2020-04-07

Um exército secreto

Hoje, para variar, vou divulgar um assunto diferente da presente epidemia.

A newsletter Tom Dispatch, de Tom Engelhardt, é uma fonte preciosa dentro da imprensa dissidente nos EUA. Tem os melhores artigos sobre os vapores venenosos nas tripas do Império. Traduzo aqui um artigo de Nick Turse sobre a proliferação de tropas especiais. Introdução de Tom Engelhardt:

Nick Turse começou a cobrir o que se pode considerar a história secreta da guerra norte-americana neste século ‒ a ascensão e a disseminação das forças de operações especiais ‒ para o TomDispatch em 2011. Esse foi o ano em que revelou pela primeira vez que as colocações de operações especiais haviam duplicado de 60 países anualmente (já um número bastante impressionante) no final do governo Bush ‒ os anos das invasões e ocupações do Afeganistão e Iraque ‒ para cerca de 120 países ou 60% das nações deste nosso mundo.

Isso já era impressionante que chegue e, até então, o pessoal das forças secretas incorporadas às forças armadas dos EUA já havia atingido 60.000 ‒ maior, note-se, do que todas as forças armadas de tantas outras nações. E isso, lembre-se, foi apenas o começo do processo. Desde então, como Turse mostrou ao longo dos anos, esses números aumentaram, assim como o orçamento das operações especiais, e também os países em que estão implantados, seja para combater as guerras semi-secretas deste país, treinar aliados ou fazer sabe-se lá o quê. Os países atingiram 149 em 2017, o primeiro ano de Donald Trump na Casa Branca, quando a força em si tinha subido para cerca de 70.000. Como ele relata, hoje em 141 países, o número em 2019 é igualmente impressionante, representando 72% das nações deste planeta.

E sim, seja o SEAL Team 6 que matou Osama bin Laden ou a Força Delta do Exército que matou Abu Bakr al-Baghdadi, são celebrados como heróis neste país. Na realidade, no entanto, os conflitos em que estão envolvidos ‒ aqueles que rasgaram nações do Grande Médio Oriente e de África, desalojaram um número recorde de pessoas e mataram um número impressionante de civis ‒ são tudo menos gloriosos e eles mesmos, como sugere Turse hoje, muitas vezes agiram de formas que, em qualquer outro mundo que não o atual norte-americano, seriam consideradas realmente sombrias e tudo menos dignas de louvor. Tom

Comandos dos EUA colocados em 141 países
e “má conduta criminosa” seguiu-se

Por Nick Turse

Em outubro passado, um grupo de oito helicópteros de ataque Apache e CH-47 Chinook, carregando comandos dos EUA, saíram a rugir de um aeródromo no Iraque. Correram através do espaço aéreo turco e atravessaram a fronteira com a Síria, voando a baixa altitude quando se aproximaram de uma vivenda ao norte da província de Idlib, onde o líder do Estado Islâmico Abu Bakr al-Baghdadi, os seus guarda-costas e alguns dos seus filhos estavam a passar a noite. Os helicópteros abriram fogo com suas metralhadoras, enquanto jactos militares circulavam acima e 50 a 70 membros da força de elite Delta do Exército dos EUA assaltavam o complexo nos arredores da aldeia de Barisha. Quando tudo acabou, a casa de Baghdadi era entulho, um número desconhecido de pessoas que moravam na área, incluindo civis, tinham sido mortos, e ele e dois dos seus filhos estavam mortos ‒ vítimas de um colete suicida usado pelo chefe do ISIS.

Tropas especiais dos EUA

Esse ataque de comandos na Síria foi a missão de Operações Especiais dos EUA de maior visibilidade em 2019, mas foi apenas um dos incontáveis ​​esforços realizados pelas tropas de elite dos EUA. Também lutaram e morreram no Afeganistão e no Iraque enquanto realizavam missões, levando a cabo exercícios de treino ou aconselhando e auxiliando forças locais da Bulgária à Roménia, Burkina Faso à Somália, Chile à Guatemala, Filipinas à Coreia do Sul.

No ano passado, membros das forças de operações especiais ‒ SEALs da Marinha, Boinas Verdes do Exército e Raiders dos Marines entre eles ‒ operaram em 141 países, segundo dados fornecidos ao TomDispatch pelo Comando de Operações Especiais dos EUA (SOCOM). Por outras palavras, foram colocados em aproximadamente 72% das nações deste planeta. Embora esteja abaixo da alta de 2017 de 149 países, isto ainda representa um aumento de 135% desde o final dos anos 2000, quando os comandos dos Estados Unidos estavam a operar em só 60 países.

