Roma vs. China: O que fez a diferença?

Traduzi este curioso artigo de Richard Carrier de 30 de novembro de 2021, sobre a questão: porque houve uma revolução científica e industrial no Ocidente e não na China? Carrier tem escrito uma série de artigos no seu blogue, bem como alguns livros, sobre como a ciência estava muito desenvolvida no Império Romano e foi vítima da sua rápida decadência no século III, ou seja, bem antes da queda propriamente dita, e como a profunda decadência que se seguiu só foi recuperada na aproximação do Renascimento.

Pergunta-se frequentemente, porque é que a Revolução Científica ocorreu apenas na Europa e não na China? Refiro-me aqui, como explico no meu livro The Scientist in the Early Roman Empire à normalização de métodos científicos eficazes em toda a sociedade (pelo menos alfabetizada). Como documento lá, o Império Romano no seu auge estava à beira de lá chegar (de certa forma, a China nunca chegou), ficando aquém apenas em dois passos que só foram completamente realizados no decurso do século XVII: uma demarcação clara e consistente entre investigadores científicos dos métodos fiáveis e não fiáveis; e a aceitação mais ou menos universal deste facto entre a elite literária, intelectual e política. Os romanos tinham todos os métodos geralmente creditados à Revolução Científica (enquanto que a China não os tinha). Apenas os utilizaram juntamente com métodos filosóficos mais especulativos, produzindo uma miscelânea, abrandando o ritmo e a escala do progresso.

Para ser claro, uma demarcação terminológica entre ciência e filosofia não ocorreu durante a Revolução Científica (que só se realizaria no século XX, um ponto que documento e discuto em Is Philosophy Stupid?) Mas a demarcação entre métodos, reconhecendo aquilo a que “agora” chamamos filosofia como subordinada e menos autorizada, foi o que o século XVII estabeleceu na Europa (e mesmo isso não aconteceu da noite para o dia: ver o meu artigo "Galileo's Goofs" (As Asneiras de Galileu). Da mesma forma, embora houvesse muito respeito e entusiasmo pela ciência entre a elite romana, ainda não tinham feito disto um aspecto normativo da sua cultura, na forma como os Principia de Newton finalmente alcançou. Por exemplo, embora houvesse muitos apelos para criar algo como a Sociedade Imperial de Roma para a Melhoria do Conhecimento Natural, tal ideia não tinha subido suficientemente alto no radar de qualquer imperador antes do colapso efetivo da civilização romana ter começado no século III.

Richard Carrier

Richard Carrier

Portanto, penso que podemos explicar mais ou menos porque é que a Revolução Científica não aconteceu na Roma antiga. Várias tentativas para explicar isto foram exploradas no magistério de H. Floris Cohen, “The Scientific Revolution: A Historiographical Inquiry” (Universidade de Chicago, 1991). Eu resumo muito disso, e onde penso que as provas realmente levam à questão e porquê, em “Scientist”. Foi a investigação de Cohen, de facto, que inspirou em grande parte toda a minha dissertação na Universidade de Columbia, que resultou em dois livros, “The Scientist” e “Science Education in the Early Roman Empire”. No seu auge no primeiro e segundo séculos da nossa era, o Império Romano tinha atingido o mesmo nível de realização intelectual, industrial e económica que mais tarde caracterizaria a Europa do século XVI (ver “Ancient Industrial Machinery & Modern Christian Mythology” e “Imperial Roman Economics as an Example of an Overthrown Consensus”). E todas as mesmas tendências para as ideias da Revolução Científica podem ser encontradas nos escritos científicos do segundo século da era romana (como também documento em “The Scientist”).

