Os alarmistas tinham razão, afinal

Um jornalista de Moscovo sobre Putin e a nova realidade russa

Um jornalista independente descreve como é a vida dentro do universo paralelo da Rússia.

Tradução do artigo “The alarmists were right all along”: A Moscow journalist on Putin and the new Russian reality de Vox.

Por Sean Illing | @seanilling | sean.illing@vox.com | 11 mar, 2022

Quase todos fora da Rússia veem a decisão de Vladimir Putin de invadir a Ucrânia da mesma forma: como uma atrocidade obscena e desnecessária.

Mas isso é porque o mundo exterior pode ver claramente o que está a acontecer no terreno na Ucrânia. Para o russo médio, o quadro parece muito diferente. Sabem que há algo a acontecer na Ucrânia, mas não é uma “guerra” – é uma “operação militar especial”. E se virmos as notícias, que são controladas pelo estado, não estamos a ver imagens de edifícios de apartamentos bombardeados ou de civis mortos nas ruas, porque é isso que uma guerra parece e não há definitivamente uma guerra na Ucrânia.

De facto, Putin assinou uma lei na semana passada mandatando até 15 anos de prisão por divulgar “informações falsas” sobre o conflito, o que inclui o uso de palavras como “guerra” ou “invasão”. E embora o estado tenha controlado largamente os meios de comunicação social na Rússia, fechou agora o último canal independente restante e está até a bloquear o Facebook, na esperança de controlar também a Internet.

Então, como é viver neste universo paralelo totalizante? O que é que os russos estão a ver? O que é que estão a ouvir? O mais importante, em que acreditam eles?

O site Meduza em russo, já sediado na Letónia. Há também versão em inglês.

Para obter algumas respostas, contactei Alexey Kovalyov, antigo editor do Moscow Times e agora editor do Meduza, um site de notícias independente anteriormente sediado na Rússia mas agora baseado na Letónia (o site foi bloqueado pelo governo russo). Kovalyov estava a viver em Moscovo e fugiu para a Letónia na semana passada, quando o regime de Putin impôs restrições ainda mais pesadas à liberdade de imprensa.

Falámos sobre o que as mensagens estão a passar na Rússia, como o ambiente mediático tem evoluído nas últimas semanas, e se ele acredita que a realidade pode finalmente atravessar o nevoeiro da desinformação sancionada pelo estado.

Sean Illing — Pode dar-me uma ideia do que se passa no terreno, neste momento, na Rússia?

Alexey Kovalyov — Já estou fora há uma semana, mas já havia uma grande corrida aos bancos quando ainda lá estava. Agora ouço dizer que os controlos monetários estão a criar todo o tipo de caos e está a tornar-se cada vez mais difícil comprar coisas, e isso vai provavelmente abrir mercados negros para todo o tipo de bens essenciais. Portanto, a realidade do que está a acontecer já está a invadir a vida quotidiana dos russos.

Sean Illing — As pessoas podem ver as consequências do que está a acontecer, mas quem culpam elas? Porque é que pensam que isto está a acontecer?

Alexey Kovaliov — As pessoas estão agora mesmo a ver as consequências imediatas de algo que ainda não compreendem totalmente. Há um instinto na Rússia, quando se vê uma longa fila em qualquer lugar a serpentear ao virar da esquina, só se sabe que é preciso estar nela, mesmo que não se saiba porquê. Só se sabe que algo de mau está a acontecer, é preciso estar nessa fila. É mais ou menos isso que está a acontecer agora.

Mas é mesmo difícil dizer no que as pessoas acreditam. Quero dizer, vi sondagens de há uma semana atrás mostrando que 68 por cento dos russos apoiam a guerra, mas isso é uma agência de sondagens estatal. E as sondagens nem sequer usam a palavra “guerra” porque isso seria impensável e o estado proibiu essa linguagem. Então, quem sabe no que as pessoas realmente acreditam?

