Refugiados ou deportados?

A perigosa viagem de uma família ucraniana através dos 'campos de filtragem' russos

Mais uma reportagem sobre as experiências de ucranianos deportados à força pelas tropas russas, esta do site POLITICO: One Ukrainian family’s perilous journey through Russia’s ‘filtration camps’ , por Christopher Miller.

Para muitos residentes de Mariupol, o ataque brutal da Rússia contra a cidade foi apenas o começo. A seguir vieram os interrogatórios, humilhações, abusos e deportações forçadas.

Oksana estava mesmo a terminar o seu café na manhã de 24 de Fevereiro, quando as bombas começaram a chover sobre Mariupol.

Ela tinha ouvido os rumores de uma potencial invasão russa. “Mas todos pensavam que era apenas uma espécie de pânico. Não compreendíamos o perigo”, disse. “Durante os últimos oito anos ouvimos os sons distantes dos tiros e compreendemos que já estávamos em guerra”.

Esboços feitos por Marina M., uma residente de Mariupol, retratando como era a vida da sua família num abrigo anti-bombas e num campo de filtragem russo em Fevereiro e Março de 2022. Uma chávena de café transformada em candeeiro de petróleo forneceu luz depois de a electricidade se ter apagado nos abrigos anti-bombas. Um esboço datado de 11 de Março, mostra uma cadeira virada para uma prateleira com suprimentos básicos. Uma vela. | Marina M.

Mariupol tinha sido o alvo das forças russas em 2014, quando o presidente Vladimir Putin invadiu pela primeira vez, utilizando forças especiais e ajudantes separatistas para ocupar uma faixa de território do tamanho dos distritos de Évora, Beja e Faro. Viu então alguns combates nas ruas e foi atingido por uma devastadora barragem de mísseis em Janeiro de 2015. Mas nos anos que se seguiram, Mariupol tinha estado largamente fora do campo de tiro, uma vez que a fase quente da guerra deu lugar a uma batalha de atrito. Os residentes tinham ficado relativamente confortáveis a viver ao lado de uma linha da frente estática. “Nós encolhemos os ombros, por assim dizer”, disse Oksana.

Mas no dia 24 de Fevereiro, ela percebeu que era diferente. Em breve, os jactos russos estavam a voar por cima. À medida que os bombardeamentos se intensificavam, Oksana – que, tal como as outras pessoas nesta história, solicitou que os apelidos não fossem utilizados – preocupou-se com a segurança das suas filhas. O seu ex-marido telefonou e sugeriu que todos se encontrassem no edifício de apartamentos dos seus pais, que foi construído após a Segunda Guerra Mundial e tinha paredes sólidas e uma cave. Pegaram em alguns objectos pessoais no meio das explosões e fugiram.

Mas não se sentiram seguras lá. Quando souberam que as pessoas se estavam a reunir num abrigo antibombas fortificado sob o edifício da Casa da Cultura do bairro, decidiram mudar-se.

Edifícios de apartamentos vistos em Mariupol, quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2022, o dia em que a Rússia lançou a sua invasão total da Ucrânia. | Sergei Grits/AP Photo

Dois dias depois, nas salas subterrâneas do edifício, encontrou outros membros da sua família, incluindo a sua sobrinha Daria de 24 anos, juntamente com cerca de 60 outras pessoas. Não o sabiam na altura, mas todos eles passariam as três semanas seguintes no abrigo frio, na calada do Inverno, sem uma única vez virem lá fora.

A comida e a água eram escassas, disseram as mulheres. Daria disse que a família dependia do seu avô, que tinha sido médico militar na época soviética, para lhes trazer pão e tudo o mais que conseguisse juntar. Juntaram-se para se aquecerem na escuridão, usando uma lanterna para iluminar o abrigo quando a eletricidade se apagava. A irmã mais nova de Daria, Marina, esboçou a sua experiência no seu diário, ilustrando em lápis cinzento a situação escura e aterradora. Durante os dias seguintes, as paredes da Casa da Cultura foram esmagadas com balas de artilharia. Daria temia que o teto desabasse. “Tornou-se claro que este não era um lugar seguro. Eles estavam de facto a visar o edifício”, disse ela.

Daria, uma editora de livros freelancer, disse que os 20 dias que passaram a amontoar um abrigo anti-bombas frio e escuro “foi um pesadelo”.

Mas o que veio depois foi o inferno.

Daria e Oksana disseram ao POLITICO que emergiram do abrigo para encontrar tropas russas recortadas pela primeira luz solar que tinham visto em semanas.