Não há realmente nenhum argumento empírico para que Roma não tivesse continuado no mesmo rumo até à mesma conclusão, se não tivesse declinado catastroficamente no século seguinte – que foi dominado por uma guerra civil de cinquenta anos que terminou no colapso total da sua economia fiduciária, o equivalente à Grande Depressão, à qual a resposta foi a duplicação do fascismo e do misticismo, e o correspondente abandono dos valores intelectuais necessários para impulsionar qualquer progresso científico, um padrão com ao qual o cristianismo simplesmente aderiu e acelerou quando tomou as rédeas. Tudo descambou a partir daí. Isto colocou essencialmente o Ocidente num padrão de espera durante mil anos. Metade dos quais foram uma era de ruína; e a outra metade um longo e lento trabalho de penoso, até voltar onde as coisas em tempos tinham estado – culminando no que agora se chama o Renascimento, por boas razões: marcou o renascimento das ideias e valores pagãos que em tempos tinham impulsionado um progresso científico, industrial e filosófico constante. E na verdade, apenas uma coisa diferia: A Europa estava em progresso, não em declínio nessa altura; melhorou assim continuamente em termos económicos e industriais (e, portanto, também intelectualmente) após esse ponto.

Mas o que explica o facto de a China não nos ter vencido? Afinal de contas, nós fizemos mesmo asneira. Com a ascensão da cristandade, efetivamente não jogámos nada à bola durante mil anos. Muito tempo para a China nos ter apanhado. Também em competição, claro, estava o mundo islâmico, que por um breve momento (entre cerca de 800 e 1100 EC) namorou a sua própria Renascença, também (como a Renascença posterior na Cristandade) construída sobre os ombros da ciência greco-romana, que poderia ter evoluído para uma Revolução Científica autêntica – e, de facto, poderia tê-lo feito séculos antes do Ocidente ter recuperado. Não houve realmente outras civilizações que alguma vez se tivessem aproximado deste desenvolvimento. Sabemos o que aconteceu ao Islão. O fundamentalismo tomou conta e arruinou essencialmente todo o mundo islâmico durante mil anos, de uma forma muito semelhante ao que a Cristandade fez ao Ocidente, só a ruína do Cristianismo à sociedade começou séculos antes, e assim estava a esgotar-se antes que o próprio Islão tivesse cometido um erro semelhante. Assim, o Islão desistiu essencialmente da liderança, e deixou o Ocidente ultrapassá-lo na corrida até à meta.

Alguns livros de Richard Carrier

Alguns livros de Richard Carrier

A China namorou brevemente com um comportamento semelhante, mas muito antes – purgas de livros e enterro de intelectuais, por exemplo, no século III AEC, e as menores supressões de intelectualismo continuaram a repetir-se sob quase todas as dinastias depois disso (mais notoriamente sob a dinastia Qing do início da Era Moderna, mesmo quando a Revolução Científica da Europa estava em curso, um caso clássico de muito mau timing). Mas o pior disto foi que a purga anterior, e a China atingiu o seu auge nos séculos seguintes, como durante a dinastia Han, de facto quase a coincidir exatamente com na linha do tempo com o Império Romano do outro lado do planeta. E a China continuou a alcançar avanços tecnológicos; industrialmente, permaneceu comparável a Roma no seu auge, durante a maior parte da sua existência. Mas estagnou simplesmente ali. Assim, não estava preparada quando os impérios industriais ocidentais chegaram, demasiado atrasada para alguma vez os alcançar realmente por si só. Mas porque é que a China nunca chegou a lado nenhum nesta corrida, apesar de ter literalmente milhares de anos para a descobrir a solução?