Como o general Richard Clarke, chefe do Comando de Operações Especiais, disse aos membros da Comissão de Apropriações da Câmara de Representantes, no ano passado:

“O nosso acesso e posicionamento em todo o mundo, as nossas redes e parcerias e a nossa postura global flexível permitem ao Departamento de Defesa [...] responder em todo o espectro da competição, especialmente abaixo do limiar do conflito armado, onde os nossos concorrentes ‒ particularmente a Rússia e China ‒ continuam a aprimorar as suas capacidades e a promover os seus objetivos estratégicos.”

Esse nível quase recorde de implantação global deu-se ao mesmo tempo que surgiram perguntas sobre a crescente má conduta de algumas das tropas de elite dos Estados Unidos e foram acompanhadas por gestos de aflição dos líderes do Comando de Operações Especiais sobre possíveis falhas éticas e comportamento criminoso entre suas tropas. "Incidentes recentes questionaram a nossa cultura e ética e ameaçaram a confiança depositada em nós", escreveu Clarke num memorando de agosto de 2019. Esses "incidentes", que vão do uso de drogas à violação e ao assassinato, abrangem o mundo todo, do Afeganistão à Colômbia e ao Mali, chamando mais atenção para o que realmente acontece nas sombras onde os comandos norte-americanos operam.

Forças de operações especiais implantadas em 82 países semanalmente

Desde os ataques de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos apoiaram-se cada vez mais nas tropas de elite. Embora as forças de operações especiais dos EUA (USSOF ou SOF) representem apenas 3% do pessoal militar americano, absorveram mais de 40% das baixas desses anos, principalmente nos conflitos dos EUA no Grande Médio Oriente e em partes de África.

Durante esse período, o Comando de Operações Especiais (SOCOM) cresceu de todas as formas imagináveis ​​‒ desde seu o orçamento e tamanho até ao ritmo e a abrangência geográfica das suas missões. Por exemplo, "o financiamento específico para operações especiais", que era de US$ 3,1 mil milhões em 2001, segundo o porta-voz do SOCOM Ken McGraw, aumentou para aproximadamente US$ 13 mil milhões hoje.

Havia cerca de 45.000 funcionários das SOF em 2001. Hoje, cerca de 73.000 membros do Comando de Operações Especiais ‒ militares e civis ‒ estão a realizar uma ampla gama de atividades que incluem contraterrorismo, contra-insurgência, assistência às forças de segurança e guerra não convencional. Em 2001, uma média de 2900 comandos estavam colocados no estrangeiro em qualquer semana. Esse número agora é de 6700, diz Ken McGraw da SOCOM.

De acordo com as estatísticas fornecidas ao TomDispatch pelo Comando de Operações Especiais, mais de 62% dos operadores especiais colocados no exterior em 2019 foram enviados para o Grande Médio Oriente, superando qualquer outra região do mundo. Isto representou uma recuperação para operadores especiais na área de operações do Comando Central, ou CENTCOM. Enquanto mais de 80% dos comandos dos EUA implantados no exterior no início da década estavam estacionados lá, esse número caiu para pouco mais de 50% até 2017, antes de começar a subir novamente.

O restante dos operadores especiais dos EUA colocados no estrangeiro estavam espalhados por todo o mundo, com pouco mais de 14% de atividade em África, mais de 10% na Europa, 8,5% na região Indo-Pacífica e 3,75% na América do Sul e Central, bem como as Caraíbas. Durante qualquer semana, há comandos colocados em cerca de 82 países.

Tradicionalmente, as forças de elite da América põem forte ênfase na "cooperação de segurança" e na "capacitação de parceiros"; isto é, no treino, aconselhamento e assistência das tropas indígenas. Em testemunho aos membros do Congresso em abril passado, por exemplo, o general Richard Clarke, comandante do SOCOM, afirmou que “para os países em desenvolvimento, as atividades de cooperação em segurança são ferramentas essenciais para fortalecer relacionamentos e atrair novos parceiros, ao mesmo tempo em que permitem enfrentar ameaças e desafios de interesse comum".

O interesse comum nem sempre é da maior importância para os Estados Unidos. Nesse mesmo testemunho, Clarke fez menção especial aos chamados programas 127e ("127-echo"), nomeados a partir da autorização orçamental que permite às forças de Operações Especiais dos EUA usar certas tropas locais como representantes em missões de contraterrorismo, especialmente aquelas direcionadas a "metas de alto valor".

“Isso permite”, disse Clarke, “a elementos das USSOF de pegada reduzida tirar proveito das capacidades e atributos exclusivos das forças regulares e irregulares indígenas ‒ conhecimento da área local, etnia e capacidades de linguagem ‒ para obter efeitos críticos para os nossos objetivos de missão e, ao mesmo tempo, mitigar os riscos para as forças norte-americanas. Isso é especialmente verdadeiro em áreas remotas ou politicamente sensíveis, onde grandes formações norte-americanas são inviáveis ​​e / ou o inimigo utiliza refúgios seguros que, de outra forma, são inacessíveis às USSOF.”

