Guerra Russo-Ucraniana ecoa Guerra da Crimeia de 1853

Como a actual guerra da Rússia na Ucrânia ecoa a sua Guerra da Crimeia dos anos 1850, tradução de artigo na NPR How Russia's current war in Ukraine echoes its Crimean War of the 1850s, 13 de Julho de 2022, por Greg Myre

A fronteira entre a Ucrânia e a Crimeia, numa fotografia do início de Fevereiro deste ano. A Rússia anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014. Em 24 de Fevereiro deste ano, as forças russas na Crimeia avançaram mais para o sul da Ucrânia e ocuparam território adicional na região. — Claire Harbage/NPR

KYIV, Ucrânia — Eis uma visão amplamente difundida da guerra da Rússia: A Rússia tinha um exército mais poderoso e esperava uma vitória rápida. Não pensava que as potências ocidentais iriam intervir. No entanto, uma campanha militar mal planeada levou a uma luta muito mais dura do que o esperado.

Para sermos claros, não estamos a falar da actual guerra da Rússia na Ucrânia. Estamos a falar da guerra da Rússia na Crimeia, na década de 1850.

Mesmo que não esteja familiarizado com a Guerra da Crimeia, conhece algumas das figuras monumentais que emergiram dela, como Florence Nightingale e Leão Tolstoy.

Mas isto não é apenas história. Esse conflito de longa data ainda hoje é relevante. Para começar, quando a Rússia combateu o Império Otomano em 1853, o ponto focal foi a Crimeia — o mesmo território que o Presidente russo Vladimir Putin anexou em 2014, quando invadiu a Ucrânia pela primeira vez.

A enfermeira britânica Florence Nightingale organizou uma unidade hospitalar durante a Guerra da Crimeia de 1853-56. Ela é creditada por trazer mais condições sanitárias para o tratamento de soldados feridos, que muitas vezes morriam de infecções e outras doenças, e não das suas feridas. — AP

Durante a primeira Guerra da Crimeia, a revista The Economist — a mesma que continua forte — escreveu em 1854 uma peça impiedosa sobre a Rússia e o seu líder, o Czar Nicolau I.

Esse vasto estado é em grande medida composto de despojos que ela arrancou das nações circundantes”, escreveu The Economist. “As suas províncias fronteiriças estão cheias de populações hostis feridas e descontentes... muitas das quais esperam, com paciência e desejo, o abençoado dia da emancipação e da vingança”.

Soa muito como a Ucrânia de hoje.

“Há paralelos muito distintos. E penso que Putin provavelmente exagerou da forma como o fez Nicolau I”, diz Orlando Figes, historiador britânico e autor de The Crimean War: A History.

“Nicolau, que queria contrariar a influência da democracia liberal na Europa, inventou o slogan, 'Ortodoxia, autocracia, nacionalismo'”, diz Figes, cujo próximo livro é The Story of Russia. “Isso pode muito bem significar a ideologia de Putin. Esta é uma guerra apoiada pela Igreja Ortodoxa. Ele é um autocrata. Vê-se como um baluarte contra os princípios liberais vindos do Ocidente”..

O Professor Vladislav Zubok, historiador russo na London School of Economics, tem uma opinião semelhante.

“É um caso clássico em que a história definitivamente rima”, diz Zubok.

Ele observa que a Rússia tinha um enorme exército na década de 1850, mas planeou mal a Guerra da Crimeia.

“Muito rapidamente após o início da guerra, verificou-se que a Rússia era tão fraca que nem sequer conseguia abastecer devidamente as tropas no seu próprio território”, diz Zubok.

O quartel-general naval russo do Mar Negro em Sebastopol, Crimeia, em 2008. No fundo, à direita, está um destroyer russo. O veleiro russo Padalla (com velas brancas) está no centro. Em primeiro plano está o Monumento aos Navios Afundados, marcando a destruição intencional pela Rússia da sua própria frota naval na Guerra da Crimeia, em 1854, à medida que os navios de guerra britânicos e franceses se aproximavam. — AP

Tal como hoje, onde a Rússia tem sofrido repetidas falhas logísticas desde que invadiu a Ucrânia em Fevereiro.

Nicolau I também pensava que as potências ocidentais não iriam interferir na sua guerra contra o Império Otomano, a que chamou “o homem doente da Europa”. Ficou chocado quando a Grã-Bretanha e a França se juntaram à luta contra a Rússia.

“Ele não podia imaginar que as principais potências da Europa se voltariam contra ele”, diz Zubok. “Provocou definitivamente a Guerra da Crimeia pela sua arrogância, pelos seus pressupostos errados sobre a Europa e outras potências. E, no essencial, errou no seu caminho para esta guerra”.

Uma fotografia de guerra antiga e famosa mostra bolas de canhão por explodir após a Carga da Brigada Ligeira, uma operação militar britânica fracassada na Batalha de Balaklava, em 1854, durante a Guerra da Crimeia. — Roger Fenton/Universal History Archive/Getty Images

A Grã-Bretanha e a França não estão a combater na guerra actual. Mas recentemente, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson e o presidente francês Emmanuel Macron contaram-se entre os cinco líderes europeus que apanharam comboios para Kyiv e ficaram lado a lado em solidariedade com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy.