Os soldados amontoaram a sua família com centenas de outros ucranianos em autocarros decrépitos, privaram-nos de comida, água e acesso a casas de banho, e traficaram-nos da sua terra, através de um “campo de filtragem”, e através da fronteira para a Rússia durante vários dias em Março.

Mas a sua provação não acabou aí; enquanto Daria conseguiu escapar da Rússia em poucos dias com a ajuda de ligações locais, Oksana e as suas duas filhas foram levadas para um alojamento temporário mais longe na Rússia, onde os seus captores disseram que deveriam ser “desnazificados”, um termo derivado da justificação falsa do presidente Vladimir Putin para a sua invasão.

“Eles querem simplesmente ver-se livres da Ucrânia e do seu povo”, disse Oksana.

Uma campanha sistemática de deslocação forçada

A sua provação é um microcosmo do que está a acontecer a mais de um milhão de ucranianos nas regiões orientais controladas pela Rússia.

Os soldados do Kremlin estão a reunir os ucranianos nas áreas que ocupam e a metê-los em acampamentos, onde são separados das suas famílias, despojados dos seus documentos pessoais e por vezes das suas roupas, revistados e interrogados por tropas e agentes dos serviços de segurança, e pressionados a incriminar os seus entes queridos e a difamar os militares ucranianos. Muitas vezes, são traficados através da fronteira para complexos vigiados na Rússia a centenas ou por vezes milhares de quilómetros das suas casas, de acordo com vítimas ucranianas, oficiais americanos e ucranianos, e documentos obtidos pelo POLITICO.

Em muitos, se não na maioria dos casos, estas pessoas não querem ser levadas para a Rússia, mas são ameaçadas de violência por tropas armadas, de acordo com as autoridades ucranianas. Além de Daria e Oksana, POLITICO falou com três pessoas que foram deportadas à força e processadas através dos chamados campos de filtragem nas áreas controladas pela Rússia da Ucrânia Oriental, antes de serem levadas através da fronteira e colocadas em vários edifícios, incluindo dormitórios e colónias penais, onde as suas liberdades são restringidas. Confirmaram detalhes sobre os campos de filtragem mas, pediram para não serem citados para esta história porque ainda têm família a residir em Mariupol e outras áreas sob controlo russo e temem pela sua segurança.

Mais de 1.185.000 ucranianos, incluindo 206.000 crianças – das quais 2161 são órfãs – foram levados do leste e sul da Ucrânia para a Rússia, desde o início da invasão de Putin em 24 de Fevereiro, de acordo com Lyudmila Denisova, a provedora dos Direitos Humanos da Ucrânia. Estes números estão estreitamente alinhados com os números da própria Rússia, embora Moscovo tenha reivindicado que a evacuação dos ucranianos foi para sua própria segurança. Apesar das provas em contrário, a embaixada russa em Washington escreveu no Telegram que os campos são “pontos de controlo para civis que abandonam a zona de hostilidades activas”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros Sergei Lavrov disse que, desde finais de Fevereiro, cerca de um milhão de pessoas, incluindo muitas das áreas das regiões de Donetsk e Luhansk que têm estado sob o controlo de Moscovo desde 2014, foram transferidas para a Rússia. Falando à POLITICO numa entrevista, no seu gabinete em Kyiv na semana passada, Denisova chamou ao que a Rússia está a fazer “deportação forçada” e um “crime de guerra”.

Os documentos fornecidos por Denisova ao POLITICO que, segundo ela, foram obtidos pelos serviços secretos ucranianos, pretendem mostrar que a Rússia tinha planos para campos de filtragem e áreas de reinstalação semanas antes da invasão.

Soldados do Exército russo e tropas da “República Popular” de Donetsk sob o seu comando guardam um campo de filtragem em Bezimenne, no leste da Ucrânia, sexta-feira, 6 de Maio de 2022.. | Alexei Alexandrov

Um documento mostra que o prazo para ter os centros de detenção temporária em toda a Rússia em 100% de prontidão era 21 de Fevereiro. Outro documento datado de 26 de Fevereiro, dois dias após a entrada das forças russas na Ucrânia, mostra que 36 locais em todo o território russo estavam preparados para manter pelo menos 33.146 ucranianos em 377 abrigos temporários. Os documentos detalham abrigos localizados em cinco dos oito distritos federais da Rússia, incluindo o Norte do Cáucaso, a Sibéria e o Extremo Oriente. Alguns estão tão longe como a mais de 7000 km de Mariupol, alguns estão acima do Círculo Árctico.

