Buda, Abraão, Jesus, Maomé, pessoas ou lendas? (1)

Buda, Abraão, Jesus, Maomé – Figuras históricas maiores que a vida ou em grande parte lendas? (Parte 1)

Sabemos menos do que possa pensar sobre as vidas de Buda, Abraão, Jesus, Maomé, e da maioria dos outros “fundadores” religiosos.

Esta é a tradução de um artigo em duas partes, criado por Valerie Tarico1 e David Fitzgerald2, explorando o caráter lendário dos fundadores das grandes religiões. A segunda parte está aqui.

O escritor David Fitzgerald é um fã da História cujo fascínio principal é a história inicial da religião. Quando investigou as origens do cristianismo, ficou surpreendido ao descobrir quão poucas provas temos sobre Jesus como pessoa histórica. As histórias menos fantasiosas sobre a vida de Jesus encontram-se nos quatro evangelhos do Novo Testamento, mas os quatro evangelhos que chegaram ao Novo Testamento – e outros que não chegaram – foram escritos gerações depois de qualquer rabi Jesus histórico ter vivido. Eles contradizem-se mutuamente e contêm acontecimentos milagrosos que, em qualquer outro contexto, simplesmente chamaríamos magia, mitologia, ou contos de fadas. Estes eventos ecoam “tropos” que eram comuns no folclore da região, como a ideia de uma mulher fecundada por um deus, animais falantes ou transmutação (uma substância transformar-se noutra), curas mágicas, alguém regressar dos mortos, ser/tornar-se uma divindade.

O registo histórico é tão desgastado, tão costurado com mitos e lendas óbvias, que Fitzgerald começou a perguntar-se se o homem, Jesus, alguma vez existiu realmente. Depressa descobriu que não estava sozinho. Será que as narrativas sobre Jesus eram história mitologizada (significando que as histórias de uma pessoa real tinham elementos míticos acrescentados ao longo do tempo, como Davie Crockett a matar um urso quando com apenas três anos)? Ou eram mitologias historicizadas (significando que as lendas de um personagem mítico tinham detalhes históricos acrescentados à medida que as histórias eram recontadas)? Os escritos antigos são abundantes em ambos os casos. Alexandre, o Grande realizou milagres. Os três sábios da história de Natal ganharam nomes e biografias durante a Idade Média.

Valerie Tarico e David Fitzerald

Valerie Tarico e David Fitzerald

Durante gerações, académicos estudiosos da Bíblia têm vindo, gradualmente, a transferir pedaços das histórias do Evangelho para fora do balde da História e para dentro do balde da Mitologia. À medida que os instrumentos de investigação se tornaram mais avançados, o que “sabemos” sobre qualquer Jesus histórico tem diminuído. A grande maioria dos peritos relevantes pensa que uma pessoa real está no centro das histórias. Se quiser compreender porquê, leia ou ou ouça os estudiosos do Novo Testamento Bart Ehrman ou James McGrath. Mas, de qualquer forma, podemos estar confiantes de que os retratos bíblicos de Jesus oferecem pouca clareza sobre quem quer que tenha sido. A forma dos evangelhos, o seu conteúdo, as suas contradições internas e as datas mais prováveis da escrita sugerem que são, em grande parte, material lendário.

Não faz mal, diz Fitzgerald. Como vários estudiosos têm salientado, não precisamos de saber quem Jesus foi ou mesmo se existiu para melhor compreender a emergência do cristianismo. Há, ao que parece, padrões na forma como as religiões emergem, quer o fundador icónico tenha sido ou não uma única pessoa de carne e osso. Estes padrões têm a ver com a evolução cultural e tecnológica, a qual será destacada na Parte 2 desta série.

