Mau Sexo

Podem as mulheres salvar-se do mau sexo? “Encontrar os seus desejos é um processo consciente”. A autora de “Mau Sexo” Nona Willis Aronowitz discute com Salon porque é que a libertação sexual é tão fugidia.

Por Amanda Marcotte. Tradução do artigo em Salon, 3/9/2022.

Mau sexo: Todos já o tiveram, embora poucas pessoas se sintam suficientemente seguras para falar nisso.

Para as mulheres que fazem sexo com homens, o mau sexo é, francamente. um problema crónico, um problema que infecta todo o tipo de encontros, desde a clássica aventura de uma noite até ao casamento a longo prazo. Não é suposto ser assim, escreve a editora da Teen Vogue Nona Willis Aronowitz no seu novo livro “Bad Sex: Truth, Pleasure, and an Unfinished Revolution” [Mau Sexo: Verdade, prazer e uma revolução inacabada]. “O sexo nunca foi tão normalizado, o feminismo nunca foi tão popular, as relações românticas nunca foram tão maleáveis — no entanto, ainda não transcendemos os vínculos que fazem o sexo e o amor correrem mal”.

“É inegável que a monogamia funciona melhor para algumas pessoas... mas isso, por si só, não significa que haja qualquer boa razão para que a monogamia seja o padrão”

Usando o seu próprio casamento falhado como ponto de partida, Nona Willis Aronowitz escava a sua própria vida, as experiências da família e dos amigos e a própria história, para explorar as várias formas como as mulheres procuraram — e muitas vezes não encontraram — a satisfação sexual. O resultado é ao mesmo tempo estimulante e legível, embora a franqueza de Nona Willis Aronowitz tenha provocado muitas respostas desconcertantes. O desejo sexual é, afinal de contas, um assunto confuso e frequentemente contraditório. Mas, como as explorações de Nona Willis Aronowitz sugerem, essa pode ser mesmo a razão pela qual se mantém tão convincente para as pessoas — mesmo quando não é satisfatório para nós.

Nona Willis Aronowitz falou com Salon sobre o seu novo livro e a na/tureza muitas vezes fugidia da satisfação sexual. Esta entrevista foi editada para melhor duração e clareza.

Preparando-me para esta entrevista, li algumas críticas ao seu livro, e fiquei impressionada com o tom defensivo de muitas delas. Muitos críticos ficaram tão agarrados a tentar argumentar que a monogamia não torna alguém pouco fixe, que perderam o objetivo do livro. Literalmente, há só um capítulo sobre a não-monogamia, embora obviamente esse facto da sua vida seja costurado ao longo do livro. Acha que o seu livro tem algo de útil para dizer a pessoas monógamas chatas?

Muitas pessoas têm comentado esse capítulo como se se tratasse de uma defesa total da não-monogamia, quando na realidade é apenas um argumento contra a omissão da monogamia. Penso que é inegável que a monogamia funciona melhor para algumas pessoas. Ou não sentem realmente a vontade de ter sexo com outras pessoas, ou podem ter a vontade, mas reconhecem só que lidar com os seus próprios sentimentos de ciúme e insegurança é demasiado perturbador.

Eu compreendo essas razões! É perturbador. Lidar com o ciúme é extremamente difícil porque há tantas razões, tanto interiorizadas pela cultura como talvez intrínsecas, que nos levam a sentir ciúmes. Mas isso, por si só, não significa que haja qualquer boa razão para que a monogamia seja o padrão, dado que tantas pessoas enganam os seus parceiros e têm vontade de querer engatar outras pessoas ou ter relações com outras pessoas.

Sei de que críticas está a falar. Sinto que tornaram o meu ponto de vista ainda mais forte, porque se sentem muito protetores em relação ao conceito de monogamia. Há mensagens culturais muito fortes, especialmente dirigidas às mulheres, de que a monogamia é preferível e até o nosso desejo secreto. E penso só que muitas dessas mensagens culturais penetram na nossa consciência, pelo que não há forma de saber se esses desejos são intrínsecos. E não há maneira de saber se algum desejo é intrínseco, na verdade.

“A reação contra o sexo casual e a positividade sexual neste momento esquece que, uma vez que se entrou numa relação comprometida, há todo o tipo de expectativas patriarcais à espera do outro lado.”

