Mensagens

A mostrar mensagens de 2022

Mamã, queremos viver!

Imagem
Os refugiados ucranianos forçados a viajar pela Rússia no seu caminho para a segurança Artigo "Mom, we want to live" publicado em Meduza em 2 de Maio de 2022 Um carro cheio de refugiados de Mariupol, num posto de controlo da Rússia. 24 de Março de 2022 [Alexander Ermochenko / Reuters / Scanpix / LETA]

Armário cheio de esqueletos

Imagem
"Vivemos num armário cheio de esqueletos" – artigo de Meduza , de 5/4/2022, por Maxim Trudolyubov, sobre como a incapacidade dos russos de condenar os crimes do passado os levou à guerra. Meduza é o principal órgão de informação independente da Rússia. Depois de fechado pela censura de Putin, publica-se agora na Letónia. Vorkutlag, Vorkuta, República de Komi, 1945. [Laski Diffusion / Getty Images]

De repente, ideias ultrapassadas são usadas para justificar o assassínio em massa

Imagem
Porque é que a guerra da Rússia contra a Ucrânia é a continuação lógica da ideologia do Estado russo. Tradução do artigo ‘Suddenly, these outdated ideas are being used to justify mass murder’ Why Russia’s war against Ukraine is the logical continuation of Russian state ideology de 4 de Abril de 2022, em Meduza . Meduza é o principal órgão de informação russo democrático. Foi recentemente bloqueado por Vladimir Putin e publica-se agora na Letónia. Uma vala comum em Kharkiv. 26 de Março de 2022 [Felipe Dana / AP / Scanpix / LETA] Durante anos, a ideologia oficial da Rússia tem girado em torno do mito de que o país está em perigo e os seus inimigos estão a tentar destruí-lo. A guerra na Ucrânia é a continuação lógica deste mito. Para saber quão profundas são as bases históricas deste conflito, Meduza recorreu a Andrei Zorin, um professor da Universidade de Oxford que estuda a história da ideologia estatal russa e os mitos culturais e políticos que a sustentam. Andrei Zorin

A Rússia é uma grande potência?

Imagem
Poder económico vs. poder militar Tradução do artigo La Russie est-elle une grande puissance ? Puissance économique vs. puissance militaire , por Hervé Théri, 20 de Março de 2022 em Diploweb.com Hervé Théry, Director Emérito de Investigação no CNRS-Creda, Professor na Universidade de São Paulo (USP-PPGH). Co-director da revista Confins . Membro do Conselho Científico de Diploweb.com . A Rússia é um país "belicoso"? Que parâmetros nos permitem estabelecer isto em comparação com outros países? Cruzando vários dados, H. Théry produz quatro planisférios que fornecem uma resposta documentada. Escusado será dizer que a história e os acontecimentos actuais fornecem elementos adicionais.

Os alarmistas tinham razão, afinal

Imagem
Um jornalista de Moscovo sobre Putin e a nova realidade russa Um jornalista independente descreve como é a vida dentro do universo paralelo da Rússia. Tradução do artigo “The alarmists were right all along”: A Moscow journalist on Putin and the new Russian reality de Vox . Por Sean Illing | @seanilling | sean.illing@vox.com | 11 mar, 2022 Quase todos fora da Rússia veem a decisão de Vladimir Putin de invadir a Ucrânia da mesma forma: como uma atrocidade obscena e desnecessária. Mas isso é porque o mundo exterior pode ver claramente o que está a acontecer no terreno na Ucrânia. Para o russo médio, o quadro parece muito diferente. Sabem que há algo a acontecer na Ucrânia, mas não é uma “guerra” – é uma “operação militar especial”. E se virmos as notícias, que são controladas pelo estado, não estamos a ver imagens de edifícios de apartamentos bombardeados ou de civis mortos nas ruas, porque é isso que uma guerra parece e não há definitivamente uma guerra na Ucrânia.

A facada nas costas

Imagem
A maioria dos historiadores do período que, na Alemanha, trouxe ao poder os nazis, considera muito importante o sentimento entre os soldados e os nacionalistas, de que o país não tinha, na verdade, sido derrotado na I Guerra Mundial, e que a catástrofe alemã só tinha sido possível pela traição da frente doméstica. O glorioso exército alemão, à beira da vitória, teria sido apunhalado nas costas pelos social-democratas, pelos bolcheviques, pelos judeus, pela Maçonaria, pela “quinta coluna”.

Who is a fascist?

Imagem
The Portuguese version of this post is here . Fascist, beyond being a political characterization, has become an insult with a tendency to lose meaning. But I will try to stick to the essentials. For many years, the most common characterization, among Western intellectuals, has been a Marxist explanation of how class struggle leads to a part of the marginalized population being willing to be mobilized by big capital to destroy workers' organizations. Sometimes this explanation works, sometimes it doesn't. It has the advantage of placing communists and Marxists as the leading anti-fascists, but it misses the facts more often than it gets them right. As I stopped being a Marxist many years ago – and I sincerely believe that political ideologies mislead more than they enlighten – I prefer simpler definitions.

