31 de dezembro de 2019

Primaveras (quase) ignoradas

Artigo muito curioso de Juan Cole, em Informed Comment, em que chama a atenção para as revoltas populares que abalaram os regimes de vários países do Médio Oriente, sem suscitar atenção correspondente à sua importância.

Argélia

Manifestação na Argélia

Manifestação na Argélia contra as eleições de 2019, consideradas antidemocráticas [Lusa]

Em 2019, o Médio Oriente foi abalado por uma nova rodada de revoltas nas ruas. No início do ano, Abdelaziz Bouteflika havia anunciado uma quinta candidatura à presidência da Argélia. Então eclodiu a pacífica “Revolução dos Sorrisos” e em abril renunciou. Uma pequena elite monopolizou os recursos petrolíferos da Argélia por décadas e recompensou os seus apoiantes enquanto marginalizava todos os demais. Em 12 de dezembro, Abdelmadjid Tebboune foi eleito presidente, no meio de contínuas manifestações nas principais cidades e de um boicote de protesto às próprias eleições. As multidões não estão claramente convencidas de que trocar um presidente por outro, quando ambos são lacaios da pequena elite do petróleo, realmente mude as coisas.

Sudão

Manifestação no Sudão

Manifestação no Sudão em 2019 [Reuters]

No início de 2019, Omar al-Bashir era presidente do Sudão, como o fora havia 30 anos. Ditador brutal implicado em genocídio no Darfur, foi amplamente considerado um criminoso de guerra após uma decisão do Tribunal Penal Internacional. Em 11 de abril, a contínua agitação urbana e comícios estratégicos liderados pela Associação de Profissionais Sudaneses, de esquerda, e, nos bastidores, por ordens místicas sufistas, pressionaram o corpo de oficiais a fazer um golpe contra al-Bashir. Não satisfeitas em substituir um general por outro, as multidões continuaram a pressionar os militares para que renunciassem a favor de um governo civil. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos parecem ter apoiado a junta militar contra o povo, mas não conseguiram impedir um compromisso. No final, desenvolveu-se uma forma de coabitação, com um novo governo civil, mas continuou a supervisão militar e a promessa de transição para um governo civil puro. O Sudão perdeu a receita do petróleo do Sudão do Sul em 2013, quando a região se tornou um país independente, e sua elite fracassou em descobrir um novo modelo de negócios. A inflação estava em 75%, ferindo pessoas com renda fixa ou que dependiam de importações.

Em tempos comuns, a queda de al-Bashir deveria ter sido uma grande história na imprensa internacional, onde, pelo menos se disseram palavras ocas de preocupação com o genocídio no Darfur.

Iraque

Manifestação no Iraque

Manifestação no Iraque em 2019 [Associated Press]

No início de 2019, Adel Abdulmahdi era o primeiro-ministro do Iraque. Embora os eleitores tenham indicado nas eleições de 2018 que estavam fartos dos poucos partidos que dominam o Iraque desde a era Bush, Abdulmahdi foi escolhido como primeiro-ministro. Ele saiu do Conselho Supremo Islâmico pró-iraniano. Protestos maciços eclodiram no início de outubro em cidades xiitas como Nasiriya e na Praça Tahrir de Bagdade. As forças de segurança iraquianas e os paramilitares xiitas responderam com força mortal, matando mais de 500 em outubro, novembro e dezembro. Abdulmahdi foi forçado a renunciar. As multidões exigiram o fim da corrupção e do sistema de saque partidário, pelo qual os maiores partidos no parlamento são recompensados ​​com empregos no governo para os seus apoiantes. Também queriam reformas eleitorais para bloquear o domínio dos partidos que continuam a vencer as eleições. Na semana passada, o parlamento iraquiano afastou-se do sistema de listas, no qual se vota numa lista partidária, em direção a um sistema em que os eleitores podem votar em políticos individuais. Embora o Iraque esteja a bombar 3,5 milhões de barris de petróleo por dia, os milhares de milhões em receitas que vão para o governo não foram investidos em empregos ou infraestrutura iraquiana. A corrupção é tão comum que se diz que o tesouro iraquiano está seco. Todos os 500 mil milhões de dólares ganhos com as vendas de petróleo desde a era Bush parecem ter desaparecido nos bolsos dos políticos. As multidões queriam mais serviços e uma participação na riqueza nacional do petróleo. Assad al-Eidani acaba de ser nomeado primeiro-ministro. Membro da elite de 2005 do Conselho Supremo Islâmico pró-Irão e governador de Basra, a sua indicação tem poucas esperanças de trazer melhoras do tipo que as multidões exigem.

Líbano

Manifestação no lÍBANO

Manifestação no Líbano em 2019 [Reuters]

No início de 2019, Saad Hariri era primeiro-ministro do Líbano. Em 17 de outubro, surgiram pequenos protestos de rua contra a corrupção, o impasse, a falta de serviços, a falta de recolha de lixo, a falta de eletricidade, o sectarismo e novos impostos sobre a aplicação de mensagens WhatsApp. Em 18 de dezembro, Hariri desistiu de se candidatar a outro mandato como primeiro-ministro. As multidões não se acalmam só por trocar o primeiro-ministro por alguém igualmente mau e claramente pretendem manter os pés do governo ao lume. Trump, durante todo o outono, reteve a ajuda militar dos EUA ao Líbano.

Todas essas quatro revoltas populares fizeram com que um primeiro-ministro ou presidente em exercício deixasse o cargo. Todas as quatro exigiram o fim da corrupção e a inação do governo em fornecer empregos e infraestrutura. Muitos queriam mais e melhores empregos. Todas foram de caráter nacionalista e não fundamentalista.

Argélia, Sudão e Iraque são todos produtores de petróleo nos quais a distribuição dos seus proveitos é controlada de perto pelo estado.

(...)

Em 2011, a imprensa internacional ficou hipnotizada pelas revoltas juvenis nas ruas que derrubaram governos na Tunísia, Egito, Líbia e Iémen, que mergulharam o Bahrein noutro miasma autoritário e deram início a uma guerra civil de oito anos na Síria. No entanto, mostrou pouco interesse nos movimentos semelhantes este ano.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.