Mas uma peça chave do padrão é esta: A maioria das grandes religiões têm fundadores que estão envoltos em camadas e camadas de mitologia óbvia – ao ponto de pouco interesse sobrar quando os mitos são descascados. O cristianismo está longe de ser único, no que toca a evidências duvidosas sobre um fundador ostensivo, agora anunciado como profeta, deus ou semideus. Durante séculos – ou mesmo milénios – os ensinamentos religiosos têm apontado para grandes indivíduos, profetas, semideuses, ou seres sobrenaturais como fonte de revelação divina. Mas contemplar atentamente estas afirmações é um pouco como agarrar em algodão doce à chuva.

Quando Fitzgerald começou a escrever e a falar publicamente sobre as suas dúvidas em relação a Jesus, ficou surpreendido ao ser contactado por budistas e antigos muçulmanos que o informaram que estavam a ter debates semelhantes nos seus respetivos círculos – argumentos sobre se Buda, o Príncipe Sidarta Gautama, ou o Profeta Maomé, realmente existiam! Tal como com Jesus, a grande maioria dos peritos relevantes assume que as histórias de Maomé estão enraizadas numa pessoa real. Mas mesmo assumindo que estas figuras maiores que a vida existiram em tempos em carne e osso, as dúvidas refletem o pouco que sabemos sobre as suas vidas ou sobre quaisquer papéis diretos que eles (em vez das suas lendas) possam ter desempenhado na história.

Judaísmo – Abraão, Moisés, Josué e outras figuras do Antigo Testamento

A maioria dos não cristãos e dos cristãos e não-fundamentalistas reconhecem que histórias como o Jardim do Éden, a Torre de Babel e o Dilúvio de Noé são mitos sagrados que procuravam explicar desastres naturais, reforçar as regras morais ou a identidade tribal. Uma devastadora chuva de meteoros pode ter inspirado histórias sobre Sodoma e Gomorra ou os muros de Jericó (ou então, mais uma vez, talvez não), mas faltam-nos provas arqueológicas para grandes histórias bíblicas, incluindo a conquista de Canaã e a fuga do Egito. Não temos nada que sustente as histórias dos patriarcas, de Abraão a Moisés e Josué.

As provas no terreno não mostram qualquer sinal do monoteísmo de Israel até à melhor parte do milénio seguinte. Mesmo assim, a arqueologia sugere que David e Salomão existiram, mas a grandeza dos seus lendários reinos e proezas reais provavelmente não. Para os olhos modernos, o verdadeiro David, com a sua “monarquia unida”, poderia parecer um chefe bandido de uma aldeia de pastores na região bravia dos montes da Judeia.

Daniel Lazare conta a história desta forma:

“Judá, o único posto avançado judeu que restava no final do século VIII AEC, era um reino pequeno, isolado das estradas, com pouco poder militar ou financeiro. No entanto, a certa altura, os seus sacerdotes e governantes parecem ter sido tomados pela ideia de que a sua divindade nacional, agora considerada nada menos que o rei do universo, estava prestes a transformá-los num grande poder. Começaram a criar um passado imperial proporcional a um tal império, um passado que tinha os heróis do sul David e Salomão a conquistarem o reino do norte e a fazer tremer reis rivais em todo o mundo conhecido. De um culto ‘henoteísta’ em que Jeová era adorado como o deus principal entre muitos, remodelaram a religião nacional para que doravante Jeová fosse adorado com exclusão de todas as outras divindades.”

A história judaica só começa a aproximar-se da fiabilidade histórica séculos mais tarde, com eventos bem corroborados, tais como a conquista e o exílio em Babilónia, e mesmo os relatos destes e de períodos mais tardios mostram um vasto preconceito das fações escribais que os escreveram. Por exemplo, demonizam governantes bem sucedidos e duradouros como Manassés e a dinastia omríada (incluindo a notória rainha Jezebel), ao mesmo tempo que amontoam elogios sobre fracassos de curta duração, mas piedosos, como Josias.

