21 de abril de 2018

O Significado Gnóstico do Êxodo - R. Salm comenta H. Detering (1)


Post seguinte (2) >>>


René Salm, um norte-americano criado em Beirute, pertence à corrente miticista, ou seja, os que defendem que não existe um Jesus histórico, mas a sua pesquisa tem duas originalidades: Durante anos, este autor dedicou-se a desmontar o mito de Nazaré. Tendo em conta que Nazaré não existia no suposto tempo de Jesus, ele desmascara a armadilha turística que é atualmente o suposto local do nascimento de Jesus. Insiste que o Nazareno não se refere a Nazaré, mas a uma seita preexistente, os nazoreanos.

No seguimento disto, ele faz uma investigação desta seita, identificando-lhe raízes protognósticas e de filosofia oriental. Identifica mesmo um possível fundador desta corrente religiosa, 80 anos antes da Era Comum, um fariseu de Jerusalém chamado Yeshu ha Nostri, que fugiu, devido a uma perseguição do rei asmoneu Alexandre Janeu, para Alexandria, onde contactou com enviados budistas vindos da Índia, leu livros da famosa biblioteca e entrou em divergência com a fé judaica. Morto o rei e finda a perseguição aos fariseus, voltou a Jerusalém, onde criou um culto considerado herético pelos sacerdotes do Templo e acabou assassinado. Mas este Yeshu nunca se arvorou em Deus ou em Filho do Homem, sendo considerado pelos seus adeptos apenas um profeta.

Este post é o primeiro de uma série, espero que longa, onde este autor analisa o trabalho de um pesquisador alemão, Hermann Detering, que concorre com alguns pontos da investigação de René Salm sobre as origens filosóficas orientais do cristianismo. Os meus posts são traduções das publicações de René Salm no seu blogue Mythicist Papers.

H. Detering, “O Significado Gnóstico do Êxodo” – Um comentário (Pt. 1)

René Salm –tradução de um post no seu blogue Mythicist Papers

6 de abril de 2018

O quadro predominante das origens cristãs precisa ser revisto... Todos os estudiosos do Novo Testamento estão cientes do material textual e dados históricos que não podem ser facilmente reconciliados... Alguns estudiosos também estão cientes de que as bases literárias e históricas para a reconstrução tradicional são muito, muito precárias . A imagem em si ainda não se mexeu, e não se moverá até que explicações alternativas para os dados (algumas vezes muito curiosos) disponíveis sejam tomadas para discussão e avaliação francas. — Burton Mack, “All the Extra Jesuses” (Semeia 49 [1990], pp. 169-70.)

Algum background

Dr. Hermann Detering Dr. Hermann Detering

As palavras acima, de Burton Mack, são tão aplicáveis ​​hoje como quando ele as escreveu, quase trinta anos atrás. Precisamos de uma revisão completa das origens cristãs, pois a reconstrução tradicional é "muito, muito precária". Talvez a imagem das origens cristãs esteja agora finalmente a mover-se. Quem pode dizer? O estabelecimento (acadêmico e religioso) obviamente não “cederá” até ser forçado. Fatos são ignorados, volumes são ignorados, até bibliotecas inteiras de conhecimento são ignoradas por uma Cintura da Bíblia que está cada vez mais envolvida numa guerra cultural, em "marcar pontos" com as massas. Mas os fatos importam. O tempo acabará por vir quando o gotejar de informações inconvenientes finalmente vencer a antiga casca podre do dogma cristão, agora com quase dois mil anos de idade.

Uma dessas gotas inconvenientes – na verdade, mais uma agulheta de incêndio – é o artigo de 70 páginas do Dr. Hermann Detering, “O Significado Gnóstico do Êxodo e o Início do Culto de Josué / Jesus” (em alemão: Die gnostische Deutung des Exodus und die Anfänge des Josua / Jesus-Kultes), que Hermann graciosamente me enviou por e-mail há alguns meses atrás. Percebi imediatamente a sua importância, mas pus o artigo de lado até ter mais tempo disponível. Com 70 páginas, a peça é mais um pequeno livro do que um "artigo". Seis meses se passaram e nesse interim esbocei nada menos que 25 posts de análises e comentários – muito mais do que já dediquei a uma só peça escrita. (Agora já sabe porque este blog tem estado tão tranquilo ultimamente). Esta série de posts tem os seguintes objetivos: a) apresentar o trabalho recente do Dr. Detering a um público mais amplo e interessado; b) assimilar esse trabalho inovador e ajudá-lo a avançar "para o próximo nível"; e c) comunicar aos leitores as minhas observações, comentários e reações.