POLITICO não pôde verificar independentemente a autenticidade dos documentos de Denisova, mas o seu conteúdo alinha-se com os serviços secretos dos EUA e de outros governos ocidentais sobre as intenções de Moscovo, bem como relatórios de grupos de direitos humanos reconhecidos internacionalmente – mesmo as próprias figuras governamentais da Rússia.

“Todos estes documentos e relatórios mostram que estas foram ações planeadas, são ações sistemáticas”, disse Denisova. “Isto é um genocídio do povo ucraniano, um crime de guerra”.

O presidente Joe Biden também rotulou as atrocidades da Rússia de genocídio da Ucrânia. “Tornou-se cada vez mais claro que Putin está apenas a tentar acabar com a ideia de ser ucraniano. As provas estão a aumentar”, disse ele no mês passado.

Segundo informações do governo ucraniano, a Rússia continua a deportar à força 15.000 a 25.000 ucranianos de áreas da Ucrânia oriental sob o controlo das forças russas, todos os dias. Para além do benefício de esvaziar cidades e vilas para melhor conduzir a sua guerra na Ucrânia, Denisova acredita que Moscovo quer substituir os residentes ucranianos das cidades sob o seu controlo por russos e preencher algumas das áreas escassamente povoadas da Rússia com ucranianos. Ambas as medidas, disse, destinam-se a “russificar” os ucranianos e a “apagar a nossa identidade nacional”.

Oksana e Daria disseram que a sua experiência prova precisamente isso. Elas falaram com POLITICO pelo Skype da Letónia e da Suécia, respetivamente, onde ambas estão agora seguras após terem escapado da Rússia. A história da sua família proporciona um vislumbre raro dentro da deportação sistemática pela Rússia de ucranianos e dos seus campos de filtragem, ou do que as mulheres e o governo da Ucrânia dizem ser campos de concentração dos tempos modernos. E mostra a excruciante jornada que alguns ucranianos com mais sorte tiveram de percorrer para reconquistar a sua liberdade.

“A primeira vez que vi a luz do sol”.

A 15 de Março, após 20 dias escondidas no abrigo de Mariupol, soldados russos entraram, abriram a porta do abrigo e ordenaram que todas as mulheres e crianças entrassem nos autocarros que estavam à espera no exterior.

“Não me lembro claramente de quantos soldados havia, porque era a primeira vez que via a luz do sol em muitos dias”, disse Daria. Quando os seus olhos finalmente se ajustaram ao brilho, ela foi capaz de ver a destruição à sua volta. “Tudo foi destruído”, disse ela. No caos, uma mulher morreu de ataque cardíaco porque os soldados não lhe quiseram prestar cuidados médicos. Aos homens foi ordenado que ficassem para trás; Daria não sabe o que lhes aconteceu. Os russos até separaram um homem deficiente mais velho da sua mulher.

Denisova, a provedora dos Direitos Humanos, disse que os homens são frequentemente levados para um local separado em áreas ocupadas pela Rússia, onde são revistados e examinados. “Examinam as suas tatuagens” à procura de qualquer coisa que possa sugerir que fazem parte das organizações militares ou nacionalistas ucranianas. Verificam também a existência de calos e contusões nos braços e dedos indicadores, sinais que poderiam indicar que tinham manuseado recentemente uma arma.

“Muitos dos homens estão a ser forçados a fazer trabalhos manuais, incluindo a retirada dos escombros dos edifícios destruídos, retirando cadáveres”, disse Denisova.

No sentido dos ponteiros do relógio, a partir do canto superior esquerdo: Parte do Teatro Dramático de Mariupol é carbonizada depois de ter sido atingido directamente por uma bomba russa a 16 de Março de 2022, quando o teatro foi utilizado como abrigo civil, numa área agora controlada pelas forças russas, na segunda-feira, 4 de Abril de 2022. Os detritos cobrem o interior carbonizado do Teatro Dramático de Mariupol após o ataque. Os trabalhadores de emergência da “República Popular de Donetsk” limpam os escombros no local do edifício do teatro destruído, quinta-feira, 12 de Maio de 2022. | Topo: Alexei Alexandrov, AP Photo; Em baixo: Foto AP

Um lugar onde eles foram postos a trabalhar, disse ela, é no Teatro Dramático Mariupol demolido, onde até 600 pessoas abrigadas na sua cave podem ter sido mortas por um ataque aéreo russo a 16 de Março.

