As emissões do transporte para carne bovina são cerca de 0,5% do total e para borrego, 2%.

A razão disso é que quase todos os alimentos transportados por longas distâncias viajam em navios, que podem acomodar grandes cargas e, portanto, são bastante eficientes. Por exemplo, as emissões dos abacates que cruzam o Atlântico são cerca de 8% de sua pegada total. É claro que o frete aéreo resulta em altas emissões, mas muito pouco alimento é transportado dessa forma; representa apenas 0,16% dos quilómetros da alimentação.

18º

 argumento
Todos os trabalhadores pecuários ficariam desempregados se o mundo se livrasse da carne

A pecuária é massivamente subsidiada com dinheiro dos contribuintes em todo o mundo — ao contrário de vegetais e frutas. Esse dinheiro poderia ser usado para apoiar alimentos mais sustentáveis, como feijão e nozes, e para pagar outros serviços valiosos, como capturar carbono em florestas e pântanos, restaurar a vida selvagem, limpar a água e reduzir os riscos de inundação. Os seus impostos não devem ser usados ​​para fornecer bens públicos em vez de danos?


Pronto, a alimentação é complicada. Mas, por mais que desejemos continuar a cultivar e comer como fazemos hoje, a evidência é clara de que consumir menos carne e mais plantas é muito bom para a nossa saúde e para o planeta. O facto de algumas plantas cultivadas terem problemas não é motivo para comer carne.

No fim, será você a escolher o que come. Se deseja comer de forma saudável e sustentável, não precisa de parar de comer carne e laticínios por completo. A dieta de saúde planetária permite um hamburguer de carne, peixe e um ovo por semana, e um copo de leite ou algum queijo por dia.

O escritor de alimentação Michael Pollan prenunciou a dieta de saúde planetária em 2008 com uma regra simples de sete palavras: “Coma comida. Não muita. Principalmente plantas." Mas se quer ter o máximo impacto no combate à crise climática e da vida selvagem, será tudo plantas.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.