Detering é mais conhecido como um especialista paulino. Na última década, no entanto, o seu pensamento moveu-se cada vez mais para áreas não tradicionais. Em 2013, sugeriu a existência de elementos não apenas antignósticos, mas também gnósticos na literatura paulina (“Jesus versus Jaldabaoth: Gnostische Elemente in den Paulusbriefen”, circulados em particular). Nos últimos dois anos, observei com crescente interesse o pensamento de Hermann alargar-se até incluir influências protognósticas do Oriente. Na primavera de 2016, enviou-me um novo artigo (em alemão em seu site aqui), propondo que o gnóstico Basílides era o autor das Odes de Salomão. Basílides viveu em Alexandria e há muito tempo é suspeito de tendências "budistas" (por exemplo, ver aqui pp. 384 e segs.). Basílides também ensinou a doutrina do renascimento (ver Clem. Alex, Strom. Iv.12.90). Como Detering apontou, as Odes de Salomão têm motivos notavelmente evocativos da Índia – incluindo uma “roda” todo-poderosa (Ode 23:11, 13) – fazendo parte da Roda do Devir / Samsara; e a descrição enigmática do Salvador como “Aquele que junta o que está no meio” (Ode 22: 2, tradução de Charlesworth) – reminiscecente do “Caminho do Meio” budista para a libertação.

Buddhist and Christian Parallels, René Salm "Buddhist and Christian Parallels",
René Salm

Como os leitores podem saber, eu argumentei a favor de uma conexão budista-cristã por longo tempo (veja aqui e aqui). O meu eBook “Buddhist and Christian Parallels” apresenta muitas semelhanças em ensinamentos e ética entre as duas religiões. Mas também suspeitei há muito tempo de uma conexão histórica entre o budismo e o cristianismo. Os detalhes desse contacto são fugazes, mas certamente envolvem o Egito. O imperador indiano Ashoka enviou missionários budistas para o Egito e outros países por volta de 250 AEC. Eu acredito que o evento seminal foi colossalmente importante para o Ocidente e tem sido muito subestimado.

Sustento que o cenário apresentado no final do meu livro “NazarethGate” oferece ao mito de Jesus um caminho viável. No último capítulo do livro – estendendo-se por setenta páginas –, argumento que o fariseu dissidente Yeshu ha-Notsri, muito bem educado e preparado para uma posição no Sinédrio, passou muitos anos em Alexandria, repudiou a sua religião judaica enquanto no Egito, apaixonou-se pelo budismo, retornou à sua terra natal, pregou com grande sucesso e foi apedrejado até a morte pelas autoridades judaicas – depois do que o seu corpo foi pendurado num poste ou cruz para todos verem. Paralelos significativos com o Jesus dos evangelhos são inescapáveis. Eu argumento que o cristianismo, na verdade, remonta a Yeshu (em oposição à figura inventada, Jesus de Nazaré), que viveu no início do primeiro século EC. Eu também afirmo que o budismo desempenhou um grande papel no pensamento e ensino de Yeshu.

Detering não manifestou adesão às minhas teorias sobre Yeshu. No entanto, o seu artigo "Êxodo" acrescenta argumentos convincentes que substanciam uma conexão budista-cristã. Deve-se ter em mente que as diferenças entre o budismo e o cristianismo são supremamente exageradas por desenvolvimentos tardios, desenvolvimentos que a maioria dos estudiosos falsamente vê como normativos e iniciais. No entanto, quando se investiga os primeiros estratos dessas duas grandes religiões – antes dos concílios da igreja cristã, de um lado, e dos vários concílios budistas, de outro –, surgem então ressonâncias marcantes na ética e no ensino. Não é preciso estudar os textos para apreciar isso. Semelhanças fundamentais saltam – como, por exemplo, que os supostos fundadores dessas duas grandes religiões eram ambos vagabundos sem-abrigo. Ambos até ensinaram a excelência desse modo de vida radicalmente antissocial.