Os autocarros levaram Oksana e as suas filhas – assim como Daria, a sua irmã Marina e a avó das raparigas – para leste de Mariupol. A viagem demorou várias horas. Fora das janelas estava a devastação da guerra: edifícios estilhaçados, pontes destruídas, crateras de mísseis. Pararam na aldeia de Bezimenne, que se traduz como “Sem Nome”, cerca de 24 km a oeste da fronteira russa. Tropas russas, trabalhadores de emergência e agentes do Serviço de Segurança Federal russo, o FSB, estavam à sua espera dentro de uma série de tendas, disseram as mulheres.

Tanto adultos como crianças foram fotografados de vários ângulos, com impressões digitais e da palma da mão, como se estivessem a ser acusados de um crime, disse Daria. Depois, todos foram obrigados a entregar as suas moradas e informações de passaporte.

Tiveram também de desbloquear e entregar os seus telefones, os quais foram ligados a um computador. Todos os seus dados e contactos foram então descarregados, disseram Oksana e Daria. Os russos digitalizaram fotografias e acederam a contas das redes sociais. Tudo foi feito para “verificar” se tinham “ligações com o estado ucraniano ou com pessoal militar”, disse Oksana. Daria disse que lhe perguntaram especificamente se estava afiliada ao Sector Direito, um grupo marginal de militantes de direita que a Rússia afirma falsamente fazer parte de um contingente extremista que controla a Ucrânia.

Oksana disse que as suas filhas também foram interrogadas por agentes do FSB, que estavam particularmente preocupados com algumas fotografias que a sua filha adolescente tinha no telefone, de um concurso de arte em que ficou em segundo lugar, dois anos antes. O concurso foi patrocinado pelo Ministério dos Assuntos Internos da Ucrânia. “Quando encontraram estas fotografias, a pergunta imediata foi: 'Como está relacionada com esta estrutura?’”

Todas elas foram questionadas sobre a guerra. “Perguntaram-nos, de quem é a culpa? Quem está certo e quem está errado?”, disse Oksana.

Uma imagem de satélite mostra o campo de filtragem russo em Bezimenne, 22 de Março de 2022. | Maxar Technologies

O interrogatório durou pela noite dentro e muito depois de estarem exaustas, disseram as mulheres. Algumas pessoas deram respostas de que os russos não gostaram; foram levadas para uma área separada e não voltaram a ser vistas. As mulheres acreditam que foram levadas para a cidade de Donetsk ou outros locais onde os procuradores separatistas locais da Rússia tinham centros de detenção.

Por volta da meia-noite, Oksana e as suas filhas, juntamente com Daria, Marina, e a sua avó, foram colocadas de novo nos autocarros e conduzidos mais para leste, passando pela cidade de Novoazovsk, no escuro da noite. A temperatura estava bem abaixo de zero e elas não tinham consigo cobertores. Recordam-se de tremer de frio nos autocarros gelados. Eram 2:17 da manhã quando chegaram à fronteira russa.

Bem-vindos à Rússia

Outra ronda de interrogatórios começou imediatamente, desta vez por guardas fronteiriços russos. A Daria e Oksana foram feitas perguntas acusatórias sobre o que viram o exército ucraniano destruir, e com que armas. “Claro, eu disse que tínhamos estado sentados no abrigo anti-bombas todos estes dias, por isso não vimos nada, não sabíamos nada”, disse Oksana. Depois de responderem às perguntas, disse Daria, os guardas repetiam-nas numa ordem diferente. “As perguntas eram sempre as mesmas. Estavam só a tentar confundir as pessoas e levá-las a confessar alguma coisa”, disse Oksana.

Cada interrogatório durava entre 30 minutos e uma hora. Havia centenas de pessoas para passar. O interrogatório terminou por volta das 11 horas da manhã, e depois voltaram para os autocarros. A sua próxima paragem foi Taganrog, uma cidade portuária no oblast de Rostov.

Ali, alguns dos ucranianos puderam escolher: se tivessem passado pelos campos de filtragem e interrogatórios sem disparar quaisquer alarmes e tivessem meios para irem sozinhos, poderiam fazê-lo. Daria e a sua irmã Marina conseguiram angariar algum dinheiro através de amigos e de uma rede crescente de voluntários na Rússia, ajudando os ucranianos levados para lá. Foi o suficiente para lhes arranjar um comboio para Moscovo e eventualmente para São Petersburgo. De lá seguiram para Ivangorod, perto da fronteira com a Estónia, onde puderam atravessar para Narva após uma verificação documental de quatro horas, no dia 20 de Março, cinco dias após o início da sua evacuação forçada para leste.

