Buda, Abraão, Jesus, Maomé, pessoas ou lendas? (2)

Buda, Abraão, Jesus, Maomé – Figuras históricas maiores que a vida ou em grande parte lendas? (Parte 2)

As origens e adaptações de cada seita na história da humanidade são exemplos clássicos da teoria darwiniana em ação.

Esta é a tradução de um artigo em duas partes, criado por Valerie Tarico1 e David Fitzgerald2, explorando o caráter lendário dos fundadores das grandes religiões. A primeira parte está aqui.

Todos sabemos que os deuses não têm realmente que existir para que as religiões surjam à sua volta; por isso, na maioria das vezes, filtramos os milagres e a conversa de deus como mera mitologia e tendemos a pensar em quaisquer chamados “profetas” como simples seres humanos invulgarmente sábios, invulgarmente iludidos, ou excelentes mentirosos. Dito isto, aceitamos frequentemente que as histórias biográficas sobre estes personagens extraordinários sejam, em grande parte, verdadeiras. Damos crédito a patriarcas religiosos e profetas como Buda, LaoTse, Abraão, Jesus ou Maomé, com papéis de grande dimensão na história humana, tal como podemos dar crédito a Napoleão ou Thomas Jefferson, ou a ícones culturais modernos como Elon Musk.

Acontece que podemos estar a dar-lhes demasiado crédito. Mesmo assumindo que a maioria destas figuras icónicas realmente existiam de alguma forma em carne e osso3, as religiões podem dever as suas formas actuais (e históricas) mais às condições sociais – convergências de cultura e tecnologia – do que aos fundadores individuais.

O autor David Fitzgerald passou anos a pesquisar as origens do cristianismo e de outras religiões monoteístas comuns. Nesta entrevista, discutimos alguns dos padrões e factores em jogo na forma como as religiões emergem e as formas que assumem.

Valerie Tarico e David Fitzerald

Tarico: Nas suas palestras e escritos, discute padrões de como surgiram as religiões monoteístas modernas.

Fitzgerald: Sim, embora as doutrinas, teologias e princípios sejam todos diferentes, as estruturas e fases de desenvolvimento são notavelmente semelhantes – e o mesmo se aplica em grande parte também às várias tradições orientais não monoteístas. Se recuarmos muito, as três religiões abraâmicas – as maiores religiões monoteístas do mundo – têm as suas raízes no que é basicamente o panteísmo, que evoluiu para o politeísmo, e depois para a monolatria. [Os crentes na monolatria aceitam que existe um panteão ou um vasto leque de deuses, mas cometem a sua fidelidade e adoração apenas a um deles e contam com o seu favor, em troca de serem o povo escolhido pelo seu deus]. Na religião ocidental, esta, por sua vez, evoluiu finalmente para o monoteísmo – a crença de que o seu deus era o único Deus verdadeiro e os outros eram falsos; não simplesmente divindades rivais, mas seres de ordem inferior, como anjos ou demónios, ou imaginários.

Tarico: Ok, tenho de falar aqui, porque, como antiga evangélica, fiquei fascinada quando soube pela primeira vez da “monolatria” como forma de transição – uma ponte entre o politeísmo e o monoteísmo na primitiva religião hebraica. O teólogo Thom Stark apresentou-me pela primeira vez a ideia com o seu livro, The Human Faces of God. Stark apontou os resquícios do politeísmo e depois da monolatria no Antigo Testamento.

Desde cedo, o deus do Génesis é por vezes referido usando um Elohim, plural. (El é um deus no panteão cananeu, e os anjos hebreus-cristãos conservam o seu nome embutido no deles: Micha-El; Gabri-El; Rapha-El; Uri-El; Jophi-El).

Fitzgerald: Para não mencionar a terra de Isra-El.

Tarico: Sim! Mais tarde, Jeová ou YHWH parece ser um deus nacional, um num panteão de muitos. (Uma inscrição descoberta numa escavação dirige-se à deusa Asherah ao lado de YHWH como sua consorte). Nos Dez Mandamentos, YHWH proíbe o seu povo de adorar os outros deuses cananeus, mas não diz que eles não existem. “Não terás outros deuses diante de mim”4 Ignorando o mandamento, os israelitas fazem oferendas ao seu inimigo, Baal, o deus da tempestade, e são castigados. Mais tarde ainda, como o monoteísmo solidifica, um cântico de louvor simplesmente troca o nome de Jeová pelo nome de Baal. Toda a trajetória é visível ali mesmo no Antigo Testamento.

