Manual de genocídio da Rússia

Voltemos um pouco atrás na guerra na Ucrânia. Em Abril, foi publicado na agência estatal russa RIA-Novosti um texto programático sobre os objetivos russos na Ucrânia. De orientação semelhante a outro texto já publicado no mesmo lugar por Petr Akopov em 26 de fevereiro, este artigo de Timofey Sergeytsev desenvolve o tema com pormenores. Explica o que é para o Kremlin “desnazificar” a Ucrânia, o que é um “nazi” para Putin e seus acólitos e não deixa qualquer margem às ilusões de apoiantes ocidentais de que as tropas russas estejam imbuídas de algum intuito antinazi. O texto é central ao pensamento putinista. O local onde foi publicado não deixa margem para dúvidas: É como se um texto programático sobre a Guerra Colonial, na ditadura portuguesa, fosse publicado no jornal do regime “Época”.

Hoje, quando parece que Putin teve que renunciar a conquistar a totalidade da Ucrânia e se limita q querer anexar para a Federação Russa os territórios ucranianos da Crimeia, Luhanst, Donetsk, Zaporijia e Kherson, o programa parece deslocado. Mas é um indicador importante das intenções russas e do que está a ser feito nesses territórios sob ocupação.

Segue-se uma apreciação do texto, da parte do historiador Timothy Snyder, professor em Yale e especialista no Holocausto. Depois, a tradução do texto do tecnólogo político putinista.

Aumentam as provas de atrocidades e da sua intencionalidade

Timothy Snyder, 8 de Abril de 2022

Timothy Snyder

Timothy Snyder: “O manual russo é um dos documentos mais abertamente genocidas que alguma vez vi.”

A Rússia acaba de publicar um manual de genocídio para a sua guerra contra a Ucrânia. A agência de imprensa oficial russa RIA-Novosti publicou no domingo passado um programa explícito para a completa eliminação da nação ucraniana enquanto tal. Ainda está disponível para visualização, e já foi traduzido várias vezes para inglês.

Como tenho vindo a dizer desde que a guerra começou, “desnazificação” no uso oficial russo significa apenas a destruição do Estado e da nação ucraniana. Um “nazi”, como explica o manual de genocídio, é simplesmente um ser humano que se auto-identifica como ucraniano. Segundo o manual, o estabelecimento de um Estado ucraniano há trinta anos atrás foi a “nazificação da Ucrânia”. De facto “qualquer tentativa de construir um tal Estado” tem de ser um acto “nazi”. Os ucranianos são “nazis” porque não conseguem aceitar “a necessidade de que o povo apoie a Rússia”. Os ucranianos têm que sofrer por acreditarem que existem como um povo separado; só isto pode levar à “redenção da culpa”.

Para quem ainda anda por aí que acredita que a Rússia de Putin se opõe à extrema direita na Ucrânia ou em qualquer outro lugar, o programa de genocídio é uma oportunidade para reconsiderar. O regime russo de Putin fala de “nazis” não porque se opõe à extrema-direita, o que certamente não acontece, mas como um dispositivo retórico para justificar uma guerra não provocada e políticas genocidas. O regime de Putin é a extrema-direita. É o centro mundial do fascismo. Apoia fascistas e autoritários de extrema-direita em todo o mundo. Ao trocar o significado de palavras como “nazi”, Putin e os seus propagandistas estão a criar mais espaço retórico e político para os fascistas na Rússia e noutros lugares.

O manual de genocídio explica que a política russa de “desnazificação” não é dirigida contra os nazis, no sentido em que a palavra é normalmente utilizada. O manual concede, sem hesitação, que não existem provas de que o nazismo, tal como geralmente entendido, é importante na Ucrânia. Funciona dentro da definição russa especial de “nazi": um nazi é um ucraniano que se recusa a admitir ser um russo. O “nazismo” em questão é “amorfo e ambivalente”; é preciso, por exemplo, poder ver por baixo do mundo da aparência e descodificar a afinidade pela cultura ucraniana ou pela União Europeia como “nazismo”.

