1 de março de 2010

Sangue na água 3

tubaroes

Mais notícias inquietantes para Portugal, do Eurointelligence, uma newsletter sobre finanças europeias que recebo:

 

Alemanha inclina-se para a não concessão de auxílio à Grécia

Parece que a Alemanha está a endurecer a sua posição. No fim de semana, Angela Merkel disse à TV alemã que a melhor ajuda que Alemanha pode oferecer é insistir para que a Grécia faça o seus trabalho de casa. O Financial Times Deutschland relata que o porta-voz do governo grego Giorgos Petalotis disse, durante uma visita à Alemanha, que o país estava a sofrer com os ataques especulativos, em resultado dos quais tem de pagar juros três vezes mais elevados que os da Alemanha. Merkel deve reunir-se na sexta-feira com Papandreou.

O jornal grego Kathimerini também abre com essa história, interpretando a entrevista de Angela Merkel como uma decisão de não dar dinheiro. Cita também a chanceler alemã como negando firmemente relatos de que um pacote de resgate já teria sido elaborado, à espera de ser acordado politicamente.

(Eurointelligence Daily Briefing, 01.03.2010)

 

Os hedge funds fizeram grandes lucros especulando contra a Grécia

O Financial Times tem a história de que vários hedge funds ganharam enormes lucros especulando contra a Grécia. Os fundos previram correctamente que a sobreexposição dos bancos europeus iria conduzir a uma onda de venda de títulos do governo grego. Segundo o FT, três ou quatro fundos foram os especuladores principais, incluindo Paulson & Co. Cita o chefe de pesquisa macro de um banco: "Bastava olhar, o montante da dívida soberana do BCE estava a pressionar os bancos europeus para comprar, e pode-se ver que os riscos não estavam sendo considerados."

(Eurointelligence Daily Briefing, 01.03.2010)

 

Mostrar todos os artigos da série Sangue na água.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.