Fitzgerald: Absolutamente, e como discuto no meu próximo livro, (título de trabalho: Sexo & Violência na Bíblia), existem na realidade vários lugares no Antigo Testamento onde os escribas roubaram hinos e louvores a outros deuses, e rasparam os números de série para os transformar em louvores a YHWH. Como a Bíblia hebraica diz repetidamente, ele é um deus ciumento – porque há deuses rivais de quem ele tem ciúmes. A ideia de que ele era o único e verdadeiro deus (e sempre tinha sido!) veio muito mais tarde.

Nada disto é especulação ociosa; temos abundantes provas textuais, arqueológicas e epigráficas (inscrições) de como o monoteísmo surgiu no Israel antigo.

Tarico: A psicologia ou sociologia deste processo fascina-me. Poderia imaginar usar aqui a hipótese de algumas generalizações que se poderiam encaixar também noutras religiões. Parece que as religiões se baseiam em religiões anteriores e religiões circundantes, da mesma forma que a remistura cultural funciona de forma mais ampla. Poderia imaginar que tradições familiares e correntes culturais moldam o sentido do que é possível e credível – as histórias, crenças e práticas que as pessoas aceitarão sem ceticismo excessivo.

Fitzgerald: Isso é absolutamente correto; e não interagem apenas com os conceitos e doutrinas das fés rivais que as rodeiam; também recorrem às formas ancestrais da sua própria religião em evolução. Fragmentos de tradições mais antigas são revistos e levados avante, e o que não pode ser absorvido é reinterpretado ou condenado como alguma importação estrangeira ou recaída herética – como novas crenças suplantam as antigas. Os hebreus começam como politeístas, depois henoteístas, antes de pedirem emprestado ao zoroastrismo para se tornarem monoteístas. Mais tarde o cristianismo aparece com um filho divino do seu Deus, por coincidência, no mesmo período em que todas estas religiões helenísticas chegaram, cada uma com um filho (ou filha) de deuses, que é um salvador pessoal que vive no teu coração, se renasceres na sua fé.

Tarico: Existem padrões repetidos de quando ou porquê as religiões passam por diferentes fases – do panteísmo ao monoteísmo, por exemplo?

Fitzgerald: Robert Wright expôs isto no seu livro, The Evolution of God, período por período histórico. Nas primeiras camadas, não há religião per se. Sabe-se simplesmente que o sol e outros fenómenos naturais são entidades sobrenaturais. Mas não há funções sacerdotais, rituais xamânicos, nem interações com os deuses. É apenas um dado adquirido que estes espíritos controlam as coisas, e os deuses são tão selvagens e imprevisíveis como quaisquer outras forças da natureza. Em lugares tão diversos como a Sibéria, América do Sul, África, Polinésia e Europa, os antropólogos encontram pontos comuns em toda a linha – como a projeção da consciência na natureza, ou o caráter caprichoso dos deuses.

Muitos outros notaram mecanismos de sobrevivência evolutivos que conduzem a impulsos religiosos, começando mesmo antes de sermos humanos. Por exemplo, muitos animais têm um grau muito elevado de deteção hiperativa de agência, ou seja, tendem a ver ameaças que não estão realmente presentes. Investigadores de animais como Justin Barrett salientam que isto se deve ao facto de ser muito mais seguro estar errado sobre um tigre que não está lá a persegui-nos, do que estar errado sobre um que de facto está. O livro de Daniel Dennett Breaking the Spell mostra maravilhosamente a facilidade com que este e semelhantes fenómenos são cooptados pelas religiões.

Apenas em virtude de sermos animais sociais, desenvolvemos traços particulares. Como nós, as sociedades de chimpanzés têm política, alianças, cliques, competição por parceiros sexuais e outras dinâmicas sociais. Biólogos como David Sloan Wilson mostraram como, por exemplo, o altruísmo recíproco se desdobra naturalmente, pelo facto evidente de que, em pequenos grupos dependentes uns dos outros, não se pode realmente comportar mal sem consequências.

