7 de fevereiro de 2020

Lágrimas brancas

Artigo do Atlanta Black Star. (Lágrimas brancas é um conceito trocista entre os ativistas anti-racistas. Refere-se à extrema sensibilidade de muitos brancos, perante qualquer crítica ao seu racismo ou ao seu privilégio.)

Um académico britânico negro pôs os cabelos em pé a alguns quando considerou a brancura "uma psicose" e responsabilizou a Grã-Bretanha por ter que levar a sério a sua história opressiva.

Kehinde Andrews, professor da City University de Birmingham, fez estes comentários no domingo durante um painel do Good Morning Britain, da BBC, sobre o uso de "Império" em referência à Grã-Bretanha e aos seus territórios. A intervenção foi motivada por declarações da candidata do Partido Trabalhista britânico Lisa Nandy, que argumentou que a condecoração "Ordem do Império Britânico" deveria ser alterada para "Ordem da Excelência Britânica", segundo The Guardian.

O dr. Kehinde Andrews argumenta que a brancura é "uma psicose" ao discutir o Império Britânico. (Foto: Captura de tela / Good Morning Britain YouTube)

Andrews era a única pessoa de cor no painel, além do break dancer Jonzi D, que recentemente se recusou a aceitar uma condecoração que o declarava membro da Ordem do Império Britânico.

Andrews fez o comentário depois dos membros brancos do painel tentarem convencê-lo, e ao outro membro negro do painel, que o Império Britânico "não era todo mau".

"A maneira como recordamos essa história é tão má que achamos que podemos encontrar conforto nesse sistema que matou dezenas de milhões, provavelmente centenas de milhões de pessoas, e estupro, assassinato, tortura, fome", disse Andrews.

"A brancura é uma psicose — não pode haver uma explicação razoável."

A declaração ousada de Andrews provocou um dilúvio de lágrimas brancas dos outros participantes do painel, Piers Morgan e Susanna Reid, que o acusaram de ser racista. As críticas não o demoveram.

“A brancura não é apenas para pessoas brancas. Existem negros, asiáticos, que também sofrem a psicose da brancura" — continuou Andrews.

"É sobre a ideia — acrescentou. — É sobre o facto de que no século 21, 60% da população britânica acredita que o império era uma força para o bem. É como dizer que os nazis construíram auto-estradas, logo devemos elogiá-los. É literalmente uma visão irracional ."

Quando um Morgan obviamente irritado perguntou a Andrews se ele estava "a comparar o Império Britânico com a Alemanha nazi", o professor esclareceu o seu argumento.

Piers Morgan e Susanna Reid reagem ao Dr. Kehinde Andrews, referindo-se à brancura como "uma psicose". (Foto: Screenshot / Good Morning Britain YouTube)

"Você tem razão, não há comparação — respondeu Andrews. — O Império Britânico causou muito mais danos ao mundo por um período muito mais prolongado."

Reid e Morgan não foram os únicos incomodados pelos comentários de Andrews. Depois dele ter publicado o seu argumento no Twitter — "O Império Britânico durou mais tempo, fez mais danos e, de certa forma, abriu caminho aos nazis e à sua ideologia genocida. Não fazemos favor nenhum às vítimas do Holocausto ao fingir que não é assim. Se esquecemos o passado, arriscamo-nos a repeti-lo" (@kehinde_anders) — a rede foi inundada por pessoas que não entenderam a questão.

"Sugiro que você, um académico pago e responsável por fazer o seu trabalho como deve ser — devia verificar como os pessoas brancas foram corridas da Europa Oriental pelas invasões genocidas asiáticas/muçulmanas por volta de 1200 DC. Estou farto de vir aqui ouvir ódio antibranco das elites ricas como você." (@Barbi_bb)

"Kehinde Andrews, um homem tão amargo que não se desliga do passado... na sua opinião, o Império Britânico fez mais danos que os nazis... seu cabrão arrogante." (@kevinsm17554523)

"Se tens algum problema, honestamente devias deixar o país e voltar para seja onde for de onde vens não suporto racistas." (@Anthony61423502)

"Há décadas que os brancos britânicos são chamados 'racistas' por liberais e esquerdistas se criticam alguém de cor, mesmo que seja razoavelmente. Mas provocadores raciais como Kehinde Andrews, que foi feito professor, são livres de provocar o ódio antibritânico. A lei é para todos, sabias?" (@StevieBrexit)

No entanto, imensa gente concordou com o argumento de Andrews:

"Já vi que Kehinde Andrews esteve na TV a debater factos, não emoções, e sobressaltou toda a gente de direita outra vez! Feliz domingo, gente!" (@Hopesperance)

"Parece que Kehinde Andrews trilhou um nervo! Não é que a verdade é sempre muito amarga? Por mais que escolham negar e esconder, ela vem ao de cima. Continue com o bom trabalho, prof." (@reflectiveminds)

"Vocês, seus cabrõezinhos, não têm nenhuma compreensão contemporânea dos estudos do Império Britânico e sempre que algum britânico (vamos lá a falar verdade, britânico de cor) mas por acaso o *professor* autêntico Kehinde Andrews, usa argumentos derivados de anos de estudo, vocês todos, na vossa ignorância, deviam humildemente fechar a matraca." (@RepeatBeatPoet)

"Kehinde Andrews, que é professor de Estudos da Negritude na City University de Birmingham, disse a Piers Morgan e Susanna Reid que o Império Britânico foi pior que o Terceiro Reich. Em termos de gente mesmo genocidada, o professor tem claramente razão." (@lademocratietue)


Nota: O Império Colonial Português durou mais tempo; não sei comparar o seu palmarés relativo no que toca a atrocidades. O Império Britânico gozou seguramente de mais poder e maior extensão nos últimos séculos.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.