Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2022

A Rússia é uma grande potência?

Imagem
Poder económico vs. poder militar Tradução do artigo La Russie est-elle une grande puissance ? Puissance économique vs. puissance militaire , por Hervé Théri, 20 de Março de 2022 em Diploweb.com Hervé Théry, Director Emérito de Investigação no CNRS-Creda, Professor na Universidade de São Paulo (USP-PPGH). Co-director da revista Confins . Membro do Conselho Científico de Diploweb.com . A Rússia é um país "belicoso"? Que parâmetros nos permitem estabelecer isto em comparação com outros países? Cruzando vários dados, H. Théry produz quatro planisférios que fornecem uma resposta documentada. Escusado será dizer que a história e os acontecimentos actuais fornecem elementos adicionais.

Os alarmistas tinham razão, afinal

Imagem
Um jornalista de Moscovo sobre Putin e a nova realidade russa Um jornalista independente descreve como é a vida dentro do universo paralelo da Rússia. Tradução do artigo “The alarmists were right all along”: A Moscow journalist on Putin and the new Russian reality de Vox . Por Sean Illing | @seanilling | sean.illing@vox.com | 11 mar, 2022 Quase todos fora da Rússia veem a decisão de Vladimir Putin de invadir a Ucrânia da mesma forma: como uma atrocidade obscena e desnecessária. Mas isso é porque o mundo exterior pode ver claramente o que está a acontecer no terreno na Ucrânia. Para o russo médio, o quadro parece muito diferente. Sabem que há algo a acontecer na Ucrânia, mas não é uma “guerra” – é uma “operação militar especial”. E se virmos as notícias, que são controladas pelo estado, não estamos a ver imagens de edifícios de apartamentos bombardeados ou de civis mortos nas ruas, porque é isso que uma guerra parece e não há definitivamente uma guerra na Ucrânia.

A facada nas costas

Imagem
A maioria dos historiadores do período que, na Alemanha, trouxe ao poder os nazis, considera muito importante o sentimento entre os soldados e os nacionalistas, de que o país não tinha, na verdade, sido derrotado na I Guerra Mundial, e que a catástrofe alemã só tinha sido possível pela traição da frente doméstica. O glorioso exército alemão, à beira da vitória, teria sido apunhalado nas costas pelos social-democratas, pelos bolcheviques, pelos judeus, pela Maçonaria, pela “quinta coluna”.