Quem é fascista, quem é?

Imagem
Uma versão em inglês deste artigo está aqui . Fascista, para além de caraterização política, tornou-se um insulto com tendência a perder o conteúdo. Mas vou tentar ater-me ao essencial. Durante muitos anos, a caraterização mais vulgar, entre os intelectuais ocidentais, tem sido uma explicação marxista sobre como a luta de classes leva a que uma parte da população marginalizada se disponha a ser mobilizada pelo grande capital para destruir as organizações dos trabalhadores. Às vezes funciona, outras não. Esta explicação tem a vantagem de situar os comunistas e marxistas como os principais antifascistas, mas são mais as vezes que não corresponde aos factos, do que aquelas em que acerta. Eu, como há muitos anos que deixei de ser marxista — e acredito, sinceramente, que as ideologias políticas iludem mais do que esclarecem — prefiro definições mais simples.

2. Paulo muda-se para o segundo século

Imagem
Estou a traduzir uma série de artigos de René Salm, no seu site Mythiscist Papers, sobre a historicidade de Paulo de Tarso. Este é o segundo . O primeiro, 1. "Paulo", o improvável fantasma está aqui. Poderosos ventos de proa... Temos de nos perguntar como é que, depois de literalmente séculos de investigação, o campo dos “estudos bíblicos” (abrangendo tanto as escrituras judaicas como o Novo Testamento) ainda apresenta uma massa opaca de conclusões mutuamente contraditórias – e, de facto, nenhuma conclusão universal! Sempre que surge um avanço promissor – ou apenas ameaça aparecer – um coro de negações previsivelmente ascende das instituições entrincheiradas entre nós (igreja, sinagoga, e academia) para regressar ao status quo ante . A conclusão correta a tirar não é que (1) as pessoas são estúpidas, (2) os investigadores são cegos, ou (3) a informação é escondida (embora um pouco de todas as três seja provavelmente verdade), mas que, no campo dos estudos religiosos, a mu

1. “Paulo”, o improvável fantasma

Imagem
O ataque dos estudiosos bíblicos às escrituras sagradas tem procedido em vagas sucessivas, desde há mais de duzentos anos. O primeiro a cair foi, naturalmente, o Jesus da fé. Os milagres e eventos fantásticos narrados nos Evangelhos deixaram de ser credíveis. Ficou então um Jesus filósofo ou pensador, influente em todo o pensamento ocidental. Mas esse também ficou sob escrutínio. Nada da sua doutrina, teologia e filosofia pode ser atribuído aos cristãos (Bart Ehrman). Os inventores do cristianismo passaram a ser considerados... os cristãos! Que sobra então de Jesus? Nada de especial. Pregador milagreiro e exorcista da Galileia, nem uma pequena nota mereceria, no grande drama histórico, se não fosse o fabuloso edifício ideológico construído sobre a sua ténue memória. Já na Idade Média, rabis escreveram (inventaram) no Talmud que Jesus não teria paternidade divina, mas devia a sua existência aos amores ilícitos de Maria com o legionário Pantera.

Roma vs. China: O que fez a diferença?

Imagem
Traduzi este curioso artigo de Richard Carrier de 30 de novembro de 2021, sobre a questão: porque houve uma revolução científica e industrial no Ocidente e não na China? Carrier tem escrito uma série de artigos no seu blogue , bem como alguns livros, sobre como a ciência estava muito desenvolvida no Império Romano e foi vítima da sua rápida decadência no século III, ou seja, bem antes da queda propriamente dita, e como a profunda decadência que se seguiu só foi recuperada na aproximação do Renascimento. Pergunta-se frequentemente, porque é que a Revolução Científica ocorreu apenas na Europa e não na China? Refiro-me aqui, como explico no meu livro The Scientist in the Early Roman Empire à normalização de métodos científicos eficazes em toda a sociedade (pelo menos alfabetizada). Como documento lá, o Império Romano no seu auge estava à beira de lá chegar (de certa forma, a China nunca chegou), ficando aquém apenas em dois passos que só foram completamente realizados no decurso do sé

Porquê tanto ódio aos judeus?

Imagem
Como hoje é dia de lembrar o Holocausto, vou dar a minha modesta contribuição. Traduzi este artigo de Rick Snedeker , da recente plataforma humanista secular Only Sky . De facto, tal como o autor, sempre me intrigou o antissemitismo, como crença totalmente irracional. Sobretudo por parte de alguns cristãos que, no fim de contas, odeiam os judeus mas adoram um deus que escolheu nascer homem judeu. Aqui em Portugal, o anti-semitismo não é tão feroz, de momento, diriam vocês? Bem... Como devem saber, aqui na nossa terrinha foram cometidos alguns dos piores crimes contra os judeus. Nada do nível eficiente e industrializado dos nazis, mais uma coisa persistente, insidiosa, beata e eclesiástica. O rei mandou os judeus converterem-se à força, ou serem expulsos. Depois, o grande massacre de Lisboa contra os que já se tinham convertido. A seguir, criaram a Inquisição, para continuar a perseguir e massacrar, durante quase 300 anos, os desgraçados cristãos novos. Felizmente, tivemos cem anos de

