15 de agosto de 2009

Haikai, haiku

Lua na estrada,
Luz amarelada.
Finda a noite…

 

Forma de poesia tradicional japonesa, haikai, plural haiku. Ligada à filosofia Zen.

O que quer que se queira dizer tem que ser dito em poucas e estritas palavras, dentro de uma métrica rígida e respeitando ainda outras regras.

Muitos dos cultores ocidentais do estilo adoptam o formato em três versos, com cinco-sete-cinco sílabas, 17 ao todo (a métrica japonesa não se mede em sílabas, dizem). Outros usam seis-sete-seis. Mas a forma costuma ser m-n-m.

O poema deverá na tradição japonesa ter uma menção meteorológica ou sazonal (kigo). No Ocidente muitas vezes omite-se isso — usa-se experiência pessoal e não as imagens estritamente contemplativas da forma tradicional.

Importante é o corte (kireji). O sentido da frase deverá ser cortado, no fim de um dos versos, e uma nova ideia expressa depois. Noutros casos, o corte aparece no fim, dando ao poema um aspecto conclusivo.

A rima não é relevante.

O haikai do começo foi composto enquanto eu regressava de uma noite muito bem passada. Tem uma vaga referência atmosférica (a Lua) e tem corte. Não sei se tem qualidade, não esperem isso de mim. Mas em tempos escrevi slogans publicitários e esse processo de podar as palavras até ao limite fascina-me.

 

Um exercício
muito espiritual.
Um toque de Zen.

 

Experimentem.

 

Tomem lá mais um:

 

Vou na corrente.
Nas mentes dos outros sou
O imprevisível.

 

E um haikai de José A. Martins, que tem o blog Mundo Haiku:

 

Um aperitivo
Tequilha, sumo de lima,
Bela margarita!

 

E este, de Millôr Fernandes (citado do blog Dias com Árvores):

 

Nada tem nexo.
Tudo é apenas
um reflexo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.