A história real dos nazis reais e dos seus crimes reais nas décadas de 1930 e 1940 é, portanto, totalmente irrelevante e completamente posta de lado. Isto é perfeitamente consistente com os actos de guerra russos na Ucrânia. Não se vertem lágrimas no Kremlin por causa do assassinato russo de sobreviventes do Holocausto ou da destruição russa de memoriais do Holocausto, porque os judeus e o Holocausto nada têm a ver com a definição russa de “nazi”. Isto explica porque é que Volodymyr Zelensky, embora um presidente democraticamente eleito, e um judeu com familiares que lutaram no Exército Vermelho e morreram no Holocausto, pode ser chamado de nazi. Zelensky é um ucraniano, e isso é tudo o que “nazi” significa.

Nesta definição absurda, onde os nazis têm de ser ucranianos e os ucranianos têm de ser nazis, a Rússia não pode ser fascista, não importa o que os russos façam. Isto é muito conveniente. Se “nazi” foi atribuído o significado de “ucraniano que se recusa a ser russo”, então, conclui-se que nenhum russo pode ser um nazi. Uma vez que para o Kremlin ser um nazi nada tem a ver com ideologia fascista, símbolos semelhantes aos da suástica, grandes mentiras, comícios, retórica de limpezas, guerras agressivas, raptos de elites, deportações em massa, e a matança em massa de civis, os russos podem fazer todas estas coisas sem nunca terem de perguntar se eles próprios estão do lado errado da razão histórica. E assim encontramos os russos a implementar políticas fascistas em nome da “desnazificação”.

O manual russo é um dos documentos mais abertamente genocidas que alguma vez vi. Apela à liquidação do Estado ucraniano, e à abolição de qualquer organização que tenha qualquer associação com a Ucrânia. Postula que a “maioria da população” da Ucrânia são “nazis”, ou seja, ucranianos. (Esta é claramente uma reação à resistência ucraniana; no início da guerra a suposição era que existiam apenas alguns ucranianos e que eles seriam facilmente eliminados. Isto ficou claro noutro texto publicado na RIA Novosti, a declaração de vitória de 26 de Fevereiro). Tais pessoas, “a maioria da população”, portanto mais de vinte milhões de pessoas, seriam mortas ou enviadas para trabalhar em “campos de trabalho” para expurgar a sua culpa por não amarem a Rússia. Os sobreviventes devem ser sujeitos a “reeducação”. As crianças serão criadas para serem russas. O nome “Ucrânia” desaparecerá.

Ucranianos evacuados de Irpin

Uma menina olha para trás enquanto está a ser evacuada de Irpin. Muitos civis que permaneceram naquele subúrbio de Kyiv foram assassinados por militares russos. Segundo as autoridades locais, os seus corpos foram depois esmagados com tanques.

Se este manual de genocídio tivesse aparecido noutra altura e num local mais obscuro, poderia ter escapado ao aviso. Mas foi publicado mesmo no meio do panorama mediático russo durante uma guerra de destruição russa explicitamente legitimada pela alegação do chefe de Estado russo de que uma nação vizinha não existia. Foi publicado num dia em que o mundo estava a tomar conhecimento de um assassinato em massa de ucranianos cometido por russos.

O manual de genocídio da Rússia foi publicado a 3 de Abril, dois dias após a primeira revelação de que os militares russos na Ucrânia tinham assassinado centenas de pessoas em Bucha, e no preciso momento em que a história chegava aos grandes jornais. O massacre de Bucha foi um dos vários casos de assassinatos em massa que surgiram quando as tropas russas se retiraram da região de Kiev. Isto significa que o programa de genocídio foi publicado conscientemente, mesmo quando as provas físicas de genocídio estavam a surgir. O escritor e os editores escolheram este momento particular para tornar público um programa para a eliminação da nação ucraniana enquanto tal.

