8 de fevereiro de 2010

Dois Bares

Gosto, de vez em quando, de sair à noite. Nunca gostei de discotecas. Demasiado barulho e eu não sei dançar. Prefiro os bares ou pubs. Bom ambiente, música boa que não torne impossível conversar, umas bejecas e amigos por companhia. Perfeito.

Vou partilhar convosco dois desses sítios em Almada.

O primeiro, Acercadanoite, é um pequeno bar no labirinto de Almada Velha.

Ruas muito estreitas, casas decrépitas, altos muros, pouco lugar para estacionar. Espreita-se excelentes vistas sobre o  casario de Almada.

O nome é um trocadilho com a rua onde fica, a da Cerca, que se chama assim por causa da velha muralha de Almada e fica mesmo junto do Palácio da Cerca.

A decoração é escassa, bancos de pau corridos junto a longas mesas, tipo taberna. A música é indie.

Um ambiente masculino, puxado a conversas políticas, filosóficas e talvez desportivas.

Quem me levou lá foi o Luís Valentim.

O outro bebedouro é o Clube Knock Out, em Vale Figueira, ou simplesmente o Nocaute para os frequentadores. Fica na Estrada de Vale Figueira ou Av. Gen. Humberto Delgado, entre os semáforos e a bomba da Galp. Do outro lado da rua estão dois ex-pavilhões da Expo 98 onde a Câmara de Almada instalou os Serviços Municipalizados.


Ver Clube Knock num mapa maior

É um bar espaçoso, de dois pisos, com música ao vivo e snooker, onde se pode fumar. Como tem dois pisos, quando há música ao vivo pode-se fugir do estardalhaço para o piso de cima e continuar a conversar.

Do complexo fazem parte também dois campos de ténis, um espaço infantil, uma esplanada e parque de estacionamento.

Contaram-me que isto resultou dos interesses do proprietário, que eram desporto e conversar sobre desporto com o largo grupo de amigos que tinha, à volta de umas imperiais. Tinha imaginação e posses, criou um espaço moldado pelos seus interesses -- e teve sucesso.

Levaram-me lá, em ocasiões sucessivas, duas amigas, a Patrícia e a Margarida.

O ambiente é entre o rústico e o faroeste, obscuro como convém, com manequins de cobóis com fogantes e tudo. Sinto-me à vontade com o povo que lá pára, embora a média de idades seja metade da minha. A música ambiente é corriqueira, tipo clássicos do roque e canal Vh1.

A arma secreta do Knock Out é a gerente, a Lia. Consegue lembrar-se da cara de toda a gente e cria um ambiente acolhedor. É um talento natural. Tenta acabar um curso de Psicologia de dia e à noite pratica psicologia prática com a clientela. Quando terminar o curso, o sítio vai perder uma grande animadora, a não ser que ela resolva fazer um mestrado sobre a psicologia da noite.

Uma outra amiga minha, a Guadalupe Brak-Lamy, fez isso mesmo, mas em Antropologia e em ambientes diferentes: os bares de alterne de Lisboa. Andou por aqueles antros durante uns meses a conversar com homens e mulheres sobre as suas (deles e delas) fantasias sexuais e publicou uma tese interessantíssima sobre o assunto: Da Magia da Noite à Magia/Desencanto da Cama, que publicou em livro o ano passado.

Eu não posso estudar muito a noite porque trabalho de dia, mas de vez em quando vou lá fazer um reconhecimento.

Nota: E o "nível de rua" do Google Maps embebido no texto, gostaram?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.