Um esboço de Marina M. mostrando Daria no abrigo anti-bombas, datado de 25 de Fevereiro de 2022. | Marina M.

Os outros ucranianos foram levados para mais longe na Rússia e colocados em instalações de alojamento temporário. Oksana, que tinha deixado o passaporte quando fugiu do seu apartamento, foi separada das suas sobrinhas e forçada a entrar num comboio com as duas filhas, o qual as levou para Moscovo e depois para a cidade de Vladimir, mais de 1500 km a norte de Mariupol.

Quando chegaram, a 19 de Março, foram recebidas por uma horda de jornalistas russos de canais de televisão estatais, ansiosos por mostrar como as autoridades estavam a ajudar os refugiados ucranianos.

“Estávamos cansadas, famintas, sujas, e, claro, sem tomar banho. Estávamos há um mês numa cave, viajámos durante dias, e depois tivemos estas câmaras e microfones metidos à nossa cara”, recordou Oksana. “Senti-me como se estivesse nalgum tipo de jardim zoológico”.

Ela disse que as autoridades locais deram a cada família 10.000 rublos, ou cerca de 140 euros, e disseram-lhes que deviam estar gratos pela ajuda. Oksana e as suas filhas foram escoltadas para um quarto minúsculo que partilhariam durante o mês seguinte.

Durante esse tempo, Oksana disse que sofreram pelo menos mais quatro interrogatórios. Todas as semanas, funcionários de uma agência governamental, incluindo um agente do FSB, vinha fazer-lhes perguntas sobre os seus sentimentos em relação aos militares ucranianos. Uma delas disse-lhe que precisava de inscrever as suas filhas na escola, o que ela relutantemente fez, porque sentiu que elas precisavam de alguma aparência de normalidade após semanas de perturbação.

Mas na escola, disse Oksana, a sua filha mais velha foi provocada pelos estudantes por ser refugiada e dois professores comportaram-se de forma “hostil” para com ela por ser ucraniana. O currículo incluía lições de história revisionista sobre como a Ucrânia não era um país real, mas algo que foi criado pela Rússia, e portanto algo que podia – e devia – ser eliminado.

Um dia, um grupo de soldados russos chegou com uma equipa noticiosa televisiva a reboque e tirou a filha de Oksana da aula. Levaram-na e a alguns outros ucranianos para uma pequena sala onde começaram a pedir-lhes que discutissem como o exército russo os tinha salvo.

“A minha filha ficou histérica depois disso”, disse Oksana. “Ela não queria que lhe fizessem essas perguntas e não queria estar perante as câmaras. Depois usaram estas fotografias na sua propaganda”.

“Depois disso, depois deste incidente, acabei de me aperceber que não haveria vida aqui”, acrescentou ela.

A Rússia documentou os ucranianos que foram levados para os seus campos de filtragem e deu às pessoas que passaram os seus interrogatórios autorizações especiais para se deslocarem em zonas da Ucrânia sob o seu controlo e dentro da Federação Russa.| Lyudmila Denisova, provedora dos Direitos Humanos ucraniana

Fuga para o Ocidente

A 18 de Abril, ela disse às filhos para fazerem as malas. Usando uma autorização especial que lhe tinha sido dada para lhe permitir encontrar trabalho na cidade, ela e as suas filhas deixaram a unidade habitacional, dizendo que iriam visitar parentes distantes nas proximidades.

A 20 de Abril, chegaram a Ivangorod e tentaram atravessar para Narva, seguindo a pista de Daria. Mas os guardas fronteiriços russos rejeitaram-nas porque Oksana não tinha o seu passaporte. Uma segunda tentativa, no dia seguinte, também falhou. Depois de procurar conselhos de um conhecido, conseguiram encontrar outra forma – mas seriam necessários quatro dias, dois comboios e um táxi para as levar em segurança para a Letónia. Oksana pediu para não revelar exatamente como conseguiram escapar à Rússia, por receio de que a revelação da rota possa impedir outros ucranianos de fazer o mesmo.

Oksana, Daria e o resto da família residem agora em segurança na Letónia e na Suécia e são bem tratadas pelos seus países de acolhimento. Dizem que querem regressar à Ucrânia – mas apenas quando for seguro fazê-lo.

“O lar é o lar”, disse Oksana. Porém, recordando o bombardeamento russo de Mariupol, suspirou. “Mas que resta dele?”

 

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Porque sobrevive Freud

Vidas

Didier, o iluminado