Tarico: Parte disto é inato. O psiquiatra Andy Thomson, que estudou tanto o desenvolvimento infantil como o terrorismo suicida, escreveu um livro que reúne alguns dos padrões de desenvolvimento e atalhos cognitivos que o explicam, Why We Believe in Gods. Pascal Boyer, em Religion Explained, mergulha mais na ciência do cérebro. A estrutura da mente humana e a cognição podem explicar porque é que as religiões em todo o mundo têm características em comum. Mas também há enormes diferenças consequentes. Parece que algumas características religiosas requerem um certo nível de complexidade sócio-cultural.

Fitzgerald: Com efeito, e a fase de qualquer teologia religiosa em particular é baseada em certos níveis de evolução social e tecnológica. Uma vez que as sociedades de caçadores-colectores começam a especializar-se, logo se chega à fase xamã; isto é, um oráculo especialista, curandeiro, e intermediário entre os humanos e os deuses/natureza. Muitos deles dependem de prestidigitação, ventriloquismo e outros truques. E, muito eloquentemente, não têm qualquer problema em expor os truques uns dos outros.

Tarico: Será que sabem conscientemente que estão a aldrabar, até que ponto servem as elites, e até que ponto é que acreditam realmente no que fazem e que ajudam a sociedade como um todo?

Fitzgerald: Pode não haver uma única resposta, limpa, para isso. Por exemplo, durante a década de 1980, uma série de assassinatos em Salt Lake City aconteceu porque Mark Hoffman, um famoso falsificador de artefactos mórmons, começou a pôr bombas para encobrir o seu esquema. A liderança mórmon orgulha-se do seu dom espiritual de discernimento – mas estavam totalmente a ser levados por este vigarista5. Tem de haver um ponto em que não possam deixar de saber que as suas afirmações são puras tretas. O mesmo se passa com o Vaticano, os Batistas do Sul e todos os outros: Alguns no topo têm de saber que a certo nível se trata só de política, poder e dinheiro, mas onde é que isso acontece para as pessoas em papéis de liderança e onde traçar a linha? É mais difícil de dizer.

Tarico: Que mais vê como componentes necessários?

Fitzgerald: Alguns são tecnológicos. Mais uma vez, como Robert Wright demonstra, passar da fase xamã para a fase de do chefe tribal obriga à agricultura, que por sua vez depende da astronomia. As tribos crescem para se transformarem cidades-estado. Nessa fase, são necessárias burocracias governamentais e tecnologias da informação para as apoiar: escrita, matemática, manutenção de registos.

E ao longo desta trajetória, algo de muito interessante acontece. Quando uma religião consiste num grupo que não acha que se possa dar bem com outro grupo, primeiro é tudo “o nosso deus vai-te bater”. Mas quando pensa que pode fazer negócios com este outro grupo, ou mesmo juntar-se a eles numa aliança, então o seu deus irá adoçar consideravelmente a sua atitude perante os outros.

Foi isto que aconteceu quando os judeus se tornaram parte do império persa; o seu deus não perdeu, permitiu que os inimigos de Israel punissem o seu povo escolhido – e depois passou a evoluir para um deus universal que era o deus de toda a gente, só tinha de se escolher aceitá-lo ou não. É aí que se fala da fraternidade eterna e do amor de Deus por todos. Todos os antigos versos violentos são reinterpretados. Essa intolerância/tolerância vai e vem à medida que a história avança, dependendo se são os hippies ou os fundamentalistas a estar à frente...

Tarico: Ok, então as religiões evoluem de forma séria com base nas condições sociais e tecnológicas, e nos graus de interdependência. Estes padrões em mudança também geram novas religiões. Por vezes – se eu conseguir desenhar uma analogia com a evolução biológica – alguém poderia dizer que a especiação ocorre, o que significa que a religião ancestral e a mais nova se tornam tão diferentes que são dois bichos diferentes, mutuamente incompatíveis, talvez em conflito, como o judaísmo e o cristianismo.