Condolências e felicitações pela morte do seu filho

Imagem
“Condolências e felicitações pela morte do seu filho”: Como uma cultura de martírio envenenou uma nação Tradução de um artigo de Kaveh Mousavi , investigador, escritor e professor iraniano, ateu muçulmano que vive atualmente numa das teocracias do mundo, o Irão. Interessado em literatura, filosofia, e ciências políticas, especialmente em Relações Internacionais. Liberal pragmático e reformista com valores que alguns poderiam considerar revolucionários. Houve outra onda de picos em casos e mortes devido à Covid-19. Foi a segunda? A terceira? Não me consigo lembrar. Mas lembro-me que os números diários das mortes estavam em três dígitos e que o mapa do Irão – a minha nação – estava ensopado em vermelho de sangue. Estávamos fisicamente presentes no meu local de trabalho, discutindo com os nossos superiores e insistindo que devíamos ser autorizados a trabalhar a partir de casa. Estávamos a arriscar a morte na deslocação pendular, trabalhando depois em conjunto num espaço pequeno e

Buda, Abraão, Jesus, Maomé, pessoas ou lendas? (2)

Imagem
Buda, Abraão, Jesus, Maomé – Figuras históricas maiores que a vida ou em grande parte lendas? (Parte 2) As origens e adaptações de cada seita na história da humanidade são exemplos clássicos da teoria darwiniana em ação. Esta é a tradução de um artigo em duas partes , criado por Valerie Tarico 1 e David Fitzgerald 2 , explorando o caráter lendário dos fundadores das grandes religiões. A primeira parte está aqui .

Buda, Abraão, Jesus, Maomé, pessoas ou lendas? (1)

Imagem
Buda, Abraão, Jesus, Maomé – Figuras históricas maiores que a vida ou em grande parte lendas? (Parte 1) Sabemos menos do que possa pensar sobre as vidas de Buda, Abraão, Jesus, Maomé, e da maioria dos outros “fundadores” religiosos. Esta é a tradução de um artigo em duas partes , criado por Valerie Tarico 1 e David Fitzgerald 2 , explorando o caráter lendário dos fundadores das grandes religiões. A segunda parte está aqui . O escritor David Fitzgerald é um fã da História cujo fascínio principal é a história inicial da religião. Quando investigou as origens do cristianismo, ficou surpreendido ao descobrir quão poucas provas temos sobre Jesus como pessoa histórica. As histórias menos fantasiosas sobre a vida de Jesus encontram-se nos quatro evangelhos do Novo Testamento, mas os quatro evangelhos que chegaram ao Novo Testamento – e outros que não chegaram – foram escritos gerações depois de qualquer rabi Jesus histórico ter vivido. Eles contradizem-se mutuamente e contêm aconteci

Anomalias

Imagem
Sé todos los cuentos Yo no sé muchas cosas, es verdad. Digo tan sólo lo que he visto. Y he visto: que la cuna del hombre la mecen con cuentos, que los gritos de angustia del hombre los ahogan con cuentos, que el llanto del hombre lo taponan con cuentos, que los huesos del hombre los entierran con cuentos, y que el miedo del hombre... ha inventado todos los cuentos. Yo no sé muchas cosas, es verdad, pero me han dormido con todos los cuentos... y sé todos los cuentos. León Felipe (1884-1968) Há muitos anos, li um romance célebre de ficção científica de Isaac Asimov: a "Trilogia da Fundação" . Tinha um enredo majestoso: um império galático decadente iria cair e arrastar a humanidade para milénios de barbárie. Um sábio fundador de uma ciência chamada Psico-História, capaz de prever os destinos da galáxia, concluiu que seria possível evitar essa idade das trevas se criasse duas fundação que preservassem a cultura… e tal e tal. Bom, o bom do sábio lá criou a sua fu

Jesus de Nazaré Desaparecido em Combate

Imagem
David Madison, que colabora no site Debunking Christianity de John Loftus, debruça-se aqui sobre um ensaio de Earl Doherty “A Sacrifice in Heaven: The Son in the Epistle to the Hebrews” (Um Sacrifício no Céu: O Filho na Epístola aos Hebreus), na coletânea “Varieties of Jesus Mythicism: Did He Even Exist?” (Variedades no Miticismo Sobre Jesus: Será que Ele Sequer Existiu?), coordenada por David Madison e Robert Price. O miticismo sobre Jesus, ou seja, a noção de que se trata de um personagem mítico em vez de histórico, tem vindo a ganhar adeptos entre os estudiosos das origens do cristianismo. Teve adeptos desde o século XIX na Alemanha e na Holanda, mas ressurgiu com grande força nos últimos anos do século XX e, sobretudo, já no nosso século XXI. Um dos principais e mais antigos promotores da ideia foi Earl Dohert y , o outro Robert Price . Esta é uma tradução do artigo “Jesus of Nazareth Missing in Action” em Debunking Christianity , por David Madison em 1/07/2022