Posso dizer-vos o que acontece quando tentam explicar às pessoas o que está a acontecer na Ucrânia, e lembrem-se que muitas pessoas aqui têm parentes na Ucrânia. Quando se tenta dizer-lhes: “Este é o edifício do apartamento da sua tia em Kyiv. Está a ver? Está em cinzas. Está a ser bombardeado”, eles não acreditam, mesmo que lhes mostre as fotografias. Eles dizem – e sei disto por experiência própria – “Não, isto não pode estar a acontecer, porque nos disseram que não estámos a fazer mal aos civis, que isto não é uma guerra. E se isto está a acontecer, deve ser porque estes nacionalistas ucranianos estão a bombardear o seu próprio povo de modo a provocar o exército russo a ripostar e a matar civis”. É disso que estamos aqui a falar.

Estas pessoas estão a levar uma valente sova da polícia. São o povo mais corajoso da Rússia neste momento, porque sabem o que enfrentam.

Sean Illing — Não temos realmente um indicador fiável da opinião pública na Rússia, certo? Como disse, a sondagem é suspeita e é agora um estado policial, então como distinguimos entre aquilo em que as pessoas dizem acreditar e aquilo em que realmente acreditam?

Alexey Kovaliov — Não fazemos a menor ideia. O que estas sondagens refletem é quantas pessoas sintonizam efetivamente os meios de comunicação estatais, que lhes dizem o que devem pensar e o que devem dizer.

Mesmo a sondagem que mencionei, como disse, não pergunta às pessoas sobre uma “guerra”, pergunta-lhes se apoiam uma “operação militar especial” na Ucrânia. E depois pergunta quais são os objectivos desta operação militar especial, e dá-lhe escolhas como “a desnazificação da Ucrânia” ou “a proteção dos povos de língua russa na Ucrânia”. Nenhum deles reflete o que está a acontecer na Ucrânia. Estão apenas a deixar as pessoas escolher entre os vários pontos de discussão que estão a ser impostos pelo estado.

Sean Illing — Como é ser jornalista neste momento na Rússia? E só para ser claro, não estou a perguntar sobre os falsificadores e os niilistas que papagueiam para o estado. Estou a perguntar sobre os jornalistas e os escritores que se opõem a este pesadelo totalitário, mas que também enfrentam enormes riscos se quebrarem fileiras.

Estarão eles a encontrar formas de dizer a verdade sem dizer a verdade? Ou estarão todos a sair de lá enquanto ainda podem?

Alexey Kovaliov — Francamente, não conheço muitos jornalistas que ainda lá estejam. Conheço algumas pessoas que ainda permanecem na Rússia e tomaram a decisão consciente de ficar, e admiro a sua bravura. Gostaria de estar em posição de tomar essa decisão, mas não o fiz. A minha família implorou-me que saísse. A minha própria mãe chorou de alegria quando telefonei do outro lado da fronteira para lhe dizer que estava a salvo.

Mas não é que tudo isto tivesse acontecido da noite para o dia. Nós, no Meduza, fomos declarados agentes estrangeiros no ano passado pelo governo, e isso foi o governo a pintar um enorme alvo nas nossas costas, chamando-nos traidores e inimigos do povo. Assim, isto tem vindo a acontecer há muito tempo. Temos vindo a preparar-nos para este momento há vários anos. Não é inesperado. O que é inesperado é a rapidez com que aconteceu.

Sean Illing — Parece ter havido uma mudança na abordagem do regime aos meios de comunicação e à propaganda. Durante muito tempo, a Rússia “inundou a zona” e bombardeou a população com tantos relatos contraditórios da realidade que esta não sabia no que acreditar, ou era demasiado cínica para acreditar em alguma coisa. Mas agora é o pleno controlo orwelliano da realidade, e isso é muito mais pesado porque não se trata de minar o consenso, o que é fácil; trata-se de impor um consenso.

Alexey Kovaliov — Sim, absolutamente. Houve definitivamente uma mudança. E tenho de ser honesto, havia aqui um punhado de pessoas que há muito tempo têm vindo a alertar sobre isto, que estavam a dizer a pessoas como eu que um dia isto ia ser uma ditadura fascista, e temos vindo a ignorar estas pessoas. Ficámos a pensar: “Vá lá, Putin é um cínico, ele é mau de tantas formas, mas pelo menos é um tipo racional. Tudo o que ele quer fazer é ficar insanamente rico. Ele não vai fazer nada realmente drástico.”

