2017-09-03

Qual é o Objetivo Final da Extrema-Direita? Uma Sociedade que Suprima a Maioria

É importante perceber as ideias neoliberais que hoje se tornaram uma espécie de lugares-comuns, debitados sem pensar por toda a espécie de comentadores. Na sua origem estão três pensadores do princípio do século XX, Frederich Hayeck, Ludwich Von Mises e James McGill Buchanan. A corrente coalesceu a seguir ao fim da Segunda Guerra Mundial, quando a doutrina dominante era a intervenção do estado na ecomomia, de acordo com as ideias de John Maynard Keynes. Estes pensadores defendiam a liberdade total dos mercados e a não intervenção do Estado. Opunham-se ao comunismo, o que não era original, mas opunham-se ao Plano Marshall na Europa, o que na altura fazia deles párias minoritários. Como é mencionado nesta entrevista, juntou-se-lhes o multimilionário Charles Koch, que montou uma complexa rede de fundações, think tanks e redes de influenciadores de eleições.

Os resultados dessa máquina de propaganda multinível começaram a resultar com a conquista de uma parte do pensamento universitário dos EUA e os prémios Nobel para Milton Friedman e Buchanan. Depois de ter auxiliado Pinochet no seu plano económico, Friedman tornou-se uma personalidade mediática com uma série televisiva onde divulgava as suas ideias.

Hoje a cartilha neoliberal domina o Partido Republicano dos EUA, nos seus diversos sabores, mais liberal ou mais autoritário, grande parte do Partido Democrata, os partidos do chamado centro na Europa e também grande parte dos socialistas "moderados" ou trabalhistas, o que se chamou a Terceira Via, de Tony Blair a Sócrates, de Caballero a Hollande. Felizmente, hoje os rasgões na manta neoliberal são cada vez maiores, como todos sabemos. Bernie Sanders, António Costa, o nosso Bloco, o Podemos, durante um tempo o Siriza, Mélenchon, Corbyn, vamos a ver.