A melhor resposta sucinta a esta pergunta é dada por Alan Cromer, em “Uncommon Sense: Science’s Heretical Nature”. O seu ponto geral: a ciência autêntica requer o desenvolvimento e a utilização de métodos contrários a toda a intuição humana natural (um ponto que eu também já referi, por exemplo, em “Advice on Probabilistic Reasoning” e “Why Plantinga’s Tiger Is Pseudoscience”); não se pode, portanto, esperar que surja sequer comummente, muito menos que domine a sociedade. Embora isso não seja realmente uma explicação, mas sim uma simples descrição, do problema. Mas Cromer esboça alguns factores causais, incluindo a persistente inclinação da China para o isolacionismo e conservadorismo após a era Han, resultando num desinteresse activo no progresso intelectual, para além de certos parâmetros aceitáveis. Mas ainda se pode perguntar por que razão foi esse o caso. E assim por diante. Para responder a perguntas como esta, é preciso ir mais fundo. Para os mais sólidos antecedentes académicos, o lugar para começar seria o último resumo do que aconteceu de forma diferente na Grécia e na China, pelo mais conhecido e prolífico perito em história comparativa da ciência na China e na Grécia, G.E.R. Lloyd, cujo livro “Expanding Horizons in the History of Science: The Comparative Approach” (Expandindo Horizontes na História da Ciência: A Abordagem Comparativa) adota uma visão geral e cita, através de notas e bibliografia, todas as obras principais ou mais atuais sobre o assunto.

Lloyd dedicou toda a sua carreira ao assunto e escreveu numerosos livros excelentes, sobre vários aspetos da pergunta que hoje faço, de modo que o último resumo nem sequer lhe dará a história completa; poderá ser necessário explorar os pormenores. Ver a Lista Cronológica Inversa dos seus livros; mas para exemplos importantes, ver “The Ambitions of Curiosity”, que também usa a Mesopotâmia como um análogo – uma civilização avançada que durante muitos milhares de anos nunca chegou sequer perto de uma Revolução Científica, como se poderia observar também no Egito – ou “Ancient Worlds, Modern Reflections” (Mundos Antigos, Reflexões Modernas), que se concentra nos aspetos negativos e positivos dos seus diferentes meios culturais. Tenho estudado esta mesma matéria desde os meus tempos de licenciatura em Berkeley, trabalhando com David Keightley, como um dos seus protegidos na altura, fazendo os seus cursos sobre a China antiga e o estudo transcultural dos costumes da morte (que comparava a China antiga, a Grécia, Israel e a Suméria). Ajudou-me em numerosos projetos pessoais resultantes de todas as perguntas que tinha um perito na China antiga: A China antiga tinha ateus? Ciência? Crença no inferno? Conhecimento do Império Romano? Qual era o principal conflito entre o Taoísmo e o Confucionismo? E mais além. A minha tese de Berkeley, por exemplo, foi um estudo comparativo das antigas conceções chinesas, gregas e romanas do herói e da alma, e das possíveis ligações interativas entre esses dois conceitos, em cuja supervisão Keightley teve um papel significativo. Isso está reproduzido agora no meu livro “Hitler Homer Bible Christ”.

Ao longo da sua história, o que passou por ciência na China foi na verdade, ou apenas conhecimento artesanal (como medicina, engenharia e astronomia em todo o mundo antes das sistematizações, formalizações e melhoramentos greco-romanos) ou filosofia (sem qualquer método empírico formalizado, de facto falhando mesmo muito no caminho da lógica formalizada ou da matemática, por exemplo. A China nunca desenvolveu qualquer sistema de dedução silogística: ver “Logic and Language in Early Chinese Philosophy” (Lógica e Linguagem na Filosofia Chinesa) e a lógica na China; ou sistemas matemáticos axiomáticos, eles nem sequer chegaram à noção de provas formais, e apenas trabalharam ferramentas práticas numa base de tentativa e erro: ver matemática chinesa e a comparação de desenvolvimentos de Joseph Dauben na geometria chinesa e grega). Como Chad Hansen disse uma vez na “Routledge Encyclopedia of Philosophy”, “Tecnicamente, a China clássica tinha uma teoria semântica mas não tinha lógica”. Estavam realmente apenas interessados em saber como analisar o que as pessoas dizem, e isso principalmente para o debate ético e político; não estavam muito interessados em explorar sistematicamente porque é que vários sistemas de análise funcionam ou não funcionam, nem chegaram a usar muito esses conhecimentos para resolver debates sobre como o mundo natural funciona e porquê. E para piorar a situação, mesmo o que eles tinham a fazer as vezes de filosofia sofreu sob ciclos de anti-intelectualismo em toda a história chinesa.