Utilizados extensivamente em África e no Oriente Médio, os programas 127e podem ser executados pelo Comando de Operações Especiais Conjuntas (JSOC), a organização secreta que controla o SEAL Team 6 da Marinha, a Força Delta do Exército e outras unidades de missões especiais, ou por unidades mais genéricas de "forças de operações especiais de teatro". Em África, esses programas normalmente envolvem um pequeno número de operadores especiais dos EUA trabalhando com 80 a 120 pessoas indígenas especialmente treinadas e equipadas. "O uso da autoridade 127e resultou diretamente na captura ou matança de milhares de terroristas", afirmou Clarke.

As chamadas missões de ação direta levaram à morte de Baghdadi, Osama bin Laden e inúmeros outros alvos supostamente de alto valor, mas alguns especialistas questionam a utilidade desses muitos ataques. O brigadeiro-general aposentado Donald Bolduc, que serviu dez comissões no Afeganistão, incluindo como comandante-conjunto da componente de operações especiais local, assim como chefe do Comando de Operações Especiais de África de 2015 a 2017, é um deles. Concorrendo agora ao Senado em New Hampshire, ele é crítico do que vê como um foco obsessivo em matar um líder após outro, enquanto não se faz o trabalho difícil de treinar as forças locais para alcançar segurança e estabilidade reais sem a tecnologia e assistência dos EUA. "Não se pode ir matando, matando até à vitória", disse Bolduc ao TomDispatch.

Crimes dos Comandos

Além de questões sobre a eficácia das suas táticas e estratégias, as forças de Operações Especiais foram recentemente afetadas por escândalos e relatos de atividades criminosas. “Depois de vários incidentes de má conduta e comportamento anti-ético ameaçarem a confiança do público e fazerem os líderes questionar a cultura e a ética das forças de operações especiais, as USSOCOM iniciaram uma revisão abrangente”, lê-se no sumário de um relatório de janeiro sobre o assunto. Mas essa revisão é em si mesma um quebra-cabeças.

Os comandantes do SOCOM denunciaram repetidamente irregularidades das forças de elite norte-americanas. Em novembro de 2018, o então chefe do SOCOM, general Raymond Thomas, foi co-autor de um memorando de ética para as suas tropas. Um mês depois, também lhes enviou um e-mail, no qual escreveu: “Uma pesquisa de alegações de má conduta grave nas nossas formações no último ano indica que as USSOCOM enfrentam um desafio mais profundo de uma visão desordenada da equipa e do indivíduo no meio da nossa cultura de Forças de Operações Especiais.”

Em fevereiro de 2019, o SOCOM passou por uma revisão ética seguida por um "período de 90 dias focado em ética". Pouco tempo depois, o sucessor de Thomas também criticou a moral torpe dentro do comando. "No passado recente, membros das nossas unidades SOF foram acusados ​​de violar essa confiança e de não cumprir os nossos altos padrões de conduta ética exigidos por este comando", disse o comandante do SOCOM, general Richard Clarke, a membros da Comissão de Apropriações da Câmara dos Representantes em abril de 2019. "Entendemos que a má conduta criminosa erode a própria confiança que permite o nosso sucesso.” Clarke, de fato, herdou autoavaliações de componentes do SOCOM encomendadas por Thomas e usou-as como base para a Revisão Abrangente emitida em janeiro.

"Esta é uma revisão muito detalhada que nos analisa sem contemplações", escreveu Clarke numa carta à comunidade SOF divulgada com o relatório. Mas, apesar de empregar uma equipa consultiva de 12 pessoas e uma equipa de revisão de 18, apesar dos seus "55 compromissos" e do inquérito de mais de "2.000 funcionários do empreendimento SOF", não há evidências de que a revisão seja "detalhada" ou que a análise seja "sem contemplações". De facto, o relatório de 69 páginas não oferece sequer uma ideia de que “conduta imprópria e comportamento antiético” estava a examinar.

Só em 2019, no entanto, surgiram muitos exemplos que poderiam ter sido incluídos nessa revisão. Por exemplo, um Marine Raider, o sargento da equipa, Kevin Maxwell, Jr., declarou-se culpado e foi sentenciado a quatro anos de prisão militar pelo seu papel na morte do sargento Logan Melgar, um boina verde do exército, no Mali em 2017. O SEAL da Marinha Adam Matthews também foi condenado a um ano de confinamento e uma demissão com má conduta depois de se declarar culpado de conspiração, entrada ilegal, assédio, obstrução de justiça e agressão, entre outras acusações, no ataque a Melgar por colegas operadores especiais. (Era para ser um ataque sexual, mas levou ao estrangulamento e à morte do Boina Verde.) Outro SEAL da Marinha e um Marine Raider acusados pela morte de Melgar enfrentam prisão perpétua.