Islão – Maomé

As conquistas árabes dos séculos VII e VIII estão bem estabelecidas e são inegáveis – mas o mesmo não acontece com o profeta que foi a suposta inspiração por detrás delas. Antes destas conquistas militares, a Arábia era uma região de muitas tribos diferentes, incluindo mercadores urbanos, beduínos nómadas e comunidades judaicas e cristãs. Os árabes pagãos adoravam centenas de deuses, incluindo as três deusas Al-Lat, Manat, e al-Uzza, mencionadas nos notórios “Versículos Satânicos” do Corão, e deuses elevados como Hubaal e Alá. Características que associamos ao Islão, tais como peregrinações à sagrada Kaaba em Meca (originalmente um santuário milenar de Hubaal), foram partes importantes da vida religiosa da região durante séculos antes da era muçulmana.

De acordo com a tradição, foi o profeta Maomé quem uniu as tribos árabes e escreveu o Corão. Mas há incoerências curiosas na história oficial. As primeiras menções a Maomé são estranhamente não específicas e, pelo menos duas vezes, são acompanhadas por uma cruz. A própria palavra Maomé (Muhammad) não é só um nome próprio, mas um título honorífico (“O Louvado”) – e é possível que originalmente se referisse a Jesus, uma vez que as bolsas de cristianismo estavam bem estabelecidas na região. Cruzes aparecem em algumas moedas desta época e em alguma arquitetura ostensivamente muçulmana precoce.

Embora os muçulmanos ortodoxos acreditem que Maomé recebeu o Corão diretamente do arcanjo Gabriel (Jibril em árabe), um bom terço dele parece não só ser anterior a Maomé, mas ser derivado de vários escritos litúrgicos cristãos sírios anteriores.

De acordo com o relato padrão, o Corão, na sua forma atual, foi distribuído nos 650, mas em exemplos após exemplos de correspondência e registos importantes não é mencionado o Corão até ao início do século VIII – nem nos árabes, nem nos cristãos, nem nos judeus.

Durante os primeiros anos das conquistas árabes, os relatos dos povos conquistados nunca mencionam o Islão, Maomé ou o Corão. Os conquistadores árabes são chamados “ismaelitas”, “sarracenos”, “muhajirun”, “hagarianos” – mas nunca “muçulmanos”. Aproximadamente duas gerações após a data oficial da morte de Maomé, aparecem as primeiras referências ao Islão e a “Maomé, o Profeta do Islão”. Por volta da mesma altura, as crenças islâmicas começam a aparecer em moedas e inscrições, bem como certas práticas muçulmanas comuns como a recitação do Corão durante as orações da mesquita.

Mas nenhum registo da morte relatada de Maomé em 632 aparece, até mais de um século mais tarde. Após a dinastia abássida suplantar a linha omíada de Abd al-Malik em meados do século VIII, aparece finalmente a primeira biografia completa de Maomé e o material biográfico começa a proliferar (pelo menos 125 anos após a sua suposta morte). Os abássidas também acusam os seus predecessores omíadas de impiedade grosseira, e os abássidas, omíadas e xiitas escrevem todos novas hadiths uns contra os outros.

Todos estes e ainda outros elementos inexplicáveis da história islâmica primitiva sugerem que, por incrível que pareça, o Islão, o Corão e a forma da biografia de Maomé foram mais resultados do que causas das conquistas árabes.

Budismo – Buda

Os estudiosos têm o cuidado de não depositar demasiada confiança em nenhum dos factos históricos professados da vida do Buda. Tentar estabelecer até mesmo uma estimativa grosseira de quando viveu, com qualquer grau de confiança, provou ser profundamente problemático. Muitos estudiosos tendem a situá-lo por volta do século VI ou V AEC, mas as tradições budistas tibetanas colocaram a sua morte no século IX AEC (cerca de 833 AEC), enquanto as tradições budistas orientais (China, Vietname, Coreia e Japão), acreditam que morreu mais de um século antes disso (949 AEC). Em qualquer caso, só no início do século II AEC – ou cerca de meio milénio após a vida de Buda – é que a sua primeira biografia foi escrita, sob a forma de um poema épico chamado Buddhacarita.

