15 de setembro de 2021

As outras mulheres afegãs

No campo, a matança interminável de civis virou as mulheres contra os ocupantes que afirmavam estar a ajudá-las.

Por Anand Gopal — 6 de setembro de 2021

Anand Gopal tem aqui, neste artigo publicado em The New Yorker: The Other Afghan Women, um relato do que se passou no chão, entre as pessoas massacradas e bombardeadas. Um dos melhores e mais humanos relatos de guerra que já vi. Um relato também da mais extraordinária maldade, disfarçada aos olhos ocidentais com propaganda delicodoce. Mas lá no chão, é uma guerra como as outras, violência, horror e lágrimas. O artigo também serve como narrativa desta guerra, a “Guerra Americana”, como lhes chamam as suas vítimas, olhada de baixo e vista por mulheres, as outras mulheres.

31 de julho de 2021

A palavra proibida

Este país está de saída?

Por Tom Engelhardt (tradução do artigo The Forbiden Word, em Tom Dispatch

Foi há muito tempo, num mundo aparentemente sem desafios. Lembram-se de quando nós, americanos, vivíamos num planeta com uma Rússia abatida, uma China que mal se erguia e nenhum inimigo óbvio, exceto o que mais tarde veio a ser conhecido como um “eixo do mal”, três países incapazes então de pôr este em perigo? Ah, e, como se viu, um jovem e rico ex-aliado saudita, Osama bin Laden, e 19 sequestradores, a maioria deles também sauditas, de um pequeno grupo chamado Acaida que por breves instantes possuiu uma “força aérea” de quatro jactos comerciais. Não admira que este país fosse então apontado como a maior força, a superpotência de todos os tempos, ostentando uma força militar que deixava todos os outros na poeira.

20 de maio de 2021

Sofram!

Texto traduzido e adaptado de uma publicação de Jim Wright no Facebook, respondendo a alguém que defendia a desistência política.

“Eu compareci, apertei o nariz e votei da forma que todos vocês queriam, desde os 18 anos. Mesmo em governos supostamente favoráveis, as coisas não melhoram. Vocês são completamente cegos sobre quem aquela gente serve. Estou farto deles e de pessoas como vocês. Sofram.”

Isso chama-se democracia.

Há dez milhões de cidadãos neste país. Há grandes hipóteses de que não vais concordar sempre com todos, ou mesmo com a maioria.

Ou nunca.

19 de maio de 2021

Vidas

Acontece-me por vezes contemplar a minha vida como vidas. Períodos que, se alguém os historiografasse, podiam ser classificados da mesma forma que o Cretássico e o Jurássico. Não são milhões de anos, mas talvez o sejam na minha memória. Cada período com distintas caraterísticas na consciência do tempo, nas relações afetivas, nas expetativas pessoais, nas esperanças políticas, na perceção do mundo, nos milhões de bits de informação que fazem uma pessoa concreta.

7 de maio de 2021

Ou trabalhas ou morres à fome

Há séculos que os empresários temem a escassez de trabalhadores

A chamada crise de pessoal remonta à era colonial.

Embora relativo às condições dos EUA, este artigo do Intercept esclarece muito bem alguma da propaganda nostil que nos é servida constantemente como informação económica.

Trabalhadores recentemente “libertados” numa plantação de açúcar nas Índias Ocidentais em 1849. O seu trabalho é vigiado por um supervisor branco com um chicote. Imagem: Arquivo Hulton / Imagens Getty

20 de abril de 2021

O debate sobre as origens islâmicas torna-se público

Peter von Sivers

Peter von Sivers é autor de Patterns of World History. Um seu homónimo foi almirante da Marinha Imperial russa sob Pedro, o Grande.

Peter von Sivers,
Prof. Emeritus, Dep. História da Universidade do Utah

History Compass 1 (2003) ME 058, 001–016

Tradução do artigo científico The Islamic Origins Debate Goes Public (PDF, 8000 palavras), publicado no site de História revisto por pares History Compass, sobre as origens do Islão. Com muitos anos de atraso sobre o estudo das origens históricas das escrituras sagradas cristãs e judaicas, alguns especialistas em textos antigos e História da Antiguidade Tardia começaram a debruçar-se sobre o relato que os crentes do Islão fazem das origens da sua religião. O resultado das suas pesquisas conta uma história bem diferente da que é comummente aceite. Este texto é de 2003 e desde então, certamente, a pesquisa continuou, mas é bem completo e exaustivo na revista que faz do trabalho de vários autores.

