A Rússia é uma grande potência?

Poder económico vs. poder militar

Tradução do artigo La Russie est-elle une grande puissance ? Puissance économique vs. puissance militaire, por Hervé Théri, 20 de Março de 2022 em Diploweb.com

Hervé Théry, Director Emérito de Investigação no CNRS-Creda, Professor na Universidade de São Paulo (USP-PPGH). Co-director da revista Confins. Membro do Conselho Científico de Diploweb.com.

A Rússia é um país "belicoso"? Que parâmetros nos permitem estabelecer isto em comparação com outros países? Cruzando vários dados, H. Théry produz quatro planisférios que fornecem uma resposta documentada. Escusado será dizer que a história e os acontecimentos actuais fornecem elementos adicionais.

Ouvimos muito desde o início da guerra na Ucrânia que a Rússia não é tão formidável como parece. Por um lado, porque o seu exército é talvez "um poder militar fantasma em julgamento", segundo a fórmula utilizada num artigo publicado no Le Monde por Isabelle Facon, vice-directora da Fundação para a Investigação Estratégica1. Por outro lado, porque não é uma grande potência económica, como demonstra o facto de o seu produto interno bruto (PIB) ser da mesma ordem de grandeza que o da Espanha. Considerámos que isto deveria ser verificado, mas também que deveríamos procurar outros índices que medissem o poder militar tão objetivamente quanto possível, e depois comparar as duas abordagens e o fosso entre elas. Este artigo é construído em torno de três planisférios.

Para o PIB, uma das fontes mais fiáveis são as bases de dados do Banco Mundial: permitiram-nos construir a Figura 1, que mostra tanto o volume global do PIB (pela dimensão dos círculos), a sua composição entre o PIB agrícola, industrial e de serviços (pela cor dos sectores) e, finalmente, o PIB per capita (pela cor de fundo atribuída aos países), tudo para 2019, antes da perturbação introduzida pela pandemia da COVID.

Figura 1

De facto, neste mapa, a Rússia aparece numa posição intermédia, tanto em termos de volume global e composição do PIB, como em termos de PIB per capita, num grupo intermédio entre os países ricos da América do Norte e da Europa Ocidental (mais a Arábia Saudita, Austrália e Nova Zelândia) e os países realmente pobres de África e da Ásia (mais a Bolívia, Venezuela e alguns países da América Central).

Para o poder militar utilizámos um índice desenvolvido pela GlobalFirePower.

O seu Índice de Poder ou "índice de poder [militar]" tenta, segundo os seus autores2, "determinar a capacidade das forças armadas de um determinado Estado através da análise de mais de 50 indicadores relacionados com a defesa nacional". O índice máximo de potência militar é de 0,00, uma pontuação teórica impossível de alcançar sob a fórmula actual. Assim, quanto menor for o valor do índice, maior será o poder militar potencial. Alguns detalhes sobre o cálculo do índice de potência militar:

  • O índice não se baseia apenas no número total de armas disponíveis para um determinado país, mas também na diversidade da força de ataque disponível;
  • Embora os stocks de armas nucleares não sejam tidos em conta, as potências nucleares reconhecidas ou suspeitas recebem um "bónus";
  • O desenvolvimento económico dos Estados está incluído na análise;
  • Factores geográficos, fiabilidade logística, recursos naturais e indústria local são decisivos;
  • O total de mão-de-obra disponível é um factor chave, uma vez que influencia muitos outros indicadores;
  • Os Estados sem litoral não são penalizados pela ausência de uma marinha, mas as marinhas existentes são penalizadas pela falta de diversidade de ativos;
  • Os Estados membros de uma aliança militar (por exemplo, NATO) recebem um bónus devido à partilha teórica de recursos;
  • A estabilidade financeira dos Estados é tida em conta;
  • A influência diplomática não está incluída na análise.3

É de notar que a metodologia de cálculo do Índice de Potência é revista quase todos os anos, a fim de ter em conta os vários avanços/evoluções tecnológicos na defesa nacional. Por conseguinte, qualquer comparação deste indicador de um ano para outro ou durante um período de tempo deve ser tratada com cautela.

A figura 2 combina um mapa produzido a partir deste índice (invertendo o esquema de cores para mostrar os países com o índice mais baixo, e portanto a maior potência militar), com um mapa de outro indicador também extraído das bases de dados do Banco Mundial, as despesas militares como percentagem do PIB em 2019.

Figura 2

Em ambos os casos, a Rússia está simultaneamente no grupo de países de topo do mundo, enquanto outros se encontram em categorias diferentes em ambos os mapas. A China já está entre as principais potências militares, apesar de gastar uma parte menor do seu PIB em despesas militares, enquanto outros países, embora gastando muito nesta área, não obtêm em troca um poder militar significativo. É o caso de países onde as despesas militares são dissipadas em guerras civis, como na Líbia ou na Colômbia, ou em conflitos regionais, como aquele em que a Arábia Saudita está envolvida.

Para relacionar o poder económico (medido pelo PIB per capita) com o poder militar (medido pelo Índice de Potência), foi adoptado o método estatístico dos resíduos da regressão linear, que constitui a base da figura 3. Baseia-se no princípio do desvio da relação linear entre as duas variáveis (os países estão próximos da média mundial), distinguindo pelo jogo de gradações de cores os países onde o poder económico é maior do que o poder militar (em azul claro ou azul escuro no mapa) e aqueles onde é o oposto (em amarelo, laranja e vermelho no mapa).

Figura 3

O resultado coloca a Rússia no grupo dos países mais "belicosos" (que têm mais poder militar do que seria de esperar dado o seu PIB), o que a aproxima do Egipto, Paquistão, Argélia e Congo. Em contrapartida, o grupo dos países mais "pacíficos" (que têm menos poder militar do que seria de esperar dado o seu PIB) inclui a Irlanda, Bélgica, Países Baixos, México, Canadá, Alemanha e Japão. Pode ser uma surpresa encontrar os Estados Unidos na lista, mas o seu PIB é tão superior ao de qualquer outro país do mundo que pode ser tanto a principal potência económica mundial como a sua principal potência militar.

Copyright 18 Março 2022-Thery-for the FR version/Diploweb.com


Isabelle Facon: "L'armée russe, une puissance militaire fantasmée à l'épreuve", Le Monde, 17 de Março de 2022. A autora escreve em particular: "... o exército russo, cuja reforma só foi realmente empreendida após 2008, teve um longo caminho a percorrer: dez a quinze anos de subfinanciamento que levaram a um desgaste irreversível das capacidades herdadas da URSS".

Atlasocio, Atlas Sociológico Mundial, Classement des Etats par puissance militaire, actualizado em 28 de Fevereiro de 2022.

Nota do editor: Seria interessante integrar o "consentimento em pagar o preço de sangue" no desenho dos índices de poder. Num país como a França, uma centena ou mesmo uma dúzia de soldados mortos num ataque é suficiente para enfraquecer a legitimidade de uma operação externa aos olhos de uma parte da opinião pública. No caso da Rússia, em 2022, vários milhares de soldados mortos não são suficientes para desestabilizar o governo, até prova em contrário. No entanto, este parâmetro conta na duração e nas formas da guerra.

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sofram!

Porque sobrevive Freud

Didier, o iluminado