15 de dezembro de 2019

Trump, autoimagem e ridículo

Estes textos curiosos apareceram no Quora, em resposta à questão: "Porque é que Trump tem uma postura tão estranha?". O autor do primeiro chama-se Edgar Maines e apresenta-se como reparador de pianos e acordeões e veterinário.

Trump tem, obviamente, algumas ideias peculiares sobre como aparece ao mundo. Tinge a pele de uma cor estranha e faz coisas insólitas com o cabelo. Sabe que isso o torna numa piada aos olhos do mundo, o que não é o que pretende – ele é vaidoso, muito sensível ao que pensam dele e muito atento à publicidade. Então, deve dar-se um processamento estranho na sua cabeça que o faz dizer: "Os das fake news gozam comigo, mas é porque estão com ciúmes. Triste! As mulheres querem-me agarrar a paxaxa!"

É uma espécie de dismorfia, como Michael Jackson a transformar um rosto perfeitamente bom numa tragédia fisionómica tipo Fantasma da Ópera, enquanto pensa que está cada vez mais perto da perfeição. Ou como a imagem corporal de um anorético, onde todos dizem com crescente urgência que está a definhar e, no entanto, ele acha que não está ainda magro que chegue.

Trump tem uma opinião interna exagerada de si mesmo, além de qualquer versão do normal – pode-se estender isso à sua autoavaliação psicológica – mas, na sua mente, ele é bonito e sexy e não tem autoimagem alternativa. A pele alaranjada e o estranho penteado cobrem as suas fraquezas, pensa ele.

Trump e Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa e Donald Trump na Casa Branca, em 27 de junho de 2018. De notar que a posição das mãos de Trump, quando sentado, é a descrita no texto. (Fonte: revista Caras)

Até certo ponto, isto não é de todo invulgar. Os homens com barba costumam ignorar comentários bem intencionados como “As barbas fazem-te velho…” porque talvez cultivem uma imagem de maduros e sábios, e porque acham que o queixo fraco e o maxilar impreciso têm que ser escondidos do mundo. Mulheres com cortes de cabelo estranhos tipo Flashdance, vindos do passado distante, veem a sua aparência com os mesmos olhos de quando tinham 16 anos. Sabem que está fora de moda, mas não lhe conseguem mexer – parecem elas próprias a elas próprias. Quando se olha para o desastre autoinfligido que John Bolton tem como rosto, perguntamo-nos que papel é que pensa que está a desempenhar, mas ele é como Trump – olha-se ao espelho e vê inteligência, talvez. Algum tipo de disfarce astuto para a vulgaridade subjacente.

Trump parte de um conjunto de disparates e crenças privadas sobre moda – que a pele tingida de laranja parece mais saudável, que o seu louco cabelo oleoso é jovem, que gravatas longas o fazem parecer mais alto e mais estreito, que roupas muito grandes escondem o seu volume e o fazem parecer mais impressionante – e transforma-as no seu traje de super-herói, no seu disfarce.

Depois, ele ritualizou maneiras de se mover e posar que fazem parte do mesmo esquema. Raramente se vê fotos de Trump com aparência natural. Está sempre a posar, a criar um visual que, na sua mente, é tão maravilhoso como o seu penteado. Quando se senta, gosta de separar os joelhos para mostrar tudo "lá em baixo" e, em seguida, unir as pontas dos dedos entre as pernas numa espécie de torre, com a ponta apontada para baixo. Provavelmente foi informado por alguém há muito tempo que essa era uma posição alfa que simbolicamente mostra que tem um pénis enorme. Quando fala, faz aquela coisa do polegar para o quarto dedo, uma variante do sinal de OK. Não significa nada, apenas faz isso aleatoriamente, mas na sua mente é um gesto impressionante que indica precisão, talvez, como um chef a sublinhar apenas um soupçon. Quando lê um teleponto, oscila desajeitadamente de um lado para o outro, inclinando a cabeça primeiro para cá, depois para lá, como uma figura animatrónica num parque temático da Disney. Isso parece-lhe que o torna mais casual, menos rígido. Quando se levanta, inclina-se para a frente, provavelmente para que a sua barriga não seja o ponto mais avançado, mas talvez por alguma outra razão semimágica.

É tudo uma só peça – a sua aparência esquisita, as suas posturas e movimentos excêntricos e o seu estranho senso exagerado de si próprio.

Já outro participante naquele fórum tem uma resposta mais técnica e, possivelmente mais certeira, especificamente sobre a postura de Trump. Trata-se de John Mixon, identificado como gestor de manutenção, mestre de obras e avaliador de arte.

Ele usa sapatos-elevadores – por razões que não são exatamente claras, Donald Trump usa vários pares de sapatos de plataforma mal ajustados para aumentar a sua altura (1,83m). Embora tenha dinheiro para comprar sapatos confortáveis que, mesmo assim, aumentem a sua altura aparente, por algum motivo, ele não os compra.

Usa um espartilho de homem – é uma peça de roupa usada para esconder um abdómen grande. Isso pode-se notar quando Trump não usa fato e o seu abdómen parece significativamente maior. O espartilho provavelmente restringe os movimentos e dificulta a postura.

Os joelhos devem estar sob grande tensão – entre os sapatos-elevadores, a falta de exercício e o peso, é muito provável que Donald Trump possa beneficiar com a substituição de pelo menos uma articulação do joelho. No entanto, como agora é presidente e tal cirurgia exigiria anestesia geral (cedendo temporariamente o papel a Mike Pence), é improvável que isso aconteça.

As costas parecem problemáticas – Trump raramente parece confortável, a menos que se sente numa cadeira muito estofada. Dado o peso, a dependência de sapatos-elevadores e a falta de exercício, é quase certo que desenvolveu problemas nas costas. Mais uma vez, como não pode tirar folga para a cirurgia, é possível que sofra muito das costas.

Está provavelmente cansado a maior parte do tempo – os tweets e os hábitos televisivos de Trump parecem indicar que está acordado a qualquer hora da noite e depois é forçado a permanecer acordado pelo resto do dia, após o início do seu período de trabalho. Como na verdade deveria estar aposentado ou a desempenhar um papel menos complexo na sua idade, Trump provavelmente está cansado a maior parte do dia e isso reflete-se na sua postura e na sua marcha.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.