Como historiador das matanças em massa, tenho dificuldade em pensar em muitos exemplos em que os estados anunciam explicitamente o carácter genocida das suas próprias ações no momento em que essas ações se tornam do conhecimento público. De uma perspetiva legal, a existência de tal texto (no contexto mais vasto de declarações semelhantes e da negação reiterada de Vladimir Putin de que a Ucrânia existe) torna a acusação de genocídio muito mais fácil de fazer. Legalmente, genocídio significa ambas as ações que destroem um grupo no todo ou em parte, combinadas com alguma intenção de o fazer. A Rússia cometeu o ato e confessou a intenção.

Segue-se o manual de genocídio russo:

O que deve a Rússia fazer com a Ucrânia?

Timofey Sergeytsev,

Escrevemos sobre a inevitabilidade da desnazificação da Ucrânia já em Abril do ano passado. Não precisamos de uma Ucrânia nazi, banderista, inimiga da Rússia e um instrumento do Ocidente utilizado para destruir a Rússia. Hoje em dia, a questão da desnazificação tomou um rumo prático.

A desnazificação é necessária quando um número considerável da população (muito provavelmente a maior parte dela) foi sujeita ao regime nazi e se envolveu na sua agenda. Isto é, quando a hipótese de “boa gente — mau governo” não se aplica. O reconhecimento deste facto constitui a espinha dorsal da política de desnazificação e de todas as suas medidas, enquanto que o próprio facto constitui o seu objecto.

Esta é a situação em que a Ucrânia se encontra. O facto de o eleitor ucraniano ter escolhido entre a “paz Poroshenko” e a “paz Zelenskyy” não deve iludir: Os ucranianos estavam bastante satisfeitos com o caminho mais curto para a paz através de uma blitzkrieg, que foi fortemente aludida pelos dois últimos presidentes ucranianos quando foram eleitos. Este foi o método utilizado para “pacificar” os antifascistas locais em Odessa, Kharkiv, Dnipro [o original da RU utiliza o antigo nome da cidade “Dnipropetrovsk”], Mariupol, e outras cidades russas — o método do terror total. E os ucranianos comuns estavam bem com ele. A desnazificação é um conjunto de ações destinadas à maioria da população nazificada, que tecnicamente não pode ser punida diretamente como criminosos de guerra.

Os nazis que pegaram em armas devem ser destruídos no campo de batalha, o maior número possível deles. Não deve ser feita qualquer distinção significativa entre as Forças Armadas da Ucrânia e os chamados “batalhões nacionalistas”, bem como a Defesa Territorial, que se juntaram aos dois outros tipos de unidades militares. Todos eles são igualmente cúmplices da violência horrenda contra civis, igualmente cúmplices do genocídio do povo russo, e não cumprem as leis e costumes da guerra. Os criminosos de guerra e os nazis ativos devem ser punidos de forma a darem um exemplo e uma demonstração. Deve ser conduzida uma purificação total. Todas as organizações envolvidas em ações nazis devem ser eliminadas e proibidas. No entanto, para além das fileiras mais elevadas, um número significativo de pessoas comuns é também culpado de serem nazis passivos e cúmplices nazis. Apoiaram as autoridades nazis e fizeram favores a elas. Uma punição justa para esta parte da população só pode ser possível através de suportar as inevitáveis dificuldades de uma guerra justa contra o sistema nazi, travada da forma mais cuidadosa e parcimoniosa possível, em relação aos civis. A maior desnacionalização desta parte da população tomará a forma de reeducação através de repressões ideológicas (supressão) dos paradigmas nazis e de uma dura censura não só na esfera política mas também nas esferas da cultura e da educação. Foi através da cultura e da educação que a nazificação generalizada e em larga escala da população foi conduzida, assegurada pelas garantias de dividendos da vitória do regime nazi sobre a Rússia, pela propaganda nazi, violência interna e terror, e pela guerra de 8 anos contra o povo de Donbas, que se rebelou contra o nazismo ucraniano.