Para responder à sua pergunta sobre o que as pessoas monógamas podem aprender com esse capítulo sobre não-monogamia, penso que devem interrogar ativamente os seus desejos, em vez de se limitarem a cair num padrão por defeito cultural. Encontrar os seus desejos é um processo consciente — por vezes realmente confuso e difícil, mas, na minha opinião, necessário. E penso que isso também é verdade para as pessoas heterossexuais. É preciso reivindicar altivamente a heterossexualidade, da mesma forma, penso eu, que é preciso reivindicar ativamente a monogamia. Na minha opinião, as posições por defeito não realizam plenamente os desejos.

A sua mãe (a crítica de rock e escritora feminista Ellen Willis) é uma grande influência sobre este livro. Ela era conhecida em grande parte pelos seus debates com feministas anti-pornografia nos anos 80. Uma coisa que me impressiona é que ninguém nas guerras sexuais feministas dos anos 80, nem do lado pró-sexo nem o outro lado, estava tão preocupado com a diferença entre sexo casual e sexo comprometido. Andrea Dworkin não achava que o sexo heterossexual fosse menos explorador se o seu parceiro se casasse consigo ou dissesse que a amava. Ela dizia que o romance também era mau.

No entanto, de alguma forma, o debate sexual feminista transformou-se realmente num debate sobre se se é ou não mais empoderador ser indiferente, o que se chama Equipa Casual, ou mais exigente, a chamada Equipa Intensa. O que pensa dessa mudança?

As feministas da Segunda Vaga estavam muito mais próximas das opressões evidentes do casamento antiquado. Agora o casamento e as relações comprometidas melhoraram muito, na minha opinião, de uma perspetiva feminista, embora ainda tenham um longo caminho a percorrer. Há também muito sexo casual, e é menos estigmatizado. Entretanto, o casamento e as relações comprometidas estão na realidade a tornar-se menos comuns, por várias razões. E por isso, penso que muitas mulheres que estão a passar pelo espremedor do Tinder, e encontros na universidade, e sexo casual despreocupado, olham para as relações comprometidas e desejam-nas realmente, e eu não quero negar os desejos das mulheres.

Estive em relações comprometidas que foram maravilhosas, incluindo o casamento sobre o qual escrevo no livro. Tive muitos momentos bonitos, e o apoio e a lealdade que recebi dessa relação foram maravilhosos. Estou numa relação empenhada neste momento, que também acho ótima. Por isso, não estou a falar de relações empenhadas em geral. Mas a reação contra o sexo casual e a positividade sexual neste momento esquece que, uma vez que se entrou numa relação comprometida, há todo o tipo de expectativas patriarcais à espera do outro lado. Pessoas como Andrea Dworkin, chegaram à idade adulta antes da revolução sexual e antes do feminismo. Por isso, sabiam muito bem como o casamento opressivo poderia ser esta ideia de, para citar Andrea, “homens possuidores de mulheres”.

“Os misóginos woke são um subconjunto dos fuck boys, embora eu não pense necessariamente que eles sejam alérgicos a conversas emocionais. Na verdade, é isso que os torna tão perigosos.”

É em parte por isso que não foi um debate sobre sexo casual versus compromisso, embora eu pense que houve um debate sobre sexo anónimo versus sexo amoroso. Elas lembravam-se muito claramente de como era ser esposa nos anos 50, o que era muitas vezes um pesadelo.

Honestamente, continua a ser um pesadelo para muitas pessoas. O que eu gostei no seu livro foi que trouxe de volta esse espaço. Falou de sexo em relações comprometidas e de sexo casual, e descobriu que ambos estão repletos das mesmas questões que afligiam as feministas da Segunda Vaga.

Não queria mesmo que um fosse privilegiado em relação ao outro. Penso que ambos têm os seus problemas, e são problemas muito diferentes.

No entanto, quero falar sobre fuck boys. Ouve-se muito o termo, e penso que muitas pessoas não sabem necessariamente o que significa, especialmente quando são Gen X ou mais velhas. Eles aparecem muitas vezes no seu livro. Nem sempre lhes chamamos fuck boys, mas eu diria que os identifico como tal, tanto nas secções históricas como de uma forma geral. Então, para os nossos leitores, o que é o fuck boy? Porque é que eles são tão chatos?

Penso que uma definição de fuck boy é um homem com quem se tem uma relação sexual, mas também um tipo de relação emocional nebulosa. E ele é de certa forma um vampiro emocional, tentar obter de si apoio emocional, mas negligencia fazê-lo ele próprio. E é caprichoso. É alérgico ao compromisso e à comunicação aberta. Muitas vezes, não está disposto a ser exclusivo consigo, mas também fica com ciúmes se se relacionar com outras pessoas. Algumas ou todas essas características, eu atribuiria aos fuck boys. São todos muito indulgentes emocionalmente para o seu lado, mas cheios de espinhos quando uma mulher exibe a sua própria profundidade emocional.

