26 de abril de 2008

Desenhos com mesa digitalizadora (2)

© Carlos Cabanita 2008. Free to copy & publish but must indicate author, modification not allowed.

[ESTE TEXTO NÃO EXISTE NA MINHA PÁGINA PESSOAL]
A facilidade de desenho é excelente. O traço é vivo e pessoal como no papel. Sem o atrito do papel, o desenho escorrega bastante. Outra dificuldade é que os meus dedos seguram a caneta num sítio e os meus olhos controlam o desenho noutro lugar.

Controlar a grossura do traço é outra luta. Nenhuma caneta no mundo "real" se comporta de forma tão livre. Como de costume, um instrumento electrónico tenta emular um instrumento físico e acaba por ultrapassá-lo largamente. A pressão da caneta pode ser configurada para variar a espessura do traço, a cor, a transparência ou combinações desses parâmetros. Aqui só variou a espessura.

O Windows Vista suporta parcialmente o aparelho, mas sem pressão variável. O Linux nada. Só no XP a pressão variável realmente brilha.

Desenhos à mão livre, sem esboço, no programa vectorial Inkscape.

Só depois comecei a aprender truques como inclinar a mesa. O objectivo destes desenhos não era a perfeição mas a expressão livre do traço.

Inicialmente foram criados em SVG (scalar vector graphics), mas foram convertidos para PNG para publicação, porque muitos browsers não têm suporte para SVG.

1 comentário:

  1. já há muitos anos que não via desenhos teus. Costumava ver e rever os da tua infância/adolescência feitos a tinta da china... fico à espera dos próximos.

    ResponderEliminar

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.