28 de julho de 2009

Come-se muito bem no Charnequeiro

Nem sequer é um restaurante, mas um snack-bar, nas Quintinhas, Charneca de Caparica, onde moro. Mas a direcção culinária, a cargo da D. Elvira, coadjuvada pela D. Odete e pela D. Ana, é soberba.

É cozinha portuguesa tradicional nada pretensiosa, mas com um belo equilíbrio de sabores. A massinha de peixe, de entrecosto ou de bacalhau, o frango do campo, o arroz de cabidela, o fricassé, o arroz de pato, o bacalhau à Charnequeiro, atraem aos almoços clientes de cada vez mais longe.

O preço também ajuda: um menu completo, com prato, sobremesa, bebida e café (e creio que também sopa) sai por sete euros.

Fora dos almoços, é uma clientela de bairro, em que quase toda a gente se conhece.

E à tarde pode-se comer uns bons caracóis, uma salada de polvo, às vezes umas amêijoas enormes que algumas fontes garantem ter vindo da Fonte da Telha, outras dizem que isso é um mito, mas lá saborosas são.

O mestre-sala, Romão Soares, nem estava nestas vidas. Dedicava-se à construção naval e às montagens eléctricas. Mas adaptou-se ao lugar com tal sucesso que muitos já não dizem “Estou ao Charnequeiro”, mas: “Estou ao Romão”.

Massinha de peixe

Tirei o retrato a uma massinha de peixe fabulosa que me serviram no outro dia

 

O Charnequeiro é aqui: (Localização no Google Maps)

Rua Eugénio dos Santos, Quintinhas, Charneca de Caparica, Almada
Tel. 212 961 680   E-mail: charnequeiro@gmail.com

 

E eu não devia estar a dizer isto. Qualquer dia nem arranjo mesa para comer…

1 comentário:

  1. Eu comentei a dizer maravilhas mas a informática não gosta de mim...
    Fundamentalmente, lamentei que isto não fosse em Campo de Ourique, Lisboa....
    Mas, quem sabe, um dia... Entretanto, vou recomendando aos amigos...
    Bons petiscos!
    Clara Correia

    ResponderEliminar

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.