De certa forma, poder-se-ia dizer que a China esteve sempre tão obcecada com o prático que, demasiadas vezes, nunca viu valor suficiente na teoria. Embora a teoria fosse abundante, era sobretudo especulativa e não empírica; os chineses nunca fizeram a ligação adequada entre teoria e prática, e assim nunca descobriram (ou nunca convenceram um segmento suficientemente amplo da elite para aceitar) que, quando aplicada corretamente, a realização teórica é um poderoso motor de avanços práticos. A China também nunca promoveu uma cultura geral em que o debate (e não a obediência) sobre os factos da realidade fosse visto como aceitável ou valioso – pelo menos depois da Dinastia Han, ou por qualquer período de tempo de duração suficiente para iniciar uma revolução intelectual como a que consumiu a Grécia e Roma antigas. Pode-se ver isto mesmo nos raros exemplos de discussões existentes sobre o Império Romano durante mesmo a dinastia Han, mais favorável ao progresso intelectual de qualquer outra a seguir. Notavelmente, os chineses sempre souberam mais sobre os romanos do que o contrário, e temos descrições existentes de relatórios oficiais de emissários que a China enviou para recolher informações sobre o seu rival distante (ver “Rome and China” por Walter Scheidel). No entanto, está manifestamente ausente destas qualquer discussão de lógica, matemática, ciência, ou mesmo filosofia. Estavam principalmente preocupados com as particularidades da gestão e administração do Estado romano, e, em menor medida, com a tecnologia, economia e indústria. Mas mais uma vez, olhando sempre para o superficial e para o prático.

É importante notar que os chineses foram sempre, em resultado disso, muito empíricos. No entanto, nunca fizeram a ligação crucial entre o empírico e o teórico, e como consequência, o seu avanço sempre estagnou, limitado apenas ao que se pode observar e fazer diretamente. Como diz Dauben:

"Em vez de perseguir preocupações abstratas e lógicas, a matemática chinesa, tal como a ciência chinesa, desenvolveu uma rica tradição de observação empírica. Contudo, a sua orientação teórica não era dom tipo que procurasse deixar para trás o mundo da experiência física e das aplicações práticas, para construir e testar modelos puramente teóricos ou quadros explicativos."

E afinal, isto é extremamente limitador. Se formos apenas teóricos e não empíricos, obtemos voos de fantasia, mitologia, nenhum progresso real na compreensão da realidade (pense-se, Grécia Homérica, Antigo Isreal). Se se for empírico mas não teórico, pode-se conseguir muitos conhecimentos práticos artesanais, mas não se pode realmente aprofundar nada. A ciência requer a unificação produtiva de ambos, com base num método de formulação de hipóteses (modelos; teorias causais e estruturais), desenvolvendo depois formas fiáveis de os testar para uma exatidão explicativa. Isto nunca aconteceu na China. Tinham empirismo verificacinista (daí, conhecimento artesanal); mas não empirismo falsificacionista (daí, ciência). Assim, a China nunca chegou sequer perto de uma Revolução Científica como a Roma antiga – e se a Roma antiga não o tivesse feito, a Europa Ocidental também não o teria feito. Pois sem essas fundações greco-romanas terem estado lá para serem recuperadas, não teria havido Renascença, e portanto não teria havido um posterior reforço das ideias que ela carregava.

Isto é evidente nos resultados, assim como nos métodos. Quanto aos métodos, podemos discernir a diferença pela ausência completa da história chinesa das metodologias científicas greco-romanas mais fiáveis. Quanto aos resultados, os chineses nunca descobriram que a Terra era uma esfera ou que orbitava o Sol, nem nunca desenvolveram nada que pudéssemos reconhecer como leis matemáticas do movimento planetário (como a Lei de Ângulos Iguais em Tempos Iguais de Ptolomeu que Kepler mais tarde incorporou em Áreas Iguais em Tempos Iguais, ou a sua teoria das excentricidades que aproximavam o movimento elíptico). Houve alguns exemplos da sugestão puramente especulativa de que a Terra poderia ser uma esfera, mas nunca em qualquer base empírica – porque demonstrá-lo empiricamente requer uma base teórica. Por exemplo, vemos argumentos da Dinastia Han por analogia que a Terra “tem” de ter a mesma forma que os céus, e os céus “parecem” redondos. Mas não é a isto que chamamos pensamento científico. E tais ideias nunca se tornaram populares de qualquer forma. Em biologia, da mesma forma. Por exemplo, os chineses nunca descobriram o que o sistema renal faz ou como funciona, como Galeno fez, nem nunca localizaram a função cerebral, como fez Herófilo. Nunca perceberam sequer que o cérebro produz todo o pensamento humano, continuando em vez disso a atribuir isso ao coração e a outros órgãos, até que a ciência ocidental moderna chegou para os corrigir – um desenvolvimento ainda oposto por muitos tradicionalistas chineses.

No final, se quisermos responder à pergunta: “Porque é que os chineses não conseguiram uma Revolução Científica”, talvez tenhamos de aceitar o facto de que a resposta é: “Porque, praticamente, ninguém conseguiu”. Mesopotâmia. América Central. Egito. Índia. Pérsia. Nem um deles chegou tão perto como a Roma antiga – e Roma só chegou, porque avidamente abraçou e construiu sobre os feitos dos gregos. Portanto, resume-se realmente a: “Porque é que os gregos inventaram tudo isto?” Formalização da lógica e da matemática (silogismos dedutivos, provas axiomáticas, compreensão teórica e não meramente prática, respondendo à questão de cada peculiaridade física e matemática, não apenas “como”, mas “porquê”, e como podemos realmente saber isso); do mesmo modo, uma ciência sistematizada, hipotético-empírica, que se torna de facto mais precisa ao longo do tempo, uma vez que o seu método lhe permite abandonar as más ideias e começar a elevar as ideias boas, em vez de apenas continuar a acumular e reverenciar a especulação e a fantasia (uma vez que consome grande parte da medicina tradicional chinesa e da astronomia e física): todas estas são conquistas gregas, que o subsequente sucesso político, económico e industrial do Império Romano permitiu então acumular ainda mais, e provavelmente teria chegado ao que queremos dizer com a Revolução Científica no século IV ou V, se as suas fortunas tivessem crescido em vez de caído (tudo, em vez disso, foi abaixo no século III e não se recuperou, intelectualmente, durante bem mais de mil anos). A China não era assim diferente de qualquer outra civilização avançada – era na realidade uma sociedade humana típica – nesta métrica intelectual específica. As sociedades humanas típicas simplesmente nunca desenvolvem o que entendemos por ciência; elas apenas alcançam conhecimentos artesanais. Temos documentos administrativos da Mesopotâmia que datam de quase 3000 AEC, o que significa que passaram bem mais de quatro mil anos sem nunca terem topado com as inovações que os gregos fizeram. Deveríamos então ficar surpreendidos por a China também não o ter feito em apenas três mil anos?

Talvez o mais surpreendente seja que a sofisticação intelectual da China entre a Dinastia Qin (cerca do século III AEC) e a Qing (que termina por volta do século XIX EC) tenha sido extraordinariamente impressionante, provavelmente mais do que qualquer outra grande civilização fora do Ocidente pode afirmar. As suas realizações tecnológicas e de engenharia, inigualáveis; tal como a sua filosofia e matemática e semântica (a aproximação mais próxima que tinha da lógica). Assim, perguntamo-nos como poderia alcançar tudo isso e ainda assim não chegar mais longe do que a Suméria ou o Egipto no que diz respeito à ciência “formal”, lógica e matemática. A resposta é provavelmente a mesma. Estamos simplesmente a equacionar falsamente tudo isso com a ciência. Quando falamos de ciência formal, lógica e matemática, estamos na realidade a referir-nos a algo extremamente bizarro no registo etnográfico humano, uma mudança de paradigma contra-intuitiva na forma como acumulamos o equivalente ao conhecimento “filosófico” e “artesanal”. Entendido como tal, não é surpreendente que a China não o tenha desenvolvido. Porque “isto” aqui significa algo fundamentalmente diferente do que a China fez, que foi meramente ser excelente no que todas as civilizações fazem, que é meramente acumular conhecimentos filosóficos e artesanais que no entanto permanecem dispersos num mar de erros, fantasias e más ideias, todos com o mesmo peso. Isso só acontece quando não se sabe como distinguir a diferença entre essas duas coisas. E assim, na realidade, o “molho secreto” é simplesmente a descoberta notável, na verdade extraordinariamente rara, de como distinguir a diferença.

O Império Romano chegou tão longe, mas só porque tinha a virtude de adotar entusiasticamente quaisquer boas ideias que colhesse das culturas conquistadas – desde a roda com raios dos celtas até ao vidro soprado dos sírios, passando por todo o aparelho intelectual dos gregos. A China não tinha com quem aprender e continuar a construir. Voltamos então a essa pergunta, que não é: “Porque não a China?” mas sim: “Porquê a Grécia?”. Para ser justo, ao contrário daqueles que afirmam que os historiadores não podem responder aos contrafactuais, toda a teoria histórica causal positiva implica um contrafactual correspondente. Não se pode afirmar que se sabe o que causou a Revolução Científica (ou a Segunda Guerra Mundial, ou a Revolução Americana, ou qualquer outra coisa) sem afirmar saber o que não a teria causado. Porque a única forma de afirmar saber o que causou um resultado, é saber quais as causas, se as tivéssemos removido, não teriam tido esse resultado. De facto, é isso que significa dizer que essas “são as causas”. Se, afinal de contas, a sua remoção não fez qualquer diferença para o resultado, é evidente que não causaram esse resultado. Portanto, podemos certamente responder a perguntas como: “Porque é que os chineses não conseguiram a Revolução Científica?” Tudo o que temos de fazer é responder à pergunta: “O que é que causou a Revolução Científica? Porque se realmente temos a resposta a essa pergunta, então por definição saberemos a resposta à outra: porque se essas causas são as causas, elas têm necessariamente de ser observadas como ausentes na China. Pois se não são, então claramente não conseguimos identificar as verdadeiras causas.

Utilizo este mesmo raciocínio em “The Scientist in the Early Roman Empire” para responder às correspondentes perguntas sobre a razão pela qual os romanos não experimentaram o que hoje queremos dizer com a Revolução Científica, ou a Revolução Industrial (que não são a mesma coisa; sobre ambas, ver os meus artigos ligados acima). A resposta curta é que quase o fizeram. A única coisa que podemos seguir com confiança como tendo-os impedido, foi o seu colapso mesmo antes de ganharem o prémio. Mas a China nunca se tornou sequer um competidor. O que deve ser devido à falta na China do que quer que tenha sido que levou os gregos a tão singularmente iluminar as ferramentas fundamentais da lógica formal e sistematizada, da matemática e da ciência que realmente fazem a diferença entre a mera acumulação de conhecimentos práticos artesanais, e o facto de serem capazes de distinguir entre as descrições ou explicações credíveis e as fantasiosas, de qualquer coisa no mundo. Escrevi sobre isso há muito tempo – iniciando na Secular Web um projeto que nunca continuei (e provavelmente não o farei tão cedo; seria ótimo se alguns outros com credenciais o continuassem), mas a primeira entrada que fiz aproxima-se provavelmente de uma resposta: e que se pode ler como "The Origens of Greek Philosophy" (As Origens da Filosofia Grega).

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Porque sobrevive Freud

A palavra proibida

Anomalias