A desnazificação só pode ser conduzida pelo vencedor, o que significa (1) o seu controlo incondicional sobre o processo de desnazificação e (2) a autoridade que pode assegurar esse controlo. Para este fim, um país que está a ser desnazificado não pode possuir soberania. O Estado desnazificador, a Rússia, não pode adoptar uma abordagem liberal em relação à desnazificação. A ideologia do desnazificador não pode ser contestada pelo culpado que está a ser desnazificado. Quando a Rússia admite que a Ucrânia precisa de ser desnazificada, admite essencialmente que o cenário da Crimeia não pode ser aplicado a toda a Ucrânia. Com toda a justiça, este cenário também não foi possível no insurgente Donbas em 2014. Apenas a rebelião de 8 anos contra a violência e o terror nazis conseguiu resultar numa unificação interna e numa recusa deliberada, explícita e em larga escala de manter qualquer associação ou relação com a Ucrânia, que se identificou como uma comunidade nazi.

O período de desnazificação não pode levar menos de uma geração que tem de nascer, ser educada e amadurecer sob as condições da desnazificação. A nazificação da Ucrânia dura há mais de 30 anos — começando já em 1989, quando o nacionalismo ucraniano recebeu formas legais e legítimas de auto-expressão política e liderou o movimento pela “independência”, estabelecendo um rumo para o nazismo.

A atual Ucrânia nazificada é caracterizada pela sua falta de forma e ambivalência, o que lhe permite disfarçar o nazismo como a aspiração à “independência” e o caminho “europeu” (ocidental, pró-americano) do “desenvolvimento” (na realidade, à degradação) e afirmar que “não há nazismo” na Ucrânia, “apenas alguns incidentes esporádicos”. De facto, não há um partido nazi principal, nenhum Führer, nenhuma lei racial de pleno direito (apenas uma versão reduzida sob a forma de repressão contra a língua russa). Como resultado — nenhuma oposição ou resistência contra o regime.

No entanto, tudo o que foi mencionado acima não faz do nazismo ucraniano uma “versão leve” do nazismo alemão da primeira metade do século XX. Muito pelo contrário: uma vez que o nazismo ucraniano está livre de tais normas e limitações de “género” (que são essencialmente um produto de tecnologias políticas), pode propagar-se livremente como uma base para qualquer nazismo — tanto europeu como, na sua forma mais desenvolvida, para o racismo americano. É por isso que não pode haver compromisso durante a desnazificação, como no caso da fórmula “não à NATO, sim à UE”. O Ocidente coletivo é em si mesmo o arquiteto, fonte e patrocinador do nazismo ucraniano, enquanto os apoiantes do banderismo da Ucrânia Ocidental e a sua “memória histórica” são apenas uma das ferramentas da nazificação da Ucrânia. O ucronazismo representa uma ameaça muito maior para o mundo e a Rússia do que a versão hitleriana do nazismo alemão.

Aparentemente, o nome “Ucrânia” não pode ser mantido como título de qualquer entidade estatal totalmente desnazificada no território libertado do regime nazi. As repúblicas populares, recentemente criadas nos territórios livres do nazismo, devem e irão desenvolver-se com base em práticas de auto-governo económico e de segurança social, restauração e modernização dos sistemas de serviços essenciais para a população.

A sua direcção política não pode ser neutra na prática: a redenção da sua culpa perante a Rússia por tratá-la como um inimigo só pode manifestar-se confiando na Rússia nos processos de restauração, renascimento e desenvolvimento. Nenhum “Plano Marshall” pode ser permitido nestes territórios. Não pode ser possível uma “neutralidade” no sentido ideológico e prático compatível com a desnazificação. Indivíduos e organizações que se vão tornar instrumentos de desnazificação nas novas repúblicas desnazificadas não podem deixar de contar com o apoio directo de organização e de força da Rússia.

A desnazificação incluirá inevitavelmente a desucrainização — a rejeição da inflação artificial em larga escala da componente étnica na auto-identificação da população dos territórios históricos de Malorossiya e Novorossiya, que foi iniciada pelas autoridades soviéticas. Sendo um instrumento da superpotência comunista, este etnocentrismo artificial não foi deixado por reclamar após a sua queda. Foi transferido no seu papel subserviente para uma superpotência diferente (o poder acima dos Estados) — a superpotência do Ocidente. Precisa de ser reconduzido dentro dos seus limites naturais e despojado da sua funcionalidade política.