Consigo ver isso. Mas a maioria das pessoas diria que a emergência do judaísmo, do cristianismo ou do islamismo não foi apenas uma questão de evolução gradual – que houve uma ruptura distinta no início de cada uma delas. Uma pessoa específica fundou o novo ramo – Abraão, Jesus, e depois Maomé. Você tem dúvidas. Sugere que as religiões produzem rotineiramente um conjunto de lendas que tomam a forma de um grande homem.

Fitzgerald: Era certamente assim que eu também via isso, mas quando se olha de perto para as principais religiões do mundo, encontra-se um padrão impressionante: a informação biográfica sobre o fundador não aparece inicialmente, mas apenas gerações após o facto, por vezes até centenas de anos depois. E tipicamente, há uma enorme confusão e contradições até mesmo sobre os princípios básicos das suas vidas e ensinamentos. Assim, ter uma grande fé mundial que começa com um fundador puramente lendário, num mito de fundação da era dourada, não parece de repente uma coisa rebuscada; bem pelo contrário: parece ser a norma.

Tarico: Mas por que razão se questionaria se havia uma pessoa real no início? O Q-Anon tem sido chamado uma nova religião secular. Com boas razões, penso eu. A pessoa por detrás dele pode não ser realmente quem quer que seja que os aderentes pensam, mas há alguém por detrás dela.

Fitzgerald: Oh, há absolutamente alguém por detrás de todas as religiões – só não é quem nos disseram que era. Em todos os casos, parecem ser os verdadeiros autores, sem rosto e sem nome, por detrás dos bastidores, que usaram a sua figura fundadora como um marcador de lugar para toda a sabedoria e orientação que queriam transmitir. Se eles próprios pensavam sinceramente, com toda a inocência, que estavam a fazer o trabalho do Senhor, ou se estavam, deliberada e cinicamente, a manipular o seu rebanho (ou alguma mistura inconsciente de ambos) por, digamos, razões políticas ou outras, permanece uma questão em aberto, então como agora.

E sim, “Q” é um exemplo perfeito desse fenómeno que hoje se verifica. A “verdadeira” “Fonte Q-anon” não é um informador anónimo de alto nível da administração Trump, ou JFK, Jr. regressado da cova, ou qualquer outra nova teoria alucinada que surja na semana que vem – parece ser um par de influencers online duvidosos, atualmente sob grande escrutínio.

Tarico: Pensa que a evolução social e tecnológica é simultaneamente necessária e suficiente para explicar a emergência do judaísmo, cristianismo, budismo, islamismo, siquismo e outras – com ou sem uma poderosa figura fundadora?

Fitzgerald: Se estamos a falar de cristianismo, há estudiosos que pensam que a questão é irrelevante, porque podemos explicar a sua ascensão e origem quer houvesse ou não um único fundador. Era certamente composto por vários movimentos, mas mesmo que tivesse começado como um único, a propagação e distribuição geográfica não parece ter saído da Galileia ou de Jerusalém. Os cristianismos múltiplos aparecem em muito pouco tempo, por todo o mundo mediterrânico, mas não conseguem concordar sobre o que é o cristianismo, ou o que foi Jesus. As suas narrativas biográficas só emergem gerações mais tarde. O cristianismo antes dos evangelhos serem escritos é um animal muito diferente do que depois.

Tarico: Será realmente importante se compreendermos estas hipóteses, com as respostas tão encobertas na história? Tanto disto é conjetura – ou argumentos sobre trivialidades. Parece haver um debate sério, talvez sem resposta, mesmo sobre grandes questões, como se os grandes deuses (ou seja, as religiões universais) trouxeram consigo grandes sociedades complexas, ou o contrário.

Fitzgerald: É importante aprender o que pudermos, porque estes processos evolutivos ainda hoje estão em curso. Mencionou Q. Existem pequenos cultos modernos, mas também importantes movimentos políticos que assumem aspetos religiosos, quer sejam as formas mais extremas de wokismo ou o culto da personalidade de Trump. Um pouco mais longe na história estão o movimento ludista6 e Guilherme Tell7, Robin dos Bosques8 e o Rei Artur9. Podemos procurar padrões.

Só um um exemplo: não é por acaso que o Islão emergiu numa época de vazio político e conquista, ou que o crescente califado árabe precisava de desenvolver a sua própria religião de estilo universal. Maomé, tal como descrito nas biografias tradicionais que vieram muito mais tarde, pode ou não ter existido – mas se não existisse tal figura na realidade, ele precisava certamente de ser inventado. Mesmo antes da fratura mais conhecida entre sunitas e xiitas, o Islão primitivo foi dilacerado pelas chamadas “guerras de apostasia” à volta de muitos dos aspirantes a profetas. “Muhammad” (”O Louvado”) podia ser simplesmente um título em vez de um nome, possivelmente até originalmente referindo-se a um ou mais destes outros profetas no seu conjunto. É interessante ver como o Islão estava disponível nas suas primeiras décadas; as coisas poderiam ter sido muito diferentes – exatamente como o Cristianismo. Ou o judaísmo. Ou qualquer outra religião importante em que se possa pensar.

Se entendermos o nascimento e a evolução das religiões como processos naturais, podemos prever que tipos de religiões poderão emergir no futuro. Por exemplo, qualquer religião emergente neste momento teria de ser compatível com a ciência, ou à prova de ciência. Como Robert Wright salientou, à medida que as sociedades e as religiões se tornam mais interdependentes, crescem cada vez mais, têm de ser mais inclusivas, ou não serão de todo capazes de competir com as que o são. A definição do nosso irmão, do próximo, tem de se expandir com o tamanho da unidade social – a menos que queira extinguir-se.

É irónico que os fundamentalistas de todas as religiões neguem a evolução de forma tão inflexível, quando as origens e adaptações de todas as seitas da história humana são exemplos clássicos da teoria darwiniana em ação. E se você estiver ligado a qualquer religião, há uma importante lição a tirar de tudo isto: se olharmos para outras religiões e virmos como elas surgiram, como se transformaram em resposta ao seu ambiente em mudança, não é difícil reconhecer como esses mesmos processos também se desenrolaram na nossa.


Valerie Tarico é psicóloga e escritora em Seattle, Washington. Ela é a autora de Trusting Doubt: A Former Evangelical Looks at Old Beliefs in a New Light e de Deas and Other Imaginings. Os seus artigos sobre religião, saúde reprodutiva, e o papel da mulher na sociedade têm sido apresentados em sites como The Huffington Post, Salon, The Independent, Quillette, Free Inquiry, The Humanist, AlterNet, Raw Story, Grist, Jezebel, e o Institute for Ethics and Emerging Technologies. Subscrever em ValerieTarico.com

David Fitzgerald é o autor de Nailed: Ten Christian Myths That Show Jesus Never Existed at All e da série Guia Herético Completo da Religião Ocidental, que inclui The Mormons, Jesus: Mything in Action, e prepara Sex & Violence in the Bible. O seu site é davidfitzgerald.org.

As histórias de quase todas as figuras fundadoras religiosas parecem ser questionáveis; ver Parte 1 desta série.

O Profeta Ezequiel queixa-se de que os hebreus adoram ídolos, o sol e o deus sumério Tamuz, e que isso ocorre mesmo no próprio templo de Jerusalém (ver Ezequiel 8, esp. 8:3-5, 10-16).

Ver o livro de David Fitzgerald The Mormons para toda a história do caso Hoffman.

Ver o livro de David Fitzgerald The Mormons para toda a história do caso Hoffman.

Os ludistas eram trabalhadores que se revoltaram no início da revolução industrial na Inglaterra, destruindo as máquinas que, no seu ver, pioravam as condições de trabalho. O seu níder era Ned Ludd mas, depois de grandes buscas pela polícia, concluiu-se que o personagem era lendário.

Guilherme Tell, famoso pelo episódio da seta e da maçã na cabeça do filho, está ligado à luta pela independência da Suíça, mas é, quase de certeza, lendário.

Robin dos Bosques, personagem lendário supostamente a viver no século XII, em Inglaterra.

O Rei Artur teria encabeçado a luta contra a invasão da Inglaterra pelos saxões no século V. A lenda aparece em romances medievais do século XII, já com o mago Merlin, Lancelote e os Cavaleiros da Távola Redonda.

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Porque sobrevive Freud

A palavra proibida

Anomalias