Há muita sobreposição com o seu conceito de misógino woke, que são estes rapazes que sentem que evoluíram, têm opiniões progressistas sobre género e sexualidade, mas nadam de tal forma no privilégio masculino que não conseguem deixar de sentir-se cheios de direitos.

Os misóginos woke são um subconjunto dos fuck boys, embora eu não pense necessariamente que sejam alérgicos a conversas emocionais. Na verdade, é isso que os torna tão perigosos. Pensam que são tão inteligentes emocionalmente. Sente-se no início que se pode sentir vulnerável com eles, e depois é um pouco de isco e anzol. Há muitos tipos diferentes de misóginos woke, mas penso que os homens que estão a adotar uma postura feminista e depois de alguma forma agem como sexistas ou misóginos sabem que as mulheres procuram um maior envolvimento emocional por parte dos homens. E, por isso, a modos que o oferecem com frequência. Por isso, isso pode ser uma distinção.

Este livro tem um formato interessante. Alterna entre a sua própria vida pessoal e a sua própria exploração, discussões sobre as provações e tribulações dos seus amigos e família. E depois. algumas das narrativas mais históricas que remontam, honestamente, a séculos atrás, em alguns casos, de mulheres que passaram por lutas semelhantes com o que se chama mau sexo. Porque decidiu optar por esse formato?

Bem, decidi fazer disto uma memória porque tenho um arco narrativo muito claro: uma viagem de ser infeliz, depois passar por muitas coisas diferentes, e depois estar um pouco em paz no final. Embora eu não diria que há um felizes para sempre no final, porque, como digo no livro, a sexualidade é uma coisa impossível de se fixar, e vai ser sempre um alvo em movimento e uma cenoura a balançar, sempre fora do seu alcance. Mas tentar alcançá-la continua a ser muito importante.

“Só temos de aceitar que encontrar o nosso desejo é mesmo um processo ativo e sê-lo-á para o resto da nossa vida”.

Foi por isso que quis fazer disto uma memória, mas sem deixar de colocar aí a história, porque fazia realmente parte da minha viagem. Eu estava a ler muita história na altura em que estava a passar por todo este tumulto emocional. Estava a ler muito do trabalho da minha mãe. Penso que a minha educação feminista precoce, como resultado de ser sua filha, e também o simples interesse pelo tema, me ligaram muito às gerações anteriores de feministas, e sempre as procurei para ter orientação e conselhos. E isto não foi exceção, porque as feministas tinham realmente lidado muito diretamente com estas questões.

Nona Willis Aronowitz

Se eu ia escrever uma memória, a história tinha de fazer parte dela. É central para a minha compreensão de quem sou como mulher, e como feminista, e como alguém que deseja a realização sexual e romântica. Portanto, não foi fácil alternar entre os dois e realmente os três, porque era também a história da minha mãe. Na verdade, foi uma das coisas mais difíceis que tive de fazer — em termos de escrita, mas senti que não não podia deixar de fazê-lo.

Uma coisa em que eu não parava de pensar, quando você falava de sexo, é este estar-se a tentar alcançar uma liana que nunca se vai conseguir agarrar. Há realmente duas questões aqui. Há os problemas que as mulheres enfrentam para encontrar satisfação sexual, porque vivemos num mundo que, ou nos envergonha por isso ou, pelo menos, não valoriza os desejos das mulheres. Mas há também o paradoxo do desejo sexual: se de facto encontramos satisfação, já não sentimos desejo.

Tenho mesmo de reconhecer o que diz, ou seja, que por vezes, se se tem desejos não satisfeitos, eles podem tornar-se muito mais fortes. Eu estava neste tipo de estado de perpétua tesão durante o meu casamento, porque me sentia constantemente insatisfeita sexualmente. E por isso o sexo parecia tão, tão, tão importante, porque eu não estava satisfeita, e podia sentir-me a tentar alcançar outra coisa. E quando tive encontros sexuais que eram bons durante esse tempo, eles mostravam-se tão reveladores, e eu não conseguia viver sem eles.

Mas quando os nossos desejos são satisfeitos, por vezes não os ansiamos tanto. E penso que me dei conta, especialmente, ao estar com um parceiro com o qual me liguei sexualmente no início, e mais tarde com o qual me liguei emocionalmente. Ainda penso que temos uma boa ligação sexual, mas passando por uma pandemia, e depois por uma gravidez, e agora três meses de imersão total no pós-parto, não posso dizer que tenho o mesmo desejo que tinha de satisfação sexual que tinha quando estava num casamento que não tinha esse elemento. Era uma tal prioridade porque eu não a tinha.