Mas estávamos todos errados. Os alarmistas estavam afinal certos, e quase todos eles, ou estão mortos, ou na prisão ou exilados.

Sean Illing — As pessoas fora da Rússia estão a ver os vídeos de pessoas que protestam nas ruas de Moscovo e São Petersburgo, e penso que muitos de nós queremos acreditar que Putin não pode conter isto, que haverá uma revolta. Mas preocupa-me que isso seja tomar os desejos por realidades. Está convencido de que isto irá fazer uma verdadeira amolgadela no regime de Putin?

Alexey Kovaliov — Não, nem por isso. O que se vê destes manifestantes nas ruas é possivelmente a coisa mais corajosa que já vi, e são sobretudo as mulheres que estão a enfrentar uma verdadeira violência e uma grave pena de prisão. Estas pessoas estão a levar uma valente sova da polícia. São as pessoas mais corajosas da Rússia neste momento, porque sabem o que enfrentam.

Mas estamos a falar de alguns milhares de pessoas, num país com mais de 140 milhões. Não chega de forma nenhuma a fazer uma amolgadela no regime de Putin. O que realmente vai ser preciso é a maioria silenciosa, ou o eleitorado passivo de Putin, os que durante todos estes anos só têm feito o que lhes é dito, vão ter de tomar uma posição. Mas não faço ideia do que seria preciso para que estas pessoas acordassem. Não faço a menor ideia.

Só sei que estamos em águas inexploradas. Todos estes grandes meios de comunicação social estrangeiros, como o New York Times e a BBC, estão a fugir de Moscovo. Isso nunca aconteceu. O New York Times tem tido um gabinete em Moscovo durante todo o século XX, incluindo três revoluções e duas guerras mundiais e toda a Guerra Fria. Mas agora Moscovo não é segura para o New York Times. Não tenho realmente palavras para descrever como esta situação é imprevisível.

Os alarmistas tinham afinal razão, e quase todos eles estão mortos, ou na prisão ou exilados.

Sean Illing — Mais uma vez, não quero pôr-me a sonhar aqui, mas será possível que Putin não seja tão popular como parece? Será possível que haja uma corrente subterrânea de descontentamento à espera de ser explorada?

Alexey Kovaliov — Talvez. É tão difícil de saber. Não se pode confiar em nenhum dos dados das sondagens, especialmente nas sondagens realizadas por organizações estatais. O estado controla todo o aparelho de comunicação social na Rússia, e isso é incrivelmente difícil de furar. Não sabemos o que as pessoas estão a pensar, ou no que realmente acreditam ou o que é possível. Ninguém sabe.

Sean Illing — À medida que a dor desta guerra se torna mais real, à medida que os soldados começam a regressar a casa em caixões, à medida que a economia continua a afundar-se, talvez a realidade venha a irromper através do nevoeiro da propaganda.

Alexey Kovaliov — Acho que vamos descobrir, não vamos? Temos entrevistado pais de soldados russos, não soldados voluntários profissionais, mas recrutas, pessoas que foram chamadas para o serviço militar obrigatório para o exército. Estes são jovens de 20 anos que, após alguns meses de treino, foram enviados para a linha da frente e disseram-lhesd que tudo isto era um exercício de treino. Muitos destes soldados foram capturados pelos ucranianos, e os seus pais estão absolutamente esmagados porque lhes foi dito que os seus filhos estavam em exercícios de treino. Portanto, há muita confusão.

Mas não tenho a certeza de que a realidade venha a passar, ou que tal venha a acontecer em breve. As sanções movem-se lentamente. Embora esta campanha militar tenha sido um fracasso tão óbvio, a menos que alguém no círculo fechado de Putin o convença a recuar, o que é improvável, isto vai arrastar-se e mais pessoas irão morrer.

Quem sabe o que isso significará? Irá provocar uma revolta a nível nacional? Não sei. Eis o que eu sei: O governo russo prepara-se há muito tempo para este momento, e construiu um estado policial para esmagar quaisquer sinais de resistência com extrema violência.

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sofram!

Porque sobrevive Freud

Didier, o iluminado