De acordo com a tradição, os ensinamentos de Buda foram transmitidos só oralmente durante vários séculos. Quando as primeiras escrituras budistas foram criadas pela primeira vez, já existia um grande número de escolas budistas rivais – cada uma com a sua própria coleção concorrente de ensinamentos de Buda. Praticamente todas estas se perderam, embora algumas tenham sido parcialmente reconstruidas através de traduções para chinês, coreano e tibetano. No entanto, os nossos cânones sobreviventes e reconstruidos diferem tanto uns dos outros que os estudiosos são incapazes de dizer quais representam as escrituras budistas “originais” ou “autênticas”, se é que essas sequer existem.

Daoísmo – Lao-Tze

De acordo com a venerável tradição, o fundador do taoísmo, Laozi (conhecido por Lao-Tze, Lao Tzu, Lao Dan, ou “Velho Mestre”) escreveu os seus ensinamentos num pequeno livro com o seu nome no século VI ou início do V AEC Os estudiosos modernos discordam. Com base em provas arqueológicas, coleções concorrentes de ditos atribuídos a Laozi começaram a ser escritas provavelmente a partir da segunda metade do século V AEC, cresceram, competiram por atenção, e gradualmente foram-se consolidando ao longo dos séculos seguintes até que provavelmente atingiram uma forma relativamente estável por volta de meados do século III AEC

Quase todos os factos sobre Laozi estão em disputa, incluindo o próprio nome Laozi. O relato biográfico mais comum da sua vida foi registado por volta de 94 AEC no Shiji de Sima Qian, (ou “Registos do Grande Historiador”). Os estudiosos de hoje tomam o Shiji com um grão de sal. Segundo o estudioso taoísta William Boltz, este “não contém praticamente nada que seja comprovadamente factual; não nos resta outra alternativa senão reconhecer a provável natureza ficcional da figura tradicional Lao tzu [Laozi]”.

Siquismo – Gurū Nānak

O siquismo só existe há cerca de quinhentos anos, muito tardio comparado com a maioria das religiões do mundo. O seu fundador, Gurū Nānak, que se diz ter vivido c. 1469-1539, foi o primeiro de uma linha de dez gurus fundadores da fé. Praticamente tudo o que se sabe sobre ele vem de Janamsakhis, ou “histórias de nascimento” da vida de Gurū Nānak e dos seus primeiros companheiros. Estas histórias carregadas de milagres estão repletas de personagens sobrenaturais e eventos extraordinários, como conversas com peixes e animais. Vêm em muitas versões, que frequentemente se contradizem e, em alguns casos, foram claramente pensadas para reforçar o papel deste ou daquele discípulo ou para fazer avançar a reivindicação de alguma fação. Estranhamente, só começam a aparecer 50-80 anos após a sua morte, e muitas mais aparecem durante os séculos XVII, XVIII e início do XIX.

Os sikhs sustentam que o Guru Granth Sahib, a sua escritura, foi composta predominantemente por Nānak e pelos primeiros seis gurus (juntamente com a poesia de treze poetas do movimento hindu Bhakti e dois poetas muçulmanos sufistas). Contudo, o Adi Granth, a sua primeira interpretação, foi compilada pelo quinto guru, Guru Arjan Dev (1564-1606) em 1604, gerações após o suposto início da fé, e a edição final das escrituras sikh, o Guru Granth Sahib, só foi terminada um século depois, em 1704.

Confucionismo – Confúcio

Confúcio, ou “Mestre Kong”, também conhecido por K'ung Fu-tzu, Kǒng Fūzǐ, etc., é dito ser uma figura do século V AEC, embora a sua primeira biografia apareça 400 anos após a sua morte. Os Analectos a ele atribuídos foram na realidade compostos algures durante o período dos Estados em Guerra (476-221 AEC) e atingiram a sua forma final durante a Dinastia Han (206 AEC-220 EC).

