2020-04-14

Porque se tornou a religião conservadora um vetor de doença?

Valerie Tarico

Valerie Tarico

13 de abril de 2020 — Valerie Tarico (tradução)

Os crentes religiosos estão a espalhar o coronavírus através dos mesmos mecanismos que espalham a própria religião.

Que se passa com a religião e o COVID-19? Nos EUA, líderes cristãos conservadores lutaram para ser isentados dos limites de saúde pública nas reuniões sociais. Estado após estado, os governadores confrontados com acusações de violação da liberdade constitucional de expressão, cederam, redefinindo a religião como "atividade essencial".

No final de março, para citar um exemplo, 1800 pentecostais da Louisiana compareceram na manhã de domingo, depois do pastor Tony Spell prometer que curaria todos os membros doentes através de Deus. Mais de 1000 voltaram em pessoa na Páscoa. Embora a maioria das igrejas principais e moderadas se tenham mudado para reuniões virtuais, a autoproclamada multidão “pró-vida” demonstrou menos entusiasmo por proteger a vida de vizinhos e idosos vulneráveis.

Reunião da seita Sincheonji na Coreia do Sul, já durante a pandemia (CNN)

Se esse fosse apenas um fenómeno norte-americano, poder-se-ia atribuir a negação cristã do coronavírus a um mau fluxo de informações. Muitos dos que obtêm as suas informações de Trump ainda pensam na resposta à pandemia como uma tramóia progressista para derrubar o presidente, e o fraco cumprimento do distanciamento social correlaciona-se com as tendências políticas conservadoras. Mas considerem:

• No Bangladesh, depois da primeira morte ser relatada, dez mil muçulmanos curvaram-se lado a lado para rezar versículos curativos do Corão para proteger o país contra o vírus.

• Em Israel, centenas de judeus ortodoxos reuniram-se no Muro das Lamentações, para orar pelas vítimas do coronavírus.

• Na Índia, um movimento missionário muçulmano tornou-se o pior vetor da doença do país.

• Em França, um líder da igreja pediu perdão a Deus pelas 2500 pessoas infetadas por uma conferência de oração de uma semana na Église Porte Ouverte Chrétienne — e pelos 17 que morreram desde então.

• Em Nova Yorque, os judeus hassídicos desafiaram as autoridades com megafones, realizando grandes casamentos e enchendo as ruas para funerais religiosos, incluindo de um rabino que morreu de coronavírus.

• Congregações religiosas foram identificadas como surtos de COVID em Singapura, Malásia, Coreia do Sul, França e Índia, além da Califórnia, Illinois, Arkansas, Geórgia e Kansas, nos EUA.

No contexto de uma pandemia global, a religião tornou-se um vetor de doença global. Porquê? A resposta está no bem e no mal da religião.

Como práticas culturais que evoluíram, as religiões parecem beneficiar algumas pessoas sob algumas circunstâncias, principalmente através do apoio social e pertença à comunidade que fornecem. À parte a verdade ou falsidade dos dogmas, muitas práticas religiosas provavelmente ajudaram à sobrevivência no seu contexto original.

Mas não é incomum que crenças ou comportamentos que são favoráveis à adaptação ​​sob um conjunto de circunstâncias se tornem inadequados quando as condições mudam. Daí a citação atribuída a várias origens: "Não é a mais forte das espécies que sobrevive, nem a mais inteligente, mas a mais adaptável à mudança".

Neste momento, as rotinas sociais que reúnem grandes grupos de pessoas são inadequadas e até letais. Pessoas em todo o mundo estão a mudar o seu comportamento, geralmente com um grande custo pessoal, mas as religiões evoluíram para resistir à mudança — e especialmente para resistir à mudança impulsionada por informações e autoridades externas.

Também evoluíram para se espalhar de pessoa para pessoa, através da transmissão vertical entre gerações e transmissão horizontal dentro de gerações. As religiões podem ser consideradas auto-replicadoras virais (algumas chamam-nas memeplexes), e eu já escrevi sobre como o entendimento da disseminação de bactérias pode ajudar-nos a entender melhor a religião.

As mesmas qualidades que ajudam as religiões a sobreviver e a espalhar-se — ou seja, um sentido infeccioso de superioridade e um mandato para defender ou espalhar o pensamento religioso — estão agora a fazer com que a religião conservadora se torne um vetor de doença física. Eis alguns dos mecanismos prováveis:

• As religiões incentivam os adeptos a confiar nos líderes e nos textos da seita, com exclusão do conhecimento secular, especialmente quando contradiz as afirmações da religião.

• Como a ciência contradiz muitas afirmações religiosas, as autoridades religiosas lançaram uma campanha de longo prazo e bem financiada para desacreditar os cientistas e o método científico.

• As religiões fomentam o pensamento supersticioso sobre a saúde que muitas vezes está em desacordo com a saúde baseada em evidências. (Mandrágora bíblica e sangue de pomba, alguém quer?)

• As religiões podem criar um sentido de invulnerabilidade, ensinando que o seu deus protegerá os seus e prometendo imortalidade aos crentes.

• As religiões alimentam o excecionalismo — a ideia de que regras gerais não se aplicadam aos líderes religiosos, aos crentes ou aos seus negócios.

• As religiões encorajam as pessoas a congregarem-se. Muitos incutem culpa e ansiedade em quem não participa dos cultos e da divulgação.

• As religiões fazem dos que se arriscam para fazer avançar a religião mártires e heróis — especialmente os missionários.

• O cristianismo, em particular, ensina que este mundo está irremediavelmente contaminado. Os crentes mais extremos saúdam a guerra, a devastação ecológica e as pragas como sinais do apocalipse profetizado e desejado.

Para resumir as mensagens: Confia em Deus e nos fiéis. Junta-te aos crentes com ideias semelhantes. Graças à tua religião, és especial. Podes escapar ao destino dos ímpios. Espalha as boas novas. Não te deixes enganar por estranhos; eles têm segundas intenções; mantém-te firme se desafiarem o teu pensamento.

Noções como essas ajudam as religiões a propagar-se. Eles também ajudam os agentes patogénicos a propagar-se.

Em fevereiro, após a conferência de oração realizada em França pela Église Porte Ouverte Chrétienne de Samuel Peterschmitt, os fiéis dispersaram-se, entusiasmados na crença evangélica e no espírito evangélico. Levaram o coronavírus com eles pelos continentes — para a Suíça, Córsega, Guiana e Burkina Faso. Um participante que levou o vírus para Uagudugu foi Mamadou Karambiri, que lidera uma mega-igreja sua. Karambiri também co-fundou o Centro Internacional de Evangelismo — Missão Interior de África.

A reunião de Peterschmitt e o centro de evangelismo de Karambiri foram projetados para espalhar um contágio viral — o cristianismo — especialmente onde a pobreza e o acesso limitado à educação deixam populações com pouca resistência a essas ideias infecciosas. Num certo sentido, o seu esforço funcionou exatamente como se pretendia. Só espalhou foi o vírus errado.

Valerie Tarico é psicóloga e escritora em Seattle, Washington. É autora de Trusting Doubt: A Former Evangelical Looks at Old Beliefs in a New Light, Deas and Other Imaginings. Os seus artigos sobre religião, saúde reprodutiva e o papel da mulher na sociedade foram apresentados em sites como The Huffington Post, Salon, The Independent, Quillette, Inquérito gratuito, Humanist, AlterNet, Raw Story, Grist, Jezebel e Institute Ética e Tecnologias Emergentes. Inscreva-se em ValerieTarico.com.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.