O campo da religião comparada é antigo e amplo. Até agora, no entanto, os seus pesquisadores (por definição) não eram especialistas do Novo Testamento. Muitos vêm do "outro lado" – especialistas índicos, sanscritistas e budologistas. No entanto, como o artigo de Detering mostrará, estamos agora a considerar seriamente a influência do budismo no cristianismo, no contexto histórico do Ocidente. Acredito que isso é algo novo e é um passo significativo. As descobertas de Detering (particularmente as que envolvem os terapeutas) podem representar um ponto de viragem.

Estrutura do artigo

O Significado Gnóstico do Êxodo e o Início do Culto Josué / Jesus

1. A visão gnóstica do Êxodo

2. “Para o outro lado” – Budismo e os Upanishads

3. Terapeutas, budismo e gnose

3.1 Revisão

4. Josué, o Jordão e o batismo de Jesus

4.1 Jesus, Josué ben Nun, Dositheus e a questão dos "verdadeiros profetas"

4.2 Ichthus – O significado do símbolo do peixe no cristianismo primitivo

4.3 “… quem fará o sol ficar parado” [Sib 5: 258]

4.4 Jesus / Josué como portador da videira – o Didache

4.5 Jesus / Josué na Epístola de Judas

4.6 A transfiguração de Jesus segundo Marcos

4.7 “Atravessando para o outro lado”

4.8 Os Padres da Igreja e o Antigo Testamento

4.9 Miriam-Maria

5. Conclusão

Para o resumo formal acima, podemos adicionar os pontos mais significativos do argumento de Detering:

1. A transcendência é fundamental tanto para o budismo como para o cristianismo.

2. Em ambas as religiões, a transcendência é expressa através de uma metáfora idêntica: alcançar “a outra margem”.

3. O budismo e o cristianismo intersectam-se – tanto historicamente como religiosamente – nos terapeutas descritos por Fílon de Alexandria.

4. O mistério central dos terapeutas era realizado durante a noite e celebrava o evento do Êxodo, como uma transformação da transcendência para "a outra margem".

5. As grandes figuras que levaram Israel à outra margem foram Moisés (entre os terapeutas) e Josué / Jesus (entre os gnósticos cristãos).

6. O Jesus fictício de Nazaré foi hipostatizado no segundo século de nossa era a partir do Antigo Testamento Josué (= Jesus = Salvador), o grande herói da transformação / transcendência entre os primeiros cristãos gnósticos. Se os seis pontos acima estiverem corretos, eles provavelmente representam a maior contribuição individual para o estudo do cristianismo primitivo a aparecer neste milénio.

Detering chega a conclusões adicionais, e essas também se tornarão evidentes nos vinte e quatro posts que se seguem. Embora eu concorde com os seis pontos listados acima, devo admitir de antemão que não estou de acordo com o Dr. Detering em todas as suas conclusões.

Nos posts que se seguem, o leitor encontrará uma dose liberal do meu próprio comentário intercalada com trechos (traduzidos por mim para o inglês) do artigo de Detering. Esses posts essencialmente apresentam os meus pontos de vista, usando os do Dr. Detering como um trampolim. Sei que o seu artigo foi traduzido para o inglês, mas até onde posso saber, a tradução não está online.

Eu planeio publicar um ou dois posts por semana. Assim, os 24 posts (que já foram redigidos) devem levar de três a seis meses a publicar. Além de um pouco de negrito e sublinhado, haverá algum código de cores: o material de Detering em castanho, os meu comentários em verde e pontos particularmente significativos (de qualquer um de nós) em vermelho. Para maior clareza, porei um lembrete no topo de cada post.

Mais uma coisa: não creio que a sua visão, leitor, das origens cristãs se mantenha a mesma depois de ler esta série de posts, que é cumulativa. Para aqueles que perseveram até o fim, os vossos olhos serão abertos.

Ok, vamos começar...

RS


O Significado Gnóstico do Êxodo - R. Salm comenta H. Detering (2) >>>


Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.