16 de abril de 2021

EUA – Não são só os jovens progressistas brancos a deixar a religião

Tradução de um artigo de Ryan P. Burge en Five Thirty-Eight, "It’s Not Just Young White Liberals Who Are Leaving Religion"

Apenas 47% dos adultos estadunidenses disseram ser membros de uma igreja, mesquita ou sinagoga, de acordo com uma pesquisa divulgada recentemente e conduzida pela Gallup no ano passado. Foi a primeira vez que a maioria dos estadunidenses disseram que não eram membros de uma igreja, mesquita ou sinagoga desde que a Gallup começou a inquiri-los sobre a sua filiação religiosa, na década de 1930. Na verdade, a descoberta da Gallup foi uma espécie momento charneira no afastamento, há muito estudado, dos estadunidenses da religião organizada.

9 de abril de 2021

Marxismo, a religião messiânica dos trabalhadores

Tenho hesitado muito em escrever este texto, que me trará, não duvido, rasgados elogios dos meus inimigos políticos e severas críticas dos meus aliados. Mas tem que ser. Há limites para viver em mentiras. Mesmo que as ilusões possam, por vezes, ser úteis, por fim sempre serão nocivas. Não se pode basear a ação política numa ilusão.

29 de março de 2021

Interseccionalidade e Teoria Crítica

Como vosso comissário político, ordeno-vos que leiam este artigo de Valerie Tarico. É longo, mas é necessário que o leiam, para que não baixem a vossa nota em correção política.

Estou a brincar. O artigo é importante, precisamente, porque rejeita os comissários políticos e critica umas inquietantes mostras de estalinismo que afloram nos movimentos anti-racistas e feministas recentes. Recomendo vivamente.

21 de março de 2021

Gourmets, connaisseurs e a ilusão do prazer supremo

Há tempos, publiquei no Facebook uma história deliciosa: numa cervejaria "francesa" de Nova Iorque, serviram, por erro, um vinho Pinot Noir de 50 dólares a um grupo que tinha encomendado um Château Mouton Rothschild de dois mil, e serviram este a um casal jovem que tinha encomendado o vinho de 50. O casal estava na brincadeira, fazendo o teatro de estarem a beber um vinho superlativo, sem saber que estavam mesmo a bebê-lo; o grupo de empresários bebia o vinho de 50 dólares com enormes elogios, sem saber que era um relativamente banal Pinot Noir.

26 de fevereiro de 2021

Jesus, o impasse hermenêutico

Continuando de New French Mythicist Book... Vemos como a autora Nadine Charbonnel, uma filósofa, inicia a sua jornada com a relação da tradição filosófica com a Bíblia, no livro Jésus-Christ, Sublime Figure de Papier. Este é apenas um de uma extensa série de artigos que Neil Godfrey, no seu blogue Vridar, consagrou a discutir este livro.

A criação de Jesus

Nadine Charbonnel, professora de Filosofia na Universidade de Estrasburgo, propõe uma nova explicação da origem do conceito de Jesus, no seu livro Jésus-Christ, Sublime Figure de Papier. Este é apenas um de uma extensa série de artigos que Neil Godfrey, no seu blogue Vridar, consagrou a discutir este livro.

12 de fevereiro de 2021

Soros, o benemérito, Soros, o papão

O nome Soros aparece por todo o lado ligado a maléficas conspirações. Conspirativistas nos EUA apontam-no como membro da cabala de sacrificadores de crianças do estado profundo que se opõe a Donald Trump. Vladimir Putin proibiu as atividades das fundações de Soros no seu país. O mesmo fizeram os regimes autoritários da Bielorrússia, da Hungria (o seu país natal), da Turquia, do Cazaquistão e do Turcomenistão. Até algumas vozes de esquerda fazem coro, por vezes, a denunciar o seu nome. Mas quem é George Soros?