Em julho passado, surgiram relatos de que não só membros da equipa 10 dos SEAL tinham sido encontrados a usar cocaína, mas que os comandos vinham adulterando há muito tempo as análises de urina. No mesmo mês, um pelotão inteiro de SEALs da Marinha da equipe 7 foi removido do Iraque após relatos de má conduta grave, incluindo a violação de uma funcionária ligada à unidade. Entretanto, há rumores sobre comportamentos ainda mais graves envolvendo outro destacamento do SEAL Team 7 no Iémen. Em setembro de 2019, três líderes seniores da equipe 7 dos SEALs foram demitidos por falhas na liderança que levaram a uma quebra da boa ordem e disciplina.

No mesmo mês, uma denúncia apresentada ao Inspetor-Geral do Departamento de Defesa acusou o comandante da Guerra Especial Naval, contra-almirante Collin Green, de "ações dúplices" que foram "realizadas na tentativa de reforçar a sua própria reputação e proteger sua própria carreira". Um mês depois, quatro membros do Comando Naval de Guerra Especial foram presos em Okinawa por várias acusações relacionadas com comportamentos de indisciplina.

Relatos de uso excessivo de drogas entre os SEALs também surgiram no conselho de guerra do SEAL Edward Gallagher, que, num julgamento com aspetos de circo, foi absolvido de acusações de que tinha morto não-combatentes no Iraque, mas condenado por posar para fotos com o cadáver de um adolescente que fora acusado de assassinar. (Depois dos oficiais da Marinha tentarem disciplinar Gallagher, potencialmente tirando-lhe o alfinete Trident, que significa ser membro dos SEALs, o presidente Donald Trump interveio para reverter a decisão.)

E tudo isso seguiu-se a uma série de olhos negros para as tropas de elite nos últimos anos, incluindo alegações de massacres, matanças injustificadas, assassinatos, abuso de prisioneiros, violação de crianças, abuso sexual de crianças, mutilações e outros crimes, bem como tráfico de drogas e roubo de propriedade do governo por SEALs da Marinha, Boinas Verdes do Exército, operadores especiais da Força Aérea e Raiders dos Marines.

Apesar deste histórico alarmante de improbidade, a Revisão Abrangente do SOCOM chegou a uma conclusão nada alarmante. A equipa de revisão (cujos membros estavam quase exclusivamente ligados à comunidade de Operações Especiais) em grande parte absolveu os comandantes e os seus comandos de responsabilidade por quase tudo. A equipa alegou que os operadores especiais estavam envolvidos apenas em "vários" incidentes de má conduta e comportamento antiético, em vez de um rol de crimes. A análise pareceu concluir que, em vez de atividade criminosa, o maior fracasso do Comando de Operações Especiais foi na verdade a sua insistência em não fracassar ‒ o que denominou (11 vezes em 69 páginas) uma cultura focada em "cumprir a missão". E o relatório finalmente concluiu que o SOCOM não tinha um "problema de ética sistémica".

Com milhares de comandos a operar ‒ com pouca visibilidade ‒ em vários países todos os dias, não é de admirar que a disciplina se tenha corroído a um ponto em que o comando não pudesse dourar a pílula nem encobrir completamente. "Estou a formar uma equipa de implementação que seguirá por estas descobertas e recomendações, avaliará resultados e aperfeiçoará as nossas políticas nesse sentido", anunciou Clarke após o lançamento da revisão abrangente.

Mas uma organização que produz um relatório que evita a fiscalização externa, se lê como uma lavagem e nem sequer cita todos os países em que opera, pode ser considerada honesta com o povo norte-americano? O Comando de Operações Especiais ainda tem a oportunidade de, como promete o relatório, "garantir responsabilidade transparente". Se levarem a sério essa supervisão externa, devem entrar em contacto comigo.

Nick Turse é editor-gerente do TomDispatch e membro do Type Media Center. É o autor mais recentemente de Next Time They’ll Come to Count the Dead: War and Survival in South Sudan e o best-seller Kill Everything that Moves.

Siga o TomDispatch no Twitter e junte-se a nós no Facebook. Confira os mais novos Dispatch Books, o novo romance distópico de John Feffer (o segundo da série Splinterlands) Frostlands, o romance Every Body Has a Story, de Beverly Gologorsky, e A Nation Unmade by War de Tom Engelhardt, além de In the Shadows of the American Century: The Rise and Decline of U.S. Global Power, de Alfred McCoy, e The Violent American Century: War and Terror Since World War II, de John Dower.

Copyright 2020 Nick Turse

Sem comentários:

Publicar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.