Ao contrário, por exemplo, da Geórgia ou dos Estados Bálticos, a história provou ser impossível à Ucrânia existir como um Estado-nação, e quaisquer tentativas de “construir” um tal Estado-nação conduzem naturalmente ao nazismo. O ucranismo é uma construção artificial anti-russa que não tem substância civilizacional própria, um elemento subordinado de uma civilização estranha e alienígena. A desnacionalização por si só não será suficiente para a desnazificação: o elemento banderista é apenas uma mão e um ecrã, um disfarce para o projeto europeu da Ucrânia nazi, razão pela qual a desnazificação da Ucrânia significa a sua inevitável deseuropeização.

As elites banderistas devem ser eliminadas; a sua reeducação é impossível. O “pântano” social, que os tem apoiado ativa e passivamente através da ação e da inação, deve passar pelas dificuldades da guerra e interiorizar a experiência vivida como uma lição histórica e a redenção da sua culpa. Aqueles que não apoiaram o regime nazi e sofreram com ele e com a guerra que começou em Donbas devem ser consolidados e organizados, devem tornar-se a espinha dorsal das novas autoridades, o seu enquadramento vertical e horizontal. A história tem mostrado que as tragédias e dramas do tempo da guerra beneficiam os povos que foram tentados e levados pelo seu papel de inimigos da Rússia.

A desnazificação como objetivo da operação militar especial dentro dos limites da própria operação significa uma vitória militar sobre o regime de Kiev, a libertação dos territórios dos apoiantes armados da nazificação, a eliminação dos nazis de linha dura, a prisão dos criminosos de guerra, e a criação de condições sistémicas para uma maior desnazificação em tempo de paz.

Estes últimos, por sua vez, devem começar com o estabelecimento de governos locais, milícias e instituições de defesa, limpos dos elementos nazis, o lançamento com base nos seus processos constituintes para criar um novo Estado republicano, a integração deste Estado na estreita cooperação com a agência russa de desnazificação da Ucrânia (recentemente estabelecida ou reorganizada com base na desnazificação, por exemplo, Rossotrudnichestvo), a adoção do quadro regulamentar republicano (legislação) sobre desnazificação sob controlo russo, a definição de fronteiras e quadros para a aplicação direta do direito russo e da jurisdição russa no território libertado no que diz respeito à desnazificação, a criação de um tribunal para crimes contra a humanidade na antiga Ucrânia. A este respeito, a Rússia deveria atuar como guardiã dos Julgamentos de Nuremberga.

Tudo isto significa que, para alcançar os objetivos da desnazificação, é necessário o apoio da população, bem como a sua transição para o lado russo após a sua libertação do terror, violência e pressão ideológica do regime de Kiev, e após a sua retirada do isolamento informativo. Naturalmente, levará algum tempo para que as pessoas recuperem do choque das hostilidades militares, para se convencerem das intenções a longo prazo da Rússia, o que significa que “não serão abandonadas”. É impossível prever exatamente em que territórios uma tal massa da população constituirá uma maioria criticamente necessária. A “província católica” (Ucrânia Ocidental, constituída por cinco oblastos) dificilmente se tornará parte dos territórios pró-russos. A linha de exclusão, no entanto, será encontrada experimentalmente. Atrás da linha, uma Ucrânia forçosamente neutra e desmilitarizada permanecerá, com o nazismo formalmente proibido e hostil à Rússia. É para aqui que irão os detratores da Rússia. A ameaça de uma continuação imediata da operação militar em caso de não cumprimento dos requisitos enumerados deve tornar-se uma garantia da preservação desta Ucrânia obsoleta num estado neutro. Talvez isto exija uma presença militar russa permanente no seu território. Desde a linha de exclusão até à fronteira russa, haverá um território de potencial integração na civilização russa, que é inerentemente anti-fascista.

A operação de desnazificação da Ucrânia, que começou com uma fase militar, seguirá a mesma lógica de fases em tempo de paz que durante a operação militar. Em cada fase, será necessário conseguir mudanças irreversíveis, que se tornarão os resultados da fase correspondente. Neste caso, as etapas iniciais necessárias da desnazificação podem ser definidas da seguinte forma:

• A eliminação das formações armadas nazis (o que significa quaisquer formações armadas da Ucrânia, incluindo as Forças Armadas da Ucrânia), bem como as infraestruturas militares, informativas e educativas que asseguram a sua atividade;

• O estabelecimento de instituições e milícias de auto-governo popular (defesa e aplicação da lei) dos territórios libertados para proteger a população do terror dos grupos nazis subterrâneos;

• A instalação do espaço de informação russo;

• A apreensão de materiais educativos e a proibição de programas educativos a todos os níveis que contenham diretrizes ideológicas nazis;

• Investigações em massa destinadas a estabelecer a responsabilidade pessoal por crimes de guerra, crimes contra a humanidade, a difusão da ideologia nazi, e o apoio ao regime nazi;

• Purificação, tornando públicos os nomes de cúmplices do regime nazi, envolvendo-os em trabalhos forçados para restaurar as infraestruturas destruídas como castigo pelas atividades nazis (de entre aqueles que não foram sujeitos à pena de morte ou à prisão);

• A adopção a nível local, sob a supervisão da Rússia, de actos normativos primários de desnazificação “a partir de baixo”, uma proibição de todos os tipos e formas de renascimento da ideologia nazi;

• O estabelecimento de memoriais, sinais comemorativos, monumentos às vítimas do nazismo ucraniano, perpetuando a memória dos heróis da luta contra ele;

• A inclusão de um conjunto de normas anti-fascistas e de desnazificação nas constituições das novas repúblicas populares;

• A criação de instituições permanentes de desnazificação por um período de 25 anos.

A Rússia não terá aliados na desnazificação da Ucrânia. Porque se trata de um assunto puramente russo. E também porque não é apenas a versão de Bandera da Ucrânia nazi que será erradicada. O processo irá também, e acima de tudo, afetar o totalitarismo ocidental, os programas impostos de degradação e desintegração civilizacional, os mecanismos de subjugação sob a superpotência do Ocidente e dos Estados Unidos.

A fim de pôr em prática o plano de desnazificação da Ucrânia, a própria Rússia terá finalmente de se separar das ilusões pró-europeias e pró-ocidentais, reconhecer-se como a última autoridade na proteção e preservação dos valores da Europa histórica (o Velho Mundo) que merecem ser preservados e que o Ocidente acabou por abandonar, perdendo a luta por si próprio. Esta luta continuou ao longo do século XX e encontrou a sua expressão na guerra mundial e na revolução russa, que estavam inextricavelmente ligadas umas às outras.

A Rússia fez todo o possível para salvar o Ocidente no século XX. Implementou o principal projecto ocidental que constituía uma alternativa ao capitalismo, que derrotou os Estados-nação — o projeto vermelho socialista. Esmagou o nazismo alemão, uma descendência monstruosa da crise da civilização ocidental. O último acto do altruísmo russo foi a sua mão estendida de amizade, pela qual recebeu um golpe monstruoso nos anos 90.

Tudo o que a Rússia fez pelo Ocidente, fê-lo à sua própria custa, fazendo os maiores sacrifícios. O Ocidente acabou por rejeitar todos estes sacrifícios, desvalorizou a contribuição da Rússia para a resolução da crise ocidental, e decidiu vingar-se da Rússia pela ajuda que tinha prestado desinteressadamente. A partir de agora, a Rússia seguirá o seu próprio caminho, não se preocupando com o destino do Ocidente, confiando noutra parte do seu património — a liderança no processo global de descolonização.

Como parte deste processo, a Rússia tem um elevado potencial para parcerias e alianças com países que o Ocidente oprimiu durante séculos e que não vão voltar a colocar no seu jugo. Sem o sacrifício e a luta russa, estes países não teriam sido libertados. A desnazificação da Ucrânia é ao mesmo tempo a sua descolonização, que a população da Ucrânia terá de compreender quando começar a libertar-se da intoxicação, tentação, e dependência da chamada escolha europeia.

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A palavra proibida

Porque sobrevive Freud

Vidas