“Putin não acreditava que os europeus e os Estados Unidos iriam, juntos, resistir ao que a Rússia estava a fazer”, diz Angela Stent, uma perita russa da Universidade de Georgetown. Ela encontrou-se muitas vezes com Putin durante as suas mais de duas décadas no poder, e é a autora de Putin's World.

“Também não acreditava que a Europa e os Estados Unidos concordassem com estas sanções muito duras. Portanto, estava errado em vários aspectos”, acrescenta ela.

Esta estampa retrata a numericamente inferior Brigada Ligeira Britânica a combater soldados russos durante uma desastrosa operação britânica em Balaklava, durante a Guerra da Crimeia. — HUM Images/Universal Images Group via Getty Images

É claro que a Guerra da Crimeia também foi cheia de loucura. Uma desastrosa operação militar britânica foi imortalizada pelo britânico Alfred, Lord Tennyson no seu poema épico, A Carga da Brigada Ligeira, que inclui estas linhas duradouras:

“Avante, Brigada Ligeira
Havia algum homem consternado?
Não, embora o soldado soubesse
Que alguém tinha feito asneira:
Não lhe pertencia responder,
Não lhe pertencia perguntar porquê,
A não ser cumprir e morrer:
Para o vale da morte
Cavalgaram os seiscentos”.

Tennyson não foi o único a transformar a tragédia em arte. Um jovem oficial de artilharia russo, Leão Tolstoy, baseou-se na sua experiência quando mais tarde escreveu Guerra e Paz.

Leão Tolstoy, mostrado nesta foto sem data, era um jovem oficial de artilharia russo na Guerra da Crimeia. Baseou-se nessas experiências na sua escrita, incluindo Guerra e Paz. — AP

E Florence Nightingale tornou-se uma das mulheres mais famosas do mundo, ao inaugurar uma nova era da medicina militar, utilizando métodos mais sanitários para tratar as tropas feridas.

Décadas mais tarde, em 1890, ela fez uma gravação sobre o seu tempo na Crimeia e o local onde montou o seu hospital de campanha, Balaklava.

“Quando eu já não for sequer uma memória — apenas um nome — espero que a minha voz perpetue a grande obra da minha vida”, disse ela. “Deus abençoe os meus queridos velhos camaradas de Balaklava e os traga a salvo para as nossas costas”.

Contudo, a guerra prejudicou ainda mais a reputação de Nicolau I. Morreu em 1855, enquanto os combates continuavam furiosos. Os seus 30 anos de governo deixaram a Rússia isolada, empobrecida e muito necessitada de reformas.

A Rússia perdeu a Guerra da Crimeia um ano mais tarde e foi obrigada a aceitar condições humilhantes.

A Rússia comprometeu-se a não colocar navios de guerra no Mar Negro — onde desejava desesperadamente projetar poder naval.

Actualmente, a Rússia está a projetar poder naval no Mar Negro. Numa crise crescente, cerca de 20 navios de guerra russos estão a bloquear a costa sul da Ucrânia, impedindo o país de exportar os seus abundantes cereais para o mundo.

Um homem ucraniano protesta frente a homens armados com uniformes anónimos na península da Crimeia, na Ucrânia, em 2014. Faziam parte das forças militares da Rússia, que permanecem na Crimeia até aos dias de hoje. — Andrew Lubimov/AP

“Penso que isto é novamente uma continuidade histórica”, diz Angela Stent, de Georgetown. “A Rússia a tentar dominar o Mar Negro”. Os objectivos não mudaram assim tanto”.

A Rússia há muito que se tem retratado como uma potência militar dominante. Putin comparou-se recentemente a Pedro o Grande, o czar que expandiu o território russo através de conquistas no início do século XVII.

Assim, a sua actual invasão da Ucrânia não constitui surpresa para Volodymyr Viatrovych, um proeminente historiador ucraniano.

“Esta é, evidentemente, uma guerra imperial”, diz Viatrovych, que também está no parlamento da Ucrânia e é membro das forças armadas que ajudaram a defender Kyiv nos primeiros dias desta guerra.

“A Rússia actua hoje como um império. Tem a intenção de se expandir. Eles estão a tentar tomar terras que entendem pertencer-lhes no passado”, diz ele.

Embora a Rússia tenha tido muitos triunfos militares, ele diz que o seu historial geral é decididamente misto.

“Se olharmos ao longo da história, não só do século XX, mas também do século XIX, a Rússia perdeu mais do que ganhou”, diz Viatrovych.

A Rússia fez parte do lado vencedor na Segunda Guerra Mundial. Mas foi derrotada pelo Japão numa guerra de 1904-5, teve uma exibição abismal na Primeira Guerra Mundial que ajudou a preparar o caminho para a Revolução Russa de 1917, e a União Soviética perdeu uma guerra contra os rebeldes no Afeganistão na década de 1980.

“A Rússia construiu realmente este mito de ser uma superpotência global”, diz Viatrovych. “Mas o que temos visto desde a invasão da Ucrânia é que eles não são uma superpotência”.

O actual líder da Rússia adora falar sobre as conquistas históricas do seu país. Ele está muito menos disponível para mencionar as suas derrotas.

Greg Myre é um correspondente de segurança nacional da NPR.
Siga-o
@gregmyre1.

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A palavra proibida

Porque sobrevive Freud

Vidas