29 de março de 2010

Enguias em Vale de Cavalos

Enguias. Fritas, ensopadas, incluídas nas caldeiradas. Quem não é maluco por elas?

Aqui na bacia do Tejo, temos a zona de Porto Alto como a principal fabricante. Já lá comi bem, já lá comi mal. Resultados do sucesso.

O centro gastronómico seguinte da enguia, para mim é a Lançada, Sarilhos Grandes. Na verdade conheço o sítio há pouco tempo. Foi o Monteiro que me levou lá, num dia de eleições. Aí comi um grande ensopado.

Mas há alternativas. Tenho família em Santarém, por isso eu vou muitas vezes para lá.

Quanto às enguias fritas, tenho que destacar o Miratejo, em Alfange, mesmo por baixo do penedo das Portas do Sol de Santarém, onde se comem excelentes irós fritas com açorda de ovas de sável, um petisco inolvidável.

Entretanto, da janela vê-se passar o expresso, naquele espaço pacífico apesar de comprimido, onde, entre o monte de Santarém e o Tejo, têm de caber as casas de Alfange, uma estradita e a via férrea dupla. Eu sempre gostei de paisagens com caminho de ferro. Os comboios a passar são um brinde.

Quem não gosta de enguias pode comer, entre outras coisas, uma espetada em pau de loureiro.

vcavalos1a Além do Miratejo, o lugar favorito para os escalabitanos e vizinhos irem às enguias é Vale de Cavalos. Tem a vantagem de confeccionar enguias fritas sem farinha de trigo, o que é bom, pois alguns familiares meus não se dão bem com o glúten. Ali usam Maizena, parece.

Vale de Cavalos é pouco mais que uma tabuleta e umas quantas casas junto à Estrada Nacional 118 (vai do Montijo a Abrantes), entre Alpiarça e a Chamusca. Sai-se da EN para o norte, anda-se um quilómetro numa estradita local e lá está uma casa rural.

vcavalos2 Um dos grandes prazeres deste sítio é olhar da janela e ver uma larga paisagem de lezíria.

As enguias estavam excelentes (grandes de mais para alguns, mas eu não me importo). Foram servidas apenas com uma salada de tomate e cebola, mas tinham um molho picante especial que incluía mostarda, para molhar os pedaços de peixe frito. Foi uma surpresa.

Perto daqui há umas casas de madeira sobre estacas (chamadas palafitas), antigamente habitadas, parece, pelos Avieiros, pescadores de Vieira de Leiria que vinham para aqui ao sável de Inverno, quando o mar da sua terra estava demasiado bruto. Alves Redol chamava-lhes os Ciganos do Tejo. As casas estão desabitadas e a madeira podre, fala-se em recuperar este património. Há muitas casas destas, espalhadas pelo curso do Tejo.

Ainda sobre enguias, para não ser injusto, eu sei que há centenas de restaurantes com boas enguias, de Lisboa a Abrantes. Se incluirmos as bacias de outros rios, então… Mas eu não sou nenhum turista gastronómico. Saboreio o que posso, quando posso.

Fala-se, em Santarém, de um outro templo do culto iróico, creio que em Vila Nova da Barquinha. Quando lá puder ir confirmar os boatos, digo-vos…

1 comentário:

  1. E eu a pensar qu era já aqui ao lado.Já estava a pensar em combinarmos uma visita em breve.Por sinal também conheço este Vale de Cavalos.O meu primo foi médico muitos anos nesta localidade actualmente esta na em Chamusca

    um abraço
    am

    ResponderEliminar

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.