5 de fevereiro de 2021

Confissão

Estou velho.

Atingi, à custa de muito sofrimento e ansiedade, alguma sabedoria.

Mas é tarde de mais para agir sobre ela. Mesmo que eu tivesse a pachorra, a generosidade, a ilusão de agir sobre ela, não iria adiantar muito.

As hostes que eu iria querer motivar, preferem verdades mais simples. Aquelas a que eu me entreguei quando era jovem,

Livrar-me das certezas ingénuas levou tempo, muito trabalho mental. Aquilo que se aprende é difícil de transmitir. Aprender com a experiência dos outros é quase impossível. Na verdade, até aprender com a nossa própria experiência é muito complicado.

Quando era jovem, fui militante. Fiz o meu melhor, mas hoje digo, ainda bem que aquilo que eu ambicionava não era possível. Iria ser distópico.

1 de fevereiro de 2021

Trump e a atenção seletiva


Escolhi traduzir este artigo no sire S-USIH, Society for US International History, The History of Donald Trump: From Master of Selective Attention to Warrior Leader, de Paul J. Croce, pelo tratamento do fenómeno da atenção seletiva, extremamente importante neste momento de multidões irracionais e de manipulação de massas. É curiosa esta aproximação aos problemas concretos, que me recorda a do 'radical' Bernie Sanders, que se recusa a descartar os apoiantes de Trump, propondo focar o discurso em assuntos que podem interessá-los enquanto porte do povo, como o emprego e o acesso à saúde.


A história de Donald Trump:

de mestre da atenção seletiva a líder guerreiro

E se dessem uma guerra e ninguém aparecesse?
Charlotte Keyes (1966), adaptando um poema de Carl Sandburg (1936)

Quando vi o ex-presidente Donald Trump a criticar a grande imprensa ou a desafiar os resultados eleitorais, pensei em William James (1842-1910). Eles formam um par estranho, mas o político famoso tem feito um uso magistral da atenção seletiva, esse guarda-portão1 mental que o professor e fundador da psicologia americana retratou como central na mente humana.

27 de janeiro de 2021

Radicalização e tensão social nos EUA

Achei muito curioso este artigo, “Our Radicalized Republic”, no site 538, sobre as dificuldades do sistema político dos EUA, quando, na opinião dos autores, as posições estão tão extremadas que podem levar à paralisia do sistema de governo ou – como acabou por acontecer no dia 6 de janeiro – a tentativas de golpe de estado.

Como é próprio deste tipo de discurso, a ênfase é posta no lado comportamental da realidade. Mas a radicalização, creio eu, não é o resultado de vícios de comportamento, mas de factos políticos de base. Para os interesses que governam o partido republicano, é insuportável a submissão ao governo democrata; para a base social dos democratas, ser governado pelos republicanos é insuportável. Todas as frases ocas sobre unidade nacional e diálogo entre os dois lados da coxia não passam de decoração folclórica.

Mas aprecio sempre o bom tratamento de dados do site 538. É um bom artigo informativo.

23 de janeiro de 2021

Democracia e transparência

Há uns anos, morava eu na Charneca de Caparica, compareci a uma reunião aberta da Assembleia Municipal de Almada que teve lugar no próprio Clube Vitória das Quintinhas onde, creio, eu nessa época colaborava. Era ainda presidente da Câmara a D. Maria Emília.

Nada recordo da ordem de trabalhos, mas houve um episódio que ficou na minha memória:

No período prévio, vários moradores apresentaram pedidos de melhoramentos das suas ruas, quase tudo questões de pavimentação, algumas sobre recolha de lixo.

22 de janeiro de 2021

A direira contra a semântica – 2

Traduzi dois artigos de Doug Muder, no blogue The Weekly Sift, que tratam de assuntos importantes, mas que costumam passar abaixo do radar. O primeiro, The Orwellian Misuse of “Orwellian”, é recente; o segundo, Newspeaking about torture, é de 2014, mas tratam do mesmo assunto: de como a direita procura destruir as palavras que a esquerda usa para a caraterizar.

O primeiro artigo traduzido, O abuso orwelliano de “orwelliano”, está aqui.

A direita contra a semântica – 1

Traduzi dois artigos de Doug Muder, no blogue The Weekly Sift, que tratam de assuntos importantes, mas que costumam passar abaixo do radar. O primeiro, The Orwellian Misuse of “Orwellian”, é recente; o segundo, Newspeaking about torture, é de 2014, mas tratam do mesmo assunto: de como a direita procura destruir as palavras que a esquerda usa para a caraterizar.

O segundo artigo traduzido, Novifalar sobre tortura, está aqui.

18 de janeiro de 2021

O marxismo de Leo Panitch

Tradução de The Marxism of Leo Panitch, artigo de Chris Maisano no Jacobin

Leo Panitch enfatizou três temas centrais ao longo da sua carreira: o processo de formação de classes, o papel fundamental dos partidos políticos em facilitar esse processo e a necessidade de transformar o estado em vez de geri-lo na sua forma atual. Ao fazer isso, ele deu ao movimento democrático-socialista um tesouro inestimável de recursos para mudar o mundo.

14 de janeiro de 2021

Céu e Inferno: uma história da vida depois da morte

Sempre me intrigaram duas noções que coexistem no pensamento cristão, ambas absurdas, mas totalmente incompatíveis, sobre a vida depois da morte.

Primeiro, a profecia de que os mortos hão-de ressuscitar na sua carne física, no dia do Juízo Final, em cenas que os filmes de terror têm ilustrado inúmeras vezes: os cadáveres a surgir das sepulturas nos cemitérios, a carne e os ossos a recomporem-se, de preferência com música sinistra a acompanhar. Essa cena de filme está ancorada em sólida teologia, é declamada mesmo no Credo, a oração aprovada no Concílio de Niceia, em 325, como declaração de princípios comum: “Creio na Ressurreição dos mortos…”

Depois, a noção de que existe uma alma, entidade espiritual e imortal, cuja vida, depois da morte do corpo físico, será recompensada ou punida eternamente por Deus. Tal alma não precisaria de esperar pelo Juízo Final nem dependeria do corpo, comparecendo imediatamente ao julgamento divino e encetando logo o seu estágio eterno de bem-aventurança ou tortura.

13 de janeiro de 2021

As nossas almas estão mortas

Como sobrevivi a um acampamento de 'reeducação' chinês para uigures

Após 10 anos a viver em França, voltei à China para assinar alguns papéis e fui presa. Nos dois anos seguintes, fui sistematicamente desumanizada, humilhada e sofri lavagem cerebral

por Gulbahar Haitiwaji com Rozenn Morgat, The Guardian, 12/1/2021

O homem ao telefone disse que trabalhava para a petrolífera, “Na verdade, na contabilidade”. A sua voz não era familiar para mim. No início, não consegui entender porque ele estava a ligar. Era novembro de 2016 e eu estava de licença sem vencimento da empresa, desde que saí da China e me mudei para França, há 10 anos antes. Havia estática na linha; tive dificuldade em ouvi-lo.

“Você tem que voltar a Karamay para assinar os documentos relativos à sua reforma, Madame Haitiwaji”, disse ele. Karamay era a cidade na província de Xinjiang, no oeste da China, onde trabalhei para a empresa de petróleo por mais de 20 anos.

“Nesse caso, gostaria de conceder uma procuração”, disse eu. “Um amigo meu em Karamay cuida dos meus assuntos administrativos. Porque tenho que voltar para buscar papelada? Porquê ir tão longe por uma bagatela? Porquê agora?"

9 de janeiro de 2021

Didier, o iluminado

Tenho encontrado menções no Facebook e noutros lados ao dr. Didier Raoult, como voz alternativa, até talvez como cientista alternativo com respeito ao combate ao Covid-19. Portanto, resolvi investigar.

Trata-se de um cientista e médico conhecido, com um trabalho importante no passado nos domínios da infecciologia e da virologia. Nada sei sobre esses assuntos e a minha opinião nesses campos não tem qualquer valor. Mas conheço alguma coisa de comunicação, e é sob esse prisma que vou analisar o que encontrei.