Jainismo – Rishabhanatha

O jainismo afirma que Rishabhanatha, o primeiro dos seus vinte e quatro fundadores Jain Tīrthaṅkara, que significa professores, nasceu milhões e milhões de anos AEC, viveu durante 8,2 milhões de anos Purva – um Pūrva (पूर्व) equivale a 8.400.000 anos, ao quadrado, no cálculo ocidental – e tinha um quilómetro e meio de altura. Saltando um pouco para a frente, no século IX AEC, nasce o seu 23º Tirthankar, Parshvanatha. Tem apenas quatro metros de altura e vive há apenas 100 anos.

Apesar deste impressionante (alguns poderiam dizer incrível) pedigree, os observadores poderiam ser perdoados por suspeitarem que a religião realmente começou com o 24º e último (e mais curto) Tirthankar, Mahavira, supostamente nascido no início do século VI AEC; o ano real varia de seita para seita. É difícil dizer com certeza, pois a tradição também sustenta que a partir de cerca de 300 AEC, os ensinamentos de Mahavira, transmitidos oralmente por monges jainistas, perderam-se gradualmente, e as primeiras versões escritas só chegaram por volta do século I EC – pelo menos, de acordo com um ramo do jainismo, um facto contestado por fações rivais.

Em Resumo

Nem todas as religiões reclamam grandes homens – ou deuses – como fundadores. O xintoísmo e o hinduísmo são duas das mais antigas religiões ainda amplamente praticadas. Historicamente, o hinduísmo é considerado uma fusão de múltiplas culturas indianas ao longo de milénios, enquanto que os xintoístas emergiram das crenças e práticas do Japão pré-histórico. Como tal, não existe uma única figura fundadora do hinduísmo ou xintoísmo. Outras religiões, como Baháʼí e o mormonismo conheceram os fundadores, mas também temos documentação clara sobre as formas como tomaram emprestado e adaptaram as religiões anteriores. Mirza Hoseyn 'Ali Nuri, fundador de Baháʼí, recorreu ao Bábismo, que é em si mesmo uma derivação do Islão xiita. Joseph Smith, fundador do Mormonismo, emendou e anexou o Cristianismo. Apesar das alegações de inspiração ou intervenção divina, a história natural destas religiões é bastante clara.

Mas, tal como acontece com outros conjuntos de informação que se reproduzem e difundem (por exemplo: ADN, memes da Internet ou cultura), as mudanças podem acumular-se em pequenos ou grandes incrementos, introduzidos gradualmente ou em grandes pedaços. À medida que os bits são transmitidos, as pessoas instintivamente “corrigem” aqueles que não fazem sentido ou já não são aceitáveis, antes de os transmitirem. Se retirarmos as histórias fundadoras e olharmos para as religiões com um olhar crítico, algumas destas correções tornam-se óbvias.

Olhando para o panorama geral, surgem padrões neste processo, padrões que são moldados pela evolução cultural e tecnológica e pela acumulação gradual de conhecimento. E este é o tema da Parte 2 desta série.


Valerie Tarico é psicóloga e escritora em Seattle, Washington. Ela é a autora de Trusting Doubt: A Former Evangelical Looks at Old Beliefs in a New Light e de Deas and Other Imaginings. Os seus artigos sobre religião, saúde reprodutiva, e o papel da mulher na sociedade têm sido apresentados em sites como The Huffington Post, Salon, The Independent, Quillette, Free Inquiry, The Humanist, AlterNet, Raw Story, Grist, Jezebel, e o Institute for Ethics and Emerging Technologies. Subscrever em ValerieTarico.com

David Fitzgerald é o autor de Nailed: Ten Christian Myths That Show Jesus Never Existed at All e da série Guia Herético Completo da Religião Ocidental, que inclui The Mormons, Jesus: Mything in Action, e prepara Sex & Violence in the Bible. O seu site é davidfitzgerald.org

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Porque sobrevive Freud

A palavra proibida

Anomalias