Penso que temos que aceitar que encontrar o desejo é mesmo um processo ativo e sê-lo-á para o resto da nossa vida. Nunca será algo que se possa apreender e captar. Tem de se estar constantemente a reavaliar. Algumas pessoas conseguem, mas muitas pessoas não podem simplesmente continuar a procurar o mesmo ato sexual, ou o mesmo tipo de pessoas, ou o mesmo tipo de relação durante anos a fio.

Não acontece só a dinâmica de que acabámos de falar, que é a de que agora que os nossos desejos estão realizados, já não há esta ânsia. Já não é esta tarefa urgente, mas também é que as circunstâncias da nossa vida mudam. Penso que a minha própria identidade mudou várias vezes durante a linha temporal deste livro, e desde que o terminei, mudou mais algumas vezes. Estar confortável com a mudança é a chave autêntica.

Voltemos a essas críticas defensivas. Penso que muita dessa defensividade tem as suas raízes precisamente neste medo de mudança, de que nós e os nossos desejos mudam ao longo do tempo. É um medo compreensível, porque muito depende da manutenção de uma versão estável de nós próprios. Mas tem razão. Estamos sempre a mudar. E como é que as pessoas podem fazer um melhor trabalho, abraçando isso e sentindo-se confortáveis com isso?

Para além do facto de que estamos a mudar, também temos de reconhecer que os nossos desejos são compostos por muitas influências diferentes. E penso que é aí que as pessoas ficam na defensiva, e é aí que as pessoas se sentem ameaçadas, quando se tenta dizer-lhes que os seus desejos podem ser constituídos por muitas pressões inconscientes, e expectativas, e normas. E isso não é necessariamente uma coisa má. Penso que se interrogarmos ativamente os nossos desejos, e se descobrirmos algo que se alinhe com a cultura dominante, como a monogamia, por exemplo, tudo bem, desde que tenhamos feito um interrogatório consciente. Penso que é a mesma coisa com o feminismo em geral. Se se decidir ficar em casa, por exemplo, e se pensar realmente nas razões disso, e decidiu pessoalmente que isso a vai fazer feliz, não há razão para não o fazer.

Mas há também uma razão para reconhecer que se alinha com as expectativas patriarcais, e vale a pena reconhecer que muitos homens não fariam a mesma escolha. E porque é que está necessariamente a fazer esta escolha, e quais são todas as influências envolvidas nessa escolha? Penso que é a mesma coisa com o sexo. É tipo, porreiro. Deseja-se monogamia, ser monogâmico, mas é preciso reconhecer que existem razões pelas quais as mulheres são socializadas para querer um compromisso de uma forma que os homens não querem. E, honestamente, é só um facto, e pode senti-lo como o seu desejo mais carnal. Mas muito raramente existe tal pureza nos nossos desejos, e isso é verdade sexualmente e romanticamente.

Falo, no último capítulo do meu livro, de preocupar-me mesmo com o prazer dos homens e de ser um pouco indiferente aos meus próprios orgasmos. Os orgasmos durante o sexo não são necessariamente uma grande prioridade minha. Na verdade, a expectativa deles pode ser uma espécie de distração e afastar-me do momento. Nunca saberei se isso se deve ao facto de ter sido socializada para dar realmente prioridade ao prazer dos homens, ou porque é assim que a minha sexualidade funciona. E penso que com os homens, se dizem que se excitam com o prazer da sua parceira, são elogiados, e as pessoas acreditam piamente. E as pessoas dizem, uau, que gajo woke. Mas se uma mulher diz algo do género, presume-se que está a enganar-se a si própria.

Sei instintivamente que são os meus desejos, mas também são claramente moldados por expectativas culturais, e poderiam ser de todo mecanismos de sobrevivência para a forma como o mundo funciona. E penso que até a minha heterossexualidade pode ser assim, e não há mesmo forma de saber. E penso que abraçar isso é ainda mais difícil do que abraçar a mudança, porque saber no fundo o que se quer, e mesmo assim não ser capaz de o desenredar da sociedade, é realmente frustrante e humilhante, mas é necessário. É uma tarefa quase impossível ter desejos no vácuo, e é por isso que penso que as pessoas ficam mais defensivas do que sobre a questão da mudança.

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A palavra proibida

Porque sobrevive Freud

Vidas