Desenhos com mesa digitalizadora (2)

© Carlos Cabanita 2008. Free to copy & publish but must indicate author, modification not allowed.

[ESTE TEXTO NÃO EXISTE NA MINHA PÁGINA PESSOAL]
A facilidade de desenho é excelente. O traço é vivo e pessoal como no papel. Sem o atrito do papel, o desenho escorrega bastante. Outra dificuldade é que os meus dedos seguram a caneta num sítio e os meus olhos controlam o desenho noutro lugar.

Controlar a grossura do traço é outra luta. Nenhuma caneta no mundo "real" se comporta de forma tão livre. Como de costume, um instrumento electrónico tenta emular um instrumento físico e acaba por ultrapassá-lo largamente. A pressão da caneta pode ser configurada para variar a espessura do traço, a cor, a transparência ou combinações desses parâmetros. Aqui só variou a espessura.

O Windows Vista suporta parcialmente o aparelho, mas sem pressão variável. O Linux nada. Só no XP a pressão variável realmente brilha.

Desenhos à mão livre, sem esboço, no programa vectorial Inkscape.

Só depois comecei a aprender truques como inclinar a mesa. O objectivo destes desenhos não era a perfeição mas a expressão livre do traço.

Inicialmente foram criados em SVG (scalar vector graphics), mas foram convertidos para PNG para publicação, porque muitos browsers não têm suporte para SVG.

Comentários

  1. já há muitos anos que não via desenhos teus. Costumava ver e rever os da tua infância/adolescência feitos a tinta da china... fico à espera dos próximos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.

Mensagens populares deste blogue

A palavra